Itaú demite por justa causa funcionário que negociava Bitcoin no horário de expediente

Segundo o banco, o ex-colaborador captou ativos digitais de 168 pessoas e fez 54 repasses entre janeiro de 2016 e agosto de 2018, período em que ele trabalhou na empresa.

Siga no
Itau demissão criptomoedas
Foto: Divulgação/Itaú Unibanco

O Itaú Unibanco demitiu por justa um analista de sistemas que, de acordo com a empresa, negociava Bitcoin e outras criptomoedas durante o horário de expediente.

Segundo o banco, o ex-colaborador captou ativos digitais de 168 pessoas e fez 54 repasses entre janeiro de 2016 e agosto de 2018, período em que ele trabalhou na empresa.

O ex-funcionário não concordou com a demissão e moveu uma ação trabalhista contra o Itaú. Nos autos do processo, ele reconheceu que fazia intermediação de criptomoedas, mas disse que a conduta não poderia ser usada para justificar uma justa causa.

O banco, por sua vez, informou no processo que o analista, ao exercer outra atividade no horário de trabalho, agiu com “improbidade, ato de concorrência e indisciplina”. Esses comportamentos, de acordo com a empresa, dão razão à justa causa, conforme define o artigo 482 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

Além disso, o Itaú também informou que o ex-colaborador não cumpriu com o código de ética da empresa, bem como violou a política corporativa de prevenção a atos Ilícitos.

O que disse a Justiça sobre a demissão do analista?

Nesta terça-feira (22), conforme sentença publicada no Diário Oficial de Justiça, a juíza do trabalho Daniela Abrao Mendes de Carvalho entendeu que a empresa agiu de modo correto.

“O reclamante, na função de analista de desenvolvimento de sistemas, deveria ater-se às suas atribuições ao longo do expediente, bem como não exercer qualquer atividade conflitante a de um empregado de instituição bancária, tal como a intermediação de transações para terceiros envolvendo a criptomoeda, atividade não realizada pelo empregador”, escreveu.

Ainda de acordo com a magistrada, o fato de o antigo funcionário ter feito 168 operações para terceiros foi um agravante contra ele. “Trata-se de fato grave o suficiente a ensejar a justa causa, até mesmo pela quantidade de operações realizadas, que certamente afetaram sua produtividade no trabalho”, disse.

Itau demitiu gerente que oferecia aplicação em suposta pirâmide associada a criptomoedas

Não foi a primeira vez que o Itaú Unibanco tirou de seu quadro efetivo um colaborador que exerce atividade paralela com criptomoedas.

Em março, por exemplo, a empresa demitiu por justa causa uma ex-colaboradora que oferecia pacotes de investimentos em criptomoedas, com supostos lucros de 65% ao mês.

A empresa que a ex-funcionária representava era a Profitmon, investigada pela Polícia Civil de Sergipe por prática de pirâmide financeira. O responsável pelo esquema teria aplicado um golpe de R$ 17 milhões, segundo as autoridades.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).

Debate Descentralizado: stablecoins podem impactar outras criptomoedas

As stablecoins são possivelmente um dos pilares do mercado de criptomoedas atualmente. O USDT, por exemplo, é usado como medidor de demanda por investidores....
Trade na Uniswap baleia

Criador da Uniswap quer melhorar negociações de baleias Ethereum

Hayden Adams, o criador da Uniswap quer implementar uma melhoria para as negociações de baleias de Ethereum. Um estudo está sendo feito em conjunto...
US Marshals na vigilância do telhado bitcoin

Polícia americana contrata empresa para armazenar bitcoins apreendidos

A polícia dos Estados Unidos quer guardar os bitcoins apreendidos em operações e para isso, contratou uma empresa especializada, a Anchorage Digital. De acordo com...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias