Justiça nega redução de pensão porque homem tem máquinas de minerar bitcoin

O homem tem 24 máquinas de criptomoedas e quase R$ 100 mil investidos em bitcoin.

Siga no
Máquinas de mineração de Bitcoin da Bitmain. Imagem: Reprodução.

Um pai pediu a redução da pensão alimentícia de sua filha, de 12 anos. A Justiça, no entanto, negou o pedido. O motivo é que o homem tem um patrimônio substancial, composto, inclusive, de 24 máquinas de minerar criptomoedas.

De acordo com processo que corre em São Paulo, o pai, de 54 anos, e sua ex-companheira (a idade dela não foi revelada) estão no meio de uma ação declaratória de reconhecimento e dissolução de união estável, com partilha de bens. Em resumo, é um caso de divórcio.

Dentro dessa ação, ele pediu para a Justiça reduzir o valor da pensão da menina, que havia sido estipulado em quatro salários mínimos – pouco mais de R$ 4 mil.

Em decisão de agosto, no entanto, a Justiça negou a redução. Por causa disso, o homem entrou com um agravo de instrumento (nome dado ao recurso interposto contra decisões anteriores).

O que o pai alegou no agravo de instrumento?

No agravo, o homem disse que não tem condições de pagar a pensão, pois está desempregado e recebe apenas rendimentos mensais de R$ 10 mil. Esse valor seria fruto de um contrato de mútuo feito com uma empresa de construções.

No entanto, metade desse rendimento, de acordo com o homem, pertence à ex-companheira, “de modo que o valor dos provisórios praticamente equivale ao que lhe resta ao fim do mês para fazer frente às suas despesas ordinárias”.

Com base nos argumentos acima, ele pediu para a Justiça reduzir a pensão para R$ 1.395.

O que disse a Justiça?

Ao analisar o agravo, a 8ª Câmara Direito Privado de Ribeirão Preto (SP) não reconheceu o pedido e não concedeu a redução do valor. A decisão foi publicada nesta sexta-feira (11) no Diário de Justiça de São Paulo.

“Não se verifica, por ora, a excessividade no valor arbitrado liminarmente, pois a verba alimentar fará frente ao sustento de uma adolescente de 12 anos de idade, cujas necessidades são presumidas e prescindíveis provas que atestem a indispensabilidade do encargo alimentar”.

Para justificar a decisão, a 8ª Câmara informou que o homem tem um “patrimônio substancial”, composto por um contrato de mútuo de R$ 1,9 milhão, quitado no ano passado, bem como por um veículo Fiat Toro avaliado em R$ 135 mil.

Além disso, o homem tem 24 máquinas de criptomoedas e quase R$ 100 mil investidos em bitcoin.

“Os mencionados bens móveis, além de outros relacionados na inicial e os comprovantes bancários de conta titularizada pelo agravante, remontam valores incompatíveis com a alegada impossibilidade de fazer frente aos provisórios”, disse a Justiça.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).

Debate Descentralizado: stablecoins podem impactar outras criptomoedas

As stablecoins são possivelmente um dos pilares do mercado de criptomoedas atualmente. O USDT, por exemplo, é usado como medidor de demanda por investidores....
Trade na Uniswap baleia

Criador da Uniswap quer melhorar negociações de baleias Ethereum

Hayden Adams, o criador da Uniswap quer implementar uma melhoria para as negociações de baleias de Ethereum. Um estudo está sendo feito em conjunto...
US Marshals na vigilância do telhado bitcoin

Polícia americana contrata empresa para armazenar bitcoins apreendidos

A polícia dos Estados Unidos quer guardar os bitcoins apreendidos em operações e para isso, contratou uma empresa especializada, a Anchorage Digital. De acordo com...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias