Justiça nega redução de pensão porque homem tem máquinas de minerar bitcoin

O homem tem 24 máquinas de criptomoedas e quase R$ 100 mil investidos em bitcoin.

-

Siga no
Máquinas de mineração de Bitcoin da Bitmain. Imagem: Reprodução.
Anúncio

Um pai pediu a redução da pensão alimentícia de sua filha, de 12 anos. A Justiça, no entanto, negou o pedido. O motivo é que o homem tem um patrimônio substancial, composto, inclusive, de 24 máquinas de minerar criptomoedas.

De acordo com processo que corre em São Paulo, o pai, de 54 anos, e sua ex-companheira (a idade dela não foi revelada) estão no meio de uma ação declaratória de reconhecimento e dissolução de união estável, com partilha de bens. Em resumo, é um caso de divórcio.

Dentro dessa ação, ele pediu para a Justiça reduzir o valor da pensão da menina, que havia sido estipulado em quatro salários mínimos – pouco mais de R$ 4 mil.

Anúncio

Em decisão de agosto, no entanto, a Justiça negou a redução. Por causa disso, o homem entrou com um agravo de instrumento (nome dado ao recurso interposto contra decisões anteriores).

O que o pai alegou no agravo de instrumento?

No agravo, o homem disse que não tem condições de pagar a pensão, pois está desempregado e recebe apenas rendimentos mensais de R$ 10 mil. Esse valor seria fruto de um contrato de mútuo feito com uma empresa de construções.

No entanto, metade desse rendimento, de acordo com o homem, pertence à ex-companheira, “de modo que o valor dos provisórios praticamente equivale ao que lhe resta ao fim do mês para fazer frente às suas despesas ordinárias”.

Com base nos argumentos acima, ele pediu para a Justiça reduzir a pensão para R$ 1.395.

O que disse a Justiça?

Ao analisar o agravo, a 8ª Câmara Direito Privado de Ribeirão Preto (SP) não reconheceu o pedido e não concedeu a redução do valor. A decisão foi publicada nesta sexta-feira (11) no Diário de Justiça de São Paulo.

“Não se verifica, por ora, a excessividade no valor arbitrado liminarmente, pois a verba alimentar fará frente ao sustento de uma adolescente de 12 anos de idade, cujas necessidades são presumidas e prescindíveis provas que atestem a indispensabilidade do encargo alimentar”.

Para justificar a decisão, a 8ª Câmara informou que o homem tem um “patrimônio substancial”, composto por um contrato de mútuo de R$ 1,9 milhão, quitado no ano passado, bem como por um veículo Fiat Toro avaliado em R$ 135 mil.

Além disso, o homem tem 24 máquinas de criptomoedas e quase R$ 100 mil investidos em bitcoin.

“Os mencionados bens móveis, além de outros relacionados na inicial e os comprovantes bancários de conta titularizada pelo agravante, remontam valores incompatíveis com a alegada impossibilidade de fazer frente aos provisórios”, disse a Justiça.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Lucas Marins
Lucas Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).

Leia mais

Últimas notícias

Exame Research destaca Bitcoin em lançamento

A Exame Research está lançando uma nova casa de análise e destaca o Bitcoin nesse lançamento. Com uma divisão focada nas criptomoedas, o analista...

Coluna do TradingView: Estudo da Semanal – BTC, NEO, BAT e Lend

Bitcoin em claro momento de distribuição no topo de 10mil dólares. Confira como os analistas do TradingView estão olhando para as Criptomoedas durante esse...

Banco Central quer economizar R$ 70 bilhões com moeda digital

O Banco Central do Brasil quer economizar pelo menos R$ 70 bilhões com o lançamento da nova moeda digital. A informação teria sido repassada...