Mais de R$ 70 milhões em bitcoins “somem” da Indeal

Justiça afirma que empresa inventou lucros com a venda de bitcoins em plena desvalorização da criptomoeda no mercado.

-

Siga no
Grupo ligado a Indeal responderá por crimes na Justiça Federal
Grupo ligado a Indeal responderá por crimes na Justiça Federal
Anúncio

Investigações sobre o caso da Indeal revelam que mais de R$ 70 milhões praticamente sumiram das contas da empresa. À justiça, a Indeal alegou que a fortuna foi investida em criptomoedas como o bitcoin. Embora o valor tenha sido registrado na contabilidade da empresa, a justiça alega que todo esse valor pode ser “inexistente”.

A Indeal teve suas operações encerradas após a Operação Egypto. Autoridades prenderam dez pessoas durante a operação que aconteceu em maio de 2019 em três estados. A empresa foi acusada de ser pirâmide financeira. Além disso, quinze pessoas foram indiciadas por participação nos negócios da empresa que operava irregularmente no Brasil.

Mais de R$ 70 milhões não existem nas contas da Indeal

Um rombo revelado pelo justiça mostra que mais de R$ 70 milhões não se encontram nas contas da Indeal. A empresa alegou que essa quantia estaria investida em criptomoedas. O valor chegou a ser lançado nos dados contábeis da empresa, mas a fortuna parece não existir.

Anúncio

Após uma minuciosa apuração de vários órgãos, como a Receita Federal, por exemplo, não foram encontrados os R$ 70 milhões. Como a empresa apontou que esse investimento foi feito em criptomoedas, a investigação deveria encontrar mais de 1610 bitcoins.

Até mesmo corretoras de criptomoedas foram investigadas em relação às transações da Indeal. Os R$70 milhões estavam lançados em dois investimentos em criptomoedas. Dados contábeis apontavam para um aporte de R$ 50 milhões e outro de R$ 20 milhões que poderiam estar armazenados em bitcoins.

“Em outras palavras, a empresa criou artificialmente, em sua contabilidade, um ganho de 50 milhões em uma aplicação que não possuía, ou possuía em valores muito inferiores a este. O que é pior, analisando a flutuação da cotação do bitcoin, verifica-se, em realidade, que tal ativo desvalorizou-se significativamente no período em questão”.

Investigação encontra menos de R$ 3 milhões nas contas da empresa

Mais de 50 mil usuários participaram dos negócios da Indeal por todo o país. Após a empresa encerrar suas operações, centenas de pedidos de restituição são apresentados à justiça. Caberá as autoridades encontrar todos os rendimentos em nome da empresa que lesou milhares de clientes.

Para a justiça, a empresa realizou falsos registros em mais de R$ 70 milhões. Todos os dados foram colocados na contabilidade da empresa em 2018. A investigação apontou que durante quatro meses a Indeal movimentou cerca de R$ 3,5 milhões em uma conta no banco Banrisul.

Desse total de R$ 3,5 milhões, a empresa resgatou R$ 1,4 milhão ainda em 2018. Mas os dados referentes aos aportes de R$ 30 e R$ 50 milhões registrados na contabilidade da Indeal parece não existir. 

O aporte de R$ 50 milhões foi lançado como uma entrada em reais. Posteriormente esse dinheiro seria investido em criptomoedas. Por outro lado, empresa alegou que o aporte de R$ 20 milhões seria resultado de lucros obtidos com a venda do bitcoin. Mas, para a justiça seria difícil a empresa obter lucro com a criptomoeda em um momento de acentuada desvalorização no mercado.

“Todavia, ainda que se possa aventar que houve ganhos na venda de bitcoin, e que os valores teriam entrado nos cofres da empresa ao invés de contas bancárias, estaríamos diante de nova situação inusitada”.

Para a justiça, essa informação não condiz com a realidade do mercado de criptomoedas em 2018. O bitcoin acumulou uma desvalorização durante o ano todo, chegando a se desvalorizar em mais de 80%. Dessa forma, o lucro obtido pela Indeal não poderia existir.

“Constatamos que a partir do mês de agosto de 2018 houve uma queda constante e acentuada no valor do bitcoin, conforme cotação, em reais, no final de cada um dos meses”.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Leia mais sobre:
Paulo Carvalho
Paulo Carvalho
Jornalista em trânsito, escritor por acidente e apaixonado por criptomoedas. Entusiasta do mercado, ouviu falar em Bitcoin em 2013, mas era que nem caviar, "nunca vi, nem comi, só ouço falar".

Leia mais

Venezuela e Bitcoin

Quais os riscos da Venezuela minerar Bitcoin?

A Venezuela publicou um novo decreto mostrando que deve começar a minerar Bitcoin, mas alguns riscos podem envolver a prática. No país, há uma...
Escritório do Nubank (Bitcoin, Blockchain, Criptomoedas)

Vendedora tem conta bloqueada no Nubank após vender bitcoin

As negociações de criptomoedas chamam a atenção das instituições financeiras, que acabam prejudicando alguns de seus clientes ao bloquear contas. Uma vendedora de Bitcoin...
Investimento em prejuízo no Brasil

Investimento mais conservador do Brasil dando prejuízo

Muitos que procuram investir nas criptomoedas, como Bitcoin, por exemplo, acreditam que a moeda oferece grandes riscos como reserva de valor. Mas na pandemia...

Últimas notícias

Nouriel Roubini ataca DeFi: “é um vaporware”

O termo DeFi toma as manchetes do mercado de criptomoedas e de economistas renomados em 2020. De acordo com o analista financeiro Nouriel Roubini,...

Justiça vai atrás de exchanges internacionais em ação de R$ 65 milhões contra a Atlas Quantum

A Justiça de São Paulo determinou que oito exchanges internacionais promovam o bloqueio de qualquer ativo digital depositado pela Atlas Quantum. A decisão foi proferida...

Empresa vai dar criptomoedas para quem plantar árvores

Um dos problemas que preocupam a sociedade atualmente é a emissão de carbono e as mudanças climáticas causadas pelo aquecimento global. Para tentar achar...