MPF denuncia 15 pessoas por associação em esquema acusado de pirâmide que movimentou R$ 1 bilhão

Dez pessoas chegaram a ser presas através da Operação Egypto envolvidas com a mesma empresa investigada pela Justiça Federal.

-

Siga no
Grupo ligado a Indeal responderá por crimes na Justiça Federal
Grupo ligado a Indeal responderá por crimes na Justiça Federal
Anúncio

A Justiça Federal investigará quinze pessoas envolvidas em um esquema acusado de operações fraudulentas. Os investigados foram denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF). O grupo é acusado de operar clandestinamente a oferta de investimentos mobiliários no Brasil através da empresa Indeal.

A denúncia recebida pela Justiça Federal está relacionada com a Operação Egypto em que a empresa Indeal foi investigada pela Polícia Federal. A operação resultou na a prisão de dez pessoas envolvidas no caso que foi acusado de ser pirâmide financeira. Com a promessa de investimentos em criptomoedas, a Indeal oferecia lucros de 15% ao mês aos clientes. Contudo, autoridades alegam que a empresa não investia em criptomoedas.

Quinze pessoas vão responder na justiça por associação a Indeal

Quinze pessoas deverão responder pelas atividades da Indeal na Justiça Federal. A empresa não possuía autorização para operar no Brasil e teve suas atividades encerradas com a Operação Egypto. A Indeal possui sede em Novo Hamburgo – RS e teve suas portas fechadas pela Polícia Federal há cerca de dois meses atrás.

Anúncio

Após a prisão de dez pessoas que possui ligação com a empresa, o MPF entregou uma denúncia à Justiça Federal do Rio Grande do Sul. No pedido apresentado, 17 pessoas chegaram a ser denunciadas. Os pedidos foram entregues pelo MPF na última quarta-feira (24). Porém, a justiça decidiu não acatar dois pedidos apresentados pelo órgão.

Dois pedidos de denúncia foram rejeitados pela Justiça Federal

De acordo com a justiça, a denúncia relacionada a duas pessoas apontadas pelo MPF não pode ser acatada pela Justiça Federal. Sem revelar o nome dos envolvidos, a decisão alega que dois dos 17 denunciados, não cometeram nenhum tipo de crime relacionado a empresa investigada. Por outro lado, 15 denúncias foram aceitas pela 7ª Vara Federal de Porto Alegre.

Os quinze investigados poderão responder por diversos crimes após a Justiça Federal acatar a denúncia do MPF. Vários crimes podem ser previstos para os acusados, como a organização criminosa, evasão de divisas, gestão fraudulenta de instituição financeira e sem autorização legal e entre outros.

Operação Egypto aconteceu em três estados brasileiros

A Operação Egypto foi deflagrada pela Polícia Federal e pela Receita Federal visando as atividades da Indeal. No final de maio, diversos mandados de busca e apreensão envolveram a empresa. Além de atividades em Novo Hamburgo – RS, a Operação Egypto cumpriu também mandados de busca e apreensão no estado catarinense e em São Paulo.

As autoridades investigaram as operações da Indeal, que prometia lucro fixo em investimentos em criptomoedas como o bitcoin. Porém, como foi apurado pela Operação Egypto, a Indeal aplicava em rendimento fixo, que não ultrapassava o lucro de 1% ao mês. Desse modo, as atividades da empresa foram completamente comprometidas.

A Indeal foi criada em agosto de 2017 e chegou a estar presente em praticamente todo o Brasil. Entretanto, a investigação apontou atividades da empresa em 26 estados, totalizando mais de 55 mil clientes. Sendo assim, esse número impressionante fez com que a empresa captasse R$ 1 bilhão em investimentos.

Desde janeiro de 2019 as atividades da Indeal estavam sendo investigadas. Antes da Operação Egypto, o promotor de justiça Celso Tres chegou a afirmar que a empresa poderia ser enquadrada como uma pirâmide financeira. Dessa forma, a oferta de lucro fixo e que não condiz com a realidade dos investimentos da empresa pode ter feito milhares de vítimas em todo o país.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Paulo Carvalho
Paulo Carvalho
Jornalista em trânsito, escritor por acidente e apaixonado por criptomoedas. Entusiasta do mercado, ouviu falar em Bitcoin em 2013, mas era que nem caviar, "nunca vi, nem comi, só ouço falar".
Compra de Bitcoin

Governo da Noruega compra Bitcoin

Uma empresa que fez a compra de R$ 1,3 bi em Bitcoin como reserva de valor em agosto continua a repercutir na comunidade cripto....
Bitcoin em corretoras de criptomoedas

CEO da MicroStrategy: “podemos despejar R$ 1.3 bi em Bitcoin no mercado a qualquer...

Após comprar de R$ 1.3 bilhão em bitcoin como reserva de valor, a MicroStrategy se tornou um nome importante para os defensores da moeda...
Prédio da PGR - Ministério Público Federal do Brasil (MPF) investigando

MPF está investigando ataque hacker em seus servidores

O Ministério Público Federal (MPF) está investigando um suposto ataque hacker em seus servidores. De acordo com um portal de notícias, dados do órgão...

Últimas notícias

CEO da MicroStrategy: “podemos despejar R$ 1.3 bi em Bitcoin no mercado a qualquer hora”

Após comprar de R$ 1.3 bilhão em bitcoin como reserva de valor, a MicroStrategy se tornou um nome importante para os defensores da moeda...

MPF está investigando ataque hacker em seus servidores

O Ministério Público Federal (MPF) está investigando um suposto ataque hacker em seus servidores. De acordo com um portal de notícias, dados do órgão...

Finanças Descentralizadas (DeFi) caem 40%, será o fim?

Nos últimos dias assistimos um massacre das moedas de finanças descentralizadas (DeFi), com quedas entre 30% e 58%. Talvez você não tenha acompanhado a...