Marina Silva utilizando blockchain da DECRED para deixar transparente o financiamento coletivo de sua campanha eleitoral

Marina vai utilizar a plataforma da Voto Legal.

Siga no

Marina Silva é a primeira pré-candidata à presidencia do Brasil a utilizar blockchain para deixar transparente doação eleitoral. A iniciativa é um movimento contra a corrupção em campanhas eleitorais. Marina vai utilizar a plataforma da Voto Legal.

Voto Legal é um projeto que usa a tecnologia Blockchain da DECRED para permitir que o financiamento de campanha eleitoral seja transparente e que todas as transações realizadas sejam rastreadas e fiquem disponíveis para o cidadão.

“A Voto Legal é uma plataforma de software livre homologada pelo TSE. Todas as doações serão registradas na blockchain da DECRED com objetivo de garantir a autenticidade das transações, promovendo a confiabilidade no processo de doação eleitoral.”

A lista de pré-candidatos à Presidência já conta com vários nomes conhecidos pelos eleitores brasileiros, muitos já desistiram de concorrer, como o apresentador Luciano Huck, o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa e o presidente Michel Temer.

Todos os demais que já anunciaram a intenção de disputar o pleito têm importantes obstáculos a superar até o início da campanha.

Até o momento, poucos se pronunciaram à respeito das criptomoedas. O pré-candidato do Partido Novo à Presidência da República, João Amoêdo, disse que pretende trazer mais concorrência para o mercado dos cartórios, utilizando blockchain.

Em Abril, Eduardo Bolsonaro fez um comentário que sustenta uma posição favorável ao Bitcoin.

Agora, a ex-senadora e ex-ministra do Meio Ambiente, que foi a terceira colocada em 2014, quando recebeu cerca de 20 milhões de votos, Marina Silva, que também ocupa a terceira posição nas pesquisas com Lula e Bolsonaro para as eleições de 2018, lançou uma plataforma de financiamento coletivo para sua campanha nesta terça-feira (17).

No site, podem ser feitas doações de valores a partir de R$ 10, que podem ser pagos com cartão de crédito ou boleto bancário.

Em nota, a sigla de Marina destaca que, enquanto os três maiores partidos brasileiros vão receber mais de um terço do Fundo Eleitoral de R$ 1,7 bilhão deste ano, a Rede receberá apenas 0,62%, o que representa cerca de R$ 10 milhões. Desse total, metade será direcionada pelo partido à campanha da pré-candidata.

Desde 2015, empresas não podem mais doar para campanhas eleitorais. Esta será a primeira eleição presidencial com a nova regra. “O teto de gastos estipulado em R$ 70 milhões para campanhas presidenciais reforça a promessa de uma competição menos desigual e a importância das doações de pessoas comuns”, destaca a nota do partido.

Marina não é a única postulante à Presidência com uma plataforma de financiamento. O ex-presidente (e atual presidiário) Luiz Inácio Lula da Silva, pré-candidato do PT, também tem uma campanha para receber doações na internet. João Amoêdo (Novo), Alvaro Dias (Podemos), Manuela D’Ávila (PCdoB), Guilherme Boulos (PSOL) e Ciro Gomes (PDT) também têm suas plataformas, mas não estão usando blockchain da Decred (Ainda).

A plataforma utilizada por Marina, Voto legal, é livre e aberta, é promovida pelo MCCE (Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral) em parceria com o APPCIVICO.

Com ela os eleitores podem se informar sobre o histórico e perfil de cada candidato ou candidata, suas principais propostas e custos estimados de campanha, assim como realizar doações diretamente na conta da campanha de cada um e monitorar a sua prestação de contas.

O Voto Legal não é só um site, é um sistema de transferência de recursos – financeiros ou não – para permitir que a própria sociedade financie eleições. A empresa também atuou em outras eleições e hospeda a vaquinha de pré-candidatos da Rede como o senador Randolfe Rodrigues (AP), que tenta se reeleger, e o ator Wellington Nogueira (SP), postulante a deputado federal.

A maioria dos candidatos que já aderiram ao Voto Legal nas eleições municipais estavam em partidos pequenos, fora dos grandes esquemas de financiamento, seja na esquerda ou na direita: Rede, PSOL, Partido Novo.

A proibição da doação por empresas não acaba com um problema histórico: o caixa 2. A maior parte do dinheiro corre por fora, clandestina. E o caixa 2 não vai acabar.

Blockchain da DECRED vai ajudar trazer transparência para as campanhas de financiamento coletivo e permitir que os eleitores possam auditar as doações.

A meta inicial de Marina é conseguir R$ 100 mil para realizar eventos em cinco capitais e divulgar suas propostas. Uma segunda meta é alcançar R$ 200 mil para o que a campanha chamada de combate a “mentiras, acusações levianas e notícias falsas” de adversários.

No primeiro dia da vaquinha, no momento da redação deste artigo, Marina já havia  arrecadado cerca de R$ 31 mil. As doações podem ser vistas no site: https://doemarina.com.br/

Leia Também: 10 motivos pra manter o olho na Decred

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Mateus Nuneshttps://livecoins.com.br
Fundador do Livecoins. Analista de Sistemas, entusiasta de criptomoedas e blockchain. Tradutor do site Bitcoin.org

Alemanha vai leiloar R$ 75,2 milhões em Bitcoin

O leilão de criptomoedas realizados por diferentes governos tem sido algo cada vez mais comum, e desta vez um estado da Alemanha vai leiloar...
Rafael Portugal em uma live pelo Instagram

“Não perdi nada” – Rafael Portugal consegue bloquear R$ 1,4 milhão da empresa do...

Em uma publicação em seu Instagram, o ator do "Porta dos Fundos" Rafael Portugal afirmou que "não perdeu nada". Agradecendo o carinho dos fãs...
Investimentos em Bitcoin e criptomoedas

ANBIMA fará evento sobre criptomoedas, água e cannabis

O evento ANBIMA Summit, que começa nesta segunda-feira (25), discutirá sobre investimentos em criptomoedas, água e cannabis, na seção dos chamados ativos alternativos. A ANBIMA...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias