Mastercard na caça de patentes blockchain

Apesar de negar, está de olho!

-

Siga no
Anúncio

A empresa de pagamentos Mastercard parece estar incomodada com a Blockchain e com as criptomoedas, de forma que está na caça de patentes.

As patentes são, de acordo com definição do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), títulos de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, que são outorgados pelo estado e garantem proteção contra terceiros que queiram utilizar, produzir, colocar a venda um produto ou processo patenteado.

De acordo com um relatório recente que veio à público, a Mastercard desde 2017 já registrou uma série de patentes relacionadas a blockchain. Essa novidade chegou ao mundo na mesma semana em que a empresa foi multada pela União Europeia em cerca de £ 570 milhões (2.8 bilhões de reais) por práticas desleais de monopólio contra a concorrência.

Anúncio

Em uma pesquisa conduzida pela UHY Hacker Young, foi apontado que a Mastercard registrou mais patentes blockchain na Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) do que qualquer outra empresa dos EUA.

Considerando a classificação de países, os EUA ficaram na segunda posição, com a China na liderança das patentes ligadas a blockchain no mundo.

A OMPI já registrou mais de 300 patentes ligadas a nova tecnologia distribuída, sendo mais da metade feita por países do G7.

A empresa responsável por liberar os relatórios, afirma ainda que várias patentes seriam para utilizar blockchains de forma offline.

O portal de notícias cryptobriefing entrou em contato com a empresa, mas não obteve resposta sobre a quantidade exata de patentes que a Mastercard registrou.

Empresas da indústria pornô tem buscado aceitar mais as criptomoedas como uma alternativa às altas taxas cobradas por serviços como da Mastercard e Visa, que são por volta de 5% a 15% dos valores das transações, ou seja, altíssimas.

As Blockchains públicas, e que são descentralizadas de verdade, não se preocupam com patentes visto que são incensuráveis e de difícil regulamentação jurídica, logo, a busca da tecnologia pela Mastercard pode no fim das contas não ser uma ameaça tão grande ao mercado de criptomoedas, mas é importante ter atenção nas movimentações.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Leia mais sobre:
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.
Prédio da PGR - Ministério Público Federal do Brasil (MPF) investigando

MPF está investigando ataque hacker em seus servidores

O Ministério Público Federal (MPF) está investigando um suposto ataque hacker em seus servidores. De acordo com um portal de notícias, dados do órgão...

Finanças Descentralizadas (DeFi) caem 40%, será o fim?

Nos últimos dias assistimos um massacre das moedas de finanças descentralizadas (DeFi), com quedas entre 30% e 58%. Talvez você não tenha acompanhado a...
Bitcoin em corretoras de criptomoedas

Trader veterano que viu queda no Brasil gosta do Bitcoin

Com o preço do Bitcoin operando abaixo de U$ 12 mil em setembro, a contrapartida foi o aumento da volatilidade no início do mês....

Últimas notícias

Finanças Descentralizadas (DeFi) caem 40%, será o fim?

Nos últimos dias assistimos um massacre das moedas de finanças descentralizadas (DeFi), com quedas entre 30% e 58%. Talvez você não tenha acompanhado a...

Pioneira, gestora carioca lança primeiro ETF de criptomoedas do mundo

A gestora Hashdex, sediada no Rio de Janeiro (RJ), informou nesta semana que recebeu aprovação para lançar o primeiro ETF (sigla para fundo negociado...

Trader veterano que viu queda no Brasil gosta do Bitcoin

Com o preço do Bitcoin operando abaixo de U$ 12 mil em setembro, a contrapartida foi o aumento da volatilidade no início do mês....