Multinacional perde R$ 128 milhões em golpe envolvendo diretor falso criado por IA

“Desta vez, em uma videoconferência com várias pessoas, todas essas pessoas eram falsas”, comentou Baron Chan Shun-ching, superintendente da polícia de Hong Kong, ao SCMP.

Golpistas criaram um esquema elaborado para enganar o funcionário de multinacional e conseguiram roubar 200 milhões de dólares de Hong Kong (R$ 128 milhões). A principal técnica utilizada foi o “deepfake”, que gera rostos e vozes de outras pessoas.

No golpe em questão, os golpistas não fizeram um deepfake de apenas uma pessoa, mas sim de várias. Segundo informações do jornal South China Morning Post (SCMP), os golpistas criaram uma reunião falsa utilizando os rostos de diversos executivos da empresa.

Um desses executivos ‘clonados’ foi o diretor financeiro da empresa, que ordenou o funcionário em questão a transferir o dinheiro para outras contas. Acreditando que a ordem partiu de seu chefe, ele concluiu a transação multi-milionária.

Funcionário cai em golpe de deepfake e empresa registra prejuízo de R$ 128 milhões

Quando vemos uma figura famosa prometendo dobrar seus investimentos, logo imaginamos que se trata de um golpe. Mesmo assim, algumas pessoas menos atentas e mais gananciosas se tornam vítimas.

No entanto, se imaginarmos uma reunião com diversos executivos de sua empresa, é difícil pensar que se trata de um golpe.

Essa foi a situação vivida pelo funcionário do departamento financeiro de uma multinacional, que transferiu HK$ 200 milhões (R$ 128 milhões) da empresa para contas controladas pelos golpistas. No total, foram realizadas 15 transações para 5 contas bancárias diferentes.

“Desta vez, em uma videoconferência com várias pessoas, todas essas pessoas eram falsas”, comentou Baron Chan Shun-ching, superintendente da polícia de Hong Kong, ao SCMP.

“Eles usaram a tecnologia deepfake para imitar a voz de seus alvos lendo um script.”

Além do falso diretor financeiro da empresa, que ordenou a transferência, outros empregados falsos e pessoas de fora também estavam presentes na reunião. A fraude só foi notada cerca de uma semana depois, quando o funcionário decidiu buscar mais informações sobre as transferências dentro da própria empresa.

Finalizando, o artigo do SCMP afirma que os golpistas também entraram em contato com outros funcionários da mesma empresa. No entanto, não há informações sobre o que foi discutido nessas conversas. Até o fechamento dessa matéria, ninguém foi detido.

Golpes envolvendo IA e deepfake estão evoluindo

Embora esses golpes tenham surgido no setor de criptomoedas com deepfakes de baixa qualidade, tanto a tecnologia quanto os planos dos golpistas parece estar evoluindo.

Um exemplo recente disso foi relatado por Martin Casado, sócio da empresa de criptomoedas a16z. Na semana passada, o executivo contou que seu pai recebeu uma ligação falsa na qual os golpistas estavam se passando por sua pessoa. Por sorte o golpe falhou, já que seu pai conseguiu entrar em contato antes de enviar o dinheiro.

Com a popularização de ferramentas de IA e deepfake, é possível que golpistas comecem a focar em pessoas comuns também. Portanto, é necessário estar atento a ligações, tanto telefônicas quanto de vídeo, para evitar a perda de dinheiro.

Por fim, Tyler Chan Chi-wing, inspetor sênior que acompanhou o caso da multinacional, sugeriu que as pessoas peçam para seu contato “mover a cabeça para os lados”, já que isso poderia causar erros na imitação dos rostos.

No entanto, além de ser uma situação embaraçosa para um funcionário realizar tal pedido para seu possível chefe, também vale lembrar que essas tecnologias estão evoluindo. Então, as dicas de segurança atuais podem ficar obsoletas em breve.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na maior corretora de criptomoedas do mundo e ganhe até 100 USDT em cashback. Acesse Binance.com

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Henrique HK
Henrique HKhttps://github.com/sabotag3x
Formado em desenvolvimento web há mais de 20 anos, Henrique Kalashnikov encontrou-se com o Bitcoin em 2016 e desde então está desvendando seus pormenores. Tradutor de mais de 100 documentos sobre criptomoedas alternativas, também já teve uma pequena fazenda de mineração com mais de 50 placas de vídeo. Atualmente segue acompanhando as tendências do setor, usando seu conhecimento para entregar bons conteúdos aos leitores do Livecoins.

Últimas notícias