Pacote de estímulo de US$ 3 trilhões de Biden pode impulsionar o Bitcoin

Os defensores do Bitcoin há muito proclamam a ideia de que as criptomoedas são "ouro digital" que servem como "proteção contra a inflação".

Siga no
Bitcoin e dólar amassado
Bitcoin e dólar amassado

Joe Biden quer gastar cerca de US$ 3 trilhões com seu pacote de estímulo na economia dos Estados Unidos. Um primeiro de US$ 900 bilhões é apenas o começo, de acordo o presidente eleito dos Estados Unidos.

Biden quer que cada americano receba um cheque de US$ 2.000, já que para ele, US$ 600 parece muito pouco, e também os US$ 1.000 pagos em abril.

“É necessário gastar dinheiro agora”, disse Biden. “Será na casa dos trilhões de dólares, o pacote completo. . . a fim de evitar que a economia entre em colapso este ano, ficando muito, muito pior, devemos investir quantias significativas de dinheiro agora para fazer a economia crescer”.

A frase fez com que as ações caíssem ligeiramente, com o Senador Joe Manchin rapidamente dizendo que analisará a proposta.

“Eu nunca me lembro de Franklin Roosevelt enviando um maldito centavo para um ser humano. Ele deu a eles um emprego”, disse o senador democrata.

A proposta de Biden mostra os riscos de recorrer a estímulos para todos os problemas econômicos à medida que a economia começa a depender de tais auxílios, potencialmente levando a uma armadilha da dívida que pode terminar em hiperinflação.

O cheque de US$ 600, por exemplo, não foi suficiente porque dezembro mostrou que 140.000 empregos foram perdidos. Então, agora eles querem dar outro cheque de US$ 2.000, o que provavelmente também não será suficiente depois de alguns meses, quando eles poderão apenas emitir outro cheque porque meio que funcionou da primeira vez.

Muito disso começa a soar como o que Karl Marx e Ludwig von Mises diziam. Os dois estão no espectro oposto da política econômica, mas ambos têm a mesma análise em relação a um ponto específico.

Marx dizia que em mercados de alta ou queda a economia entraria em colapso. Enquanto Mises explicava como, inventando o termo “crack-up boom”.

Dinheiro perde valor

Como os formuladores de políticas veem o estímulo funcionar, quando seus efeitos passam, eles têm a resposta: outro estímulo.

A cada vez, o estímulo precisa ser maior devido a distorções na economia até que o estímulo não funcione mais porque houve um colapso fundamental na economia.

Ele colapsa porque as pessoas perdem a fé no dinheiro. Como eles veem o suprimento monetário como a resposta para tudo, eles começam a esperar que o dinheiro perca valor e, assim, começam a se livrar dele da forma que puderem, com as massas se tornando uma força própria e potencialmente imparável em cerca de três meses de loucura que levam ao colapso.

A resposta moderna para isso é o controle governamental da oferta monetária, ou comunismo em tudo, exceto no nome, por meio da Teoria Monetária Moderna.

Neste cenário, o banco central não imprime mais dinheiro, mas o governo o faz por meio de dívidas, que o BC compra. Por meio dessa relação, o governo pode tomar emprestado o quanto quiser sem falir. Para manter a inflação sob controle, eles podem tirar dinheiro da economia por meio de impostos, licenças e taxas.

Em teoria, isso soa bem; na prática, o governo é eleito. Além disso, o governo é uma máquina complexa de corredores corruptos, grupos de pressão e suborno em tudo, exceto no nome.

As pessoas não votam em impostos mais altos, especialmente se são elas que estão sendo tributadas. Para os ricos, eles têm suas maneiras de abrir brechas e os meios de mantê-las lá.

Considerando a situação, no entanto, você não pode fazer nada, mas o perigo de criar uma economia dependente de cheques do governo é óbvio.

Além disso, a fusão efetiva do governo com os Bancos da Reserva Federal está eliminando qualquer restrição que possa ter havido à manutenção da dívida sob controle, levando a uma situação que todos os economistas dizem ser a causa da hiperinflação: o governo sendo responsável pela impressão de dinheiro.

Aqui, porém, em vez de o congresso apenas imprimir esse dinheiro de acordo com a constituição, ele o cria por meio de dívidas, 6% das quais vão para os bancos comerciais por meio do pagamento de juros.

Levando a uma economia de banqueiros, onde não os eleitos, mas os banqueiros estão no comando, e mais cedo ou mais tarde esses banqueiros exigirão o pagamento da dívida ao não comercializar uma nova dívida, um pagamento que o governo não pode fazer porque deve muito.

Por enquanto, porém, trilhões estão em estoque e Biden os obterá. Além disso, as pessoas também têm sua própria brecha, o Bitcoin.

Inflação esperada e impulso no Bitcoin

O novo pacote de estímulo deve impulsionar a inflação, enfraquecer o dólar dos EUA e trazer mais compradores para ativos de risco, como o Bitcoin e o ouro.

De acordo com a Coindesk, o cheque injetaria mais liquidez nos mercados e provavelmente geraria novas altas no preço da moeda digital.

A criptomoeda já está em forte alta desde outubro de 2020, cortesia das medidas de aumento da inflação adotadas pelo banco federal dos Estados Unidos, o FED, e pelo governo dos EUA nos últimos 10 meses para lidar com a crise sanitária.

Essas medidas têm levado as instituições a buscar investimentos que ofereçam proteção contra a inflação.

Essa tendência pode ganhar velocidade, conforme previsto pelo JPMorgan, com o estímulo adicional de Biden.

“O estímulo de Biden pode adicionar um impulso extra no preço do bitcoin”, disse Jehan Chu, da Kenetic Capital ao CoinDesk.

É improvável que o banco central dos EUA desfaça ou reduza seu programa de compra de ativos de US $ 120 bilhões por mês tão cedo e está comprometido em manter as taxas de juros em baixas recordes por algum tempo depois que a inflação tiver subido acima de sua meta de 2%.

O Bitcoin valorizou 400% nos últimos 12 meses, o dólar americano caiu -7,5%, o valor mais baixo em três anos.

Isso aconteceu ao mesmo tempo em que os EUA injetava US$ 2 trilhões na economia, seguido por outros US$ 892 bilhões em dezembro.

O FED também se viu forçado a reduzir as taxas de juros dos EUA para quase zero em março, uma tentativa desesperada de estimular uma recuperação econômica.

Em todo o mundo, governos e bancos centrais também fizeram movimentos semelhantes – reduzindo taxas a zero e imprimindo bilhões para ajudar a economia.

Os defensores do Bitcoin há muito proclamam a ideia de que as criptomoedas são “ouro digital” que servem como “proteção contra a inflação”.

Basicamente, é uma estratégia em que você compra um ativo (que deve manter ou aumentar seu valor), enquanto o valor do dinheiro cai – porque o governo imprime mais, então a moeda não está mais escassa.

Durante o ano de 2020 o governo Trump imprimiu US$ 3 trilhões e pagou auxílios de US$ 600 a US$ 1000 dólares.. O Bitcoin valorizou 400%.

Biden quer mais US$ 3 trilhões, pagando com cheques de US$ 2.000. Todo mundo já viu esse filme antes, se chama inflação.

O Bitcoin agradece.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
TrustNodeshttps://trustnodes.com
News on all things Blockchain, Ethereum, IoT, Fintech and Bitcoin.
Baleia Bitcoin. (Imagem: Adobe Stock)

Baleias movem R$10 bilhões em duas transações após correção do Bitcoin

Após o preço do Bitcoin voltar para a região dos 60 mil dólares depois de ter quebrado sua alta máxima de 66 mil, duas...

Cazaquistão sofre crise de energia devido à mineração de Bitcoin

Devido a proibição da atividade de mineração na China, o segundo país que recebeu mais mineradores foi o Cazaquistão, ficando atrás apenas dos EUA,...
Homem segurando criptomoedas em mão

Secretários de Macaé são acusados de enriquecimento ilícito e investimentos “elevados” em criptomoedas

Alguns secretários municipais de Macaé foram acusados em redes sociais de obter enriquecimento ilícito e negociar criptomoedas, obtendo para si vantagens indevidas. A negociação de...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias