Polícia Civil deflagra operação “Wallet”, derrubando esquema de tráfico de drogas com criptomoedas

A Polícia Civil de Santa Catarina deflagrou a operação “Wallet” (carteira) nesta segunda-feira (28). Contando com um efetivo de 120 policiais e 45 viaturas, a ação cumpriu diversas ordens judiciais, como apreensão de carteiras de criptomoedas, bloqueio de contas bancárias e mandados de prisão.

A investigação inicial teve foco no tráfico de drogas. Segundo o anúncio, membros da organização já haviam sido presos em 2019, mas voltaram a cometer os mesmos delitos, agora usando criptomoedas.

Também existe uma suspeita de que o grupo esteja ligado a prisão da brasileira presa na Indonésia em dezembro de 2022 por tráfico de cocaína.

Operação Wallet, da Polícia Civil de Santa Catarina, contou com apoio de 120 policiais

A Polícia Civil de Santa Catarina revelou o bloqueio de 16 carteiras de criptomoedas, o que resultou no nome da operação, Wallet. Além disso, também cumpriu 32 mandados de busca e apreensões, 17 mandados de prisão, bloqueios de 15 contas bancárias e empresas e apreensão de veículos.

Segundo as informações, o grupo estaria envolvido no tráfico de drogas desde 2019, já tendo passagem pelos mesmos crimes. Os mandados foram cumpridos nas cidades de Florianópolis, São José, Biguaçu, Imbituba, Camboriú, Navegantes.

“A investigação da operação Wallet se iniciou no ano de 2022 após levantamento que o mesmo grupo preso em 2019 continuava atuando fortemente no tráfico de drogas e envio de cocaína em malas de viagem”, aponta a nota oficial da Polícia Civil.

“Ele faz um trabalho artesanal para ocultar drogas em malas.”

Malas apreendidas na Operação Wallet em Santa Catarina. Fonte: Polícia Civil/Reprodução.
Malas apreendidas na Operação Wallet em Santa Catarina. Fonte: Polícia Civil/Reprodução.
Fundo falso em mala de viagem usada para o transporte de drogas. Fonte: Polícia Civil/Reprodução.
Fundo falso em mala de viagem usada para o transporte de drogas. Fonte: Polícia Civil/Reprodução.

Dado o método utilizado pelo grupo, a Polícia Civil acredita que eles sejam os mesmos responsáveis por um caso de trocas de malas que ficou famoso no final do ano passado. Na oportunidade, uma brasileira foi presa na Indonésia após a Polícia local encontrar pacotes de cocaína em sua mala. No país, o crime pode levar a pena de morte.

“Inclusive a brasileira que saiu de Santa Catarina e foi condenada a 11 anos de prisão pode ter sido enviada por este grupo que estamos investigando”, comentou o delegado Claudio Monteiro.

Em um dos locais também foram apreendidas estufas, estufas, plantas de maconha e outras parafernálias.

Plantas de maconha apreendidas na Operação Wallet. Fonte: Polícia Civil/Reprodução.
Plantas de maconha apreendidas na Operação Wallet. Fonte: Polícia Civil/Reprodução.
Parafernália encontrada em um dos locais investigados. Fonte: Polícia Civil/Reprodução.
Parafernália encontrada em um dos locais investigados. Fonte: Polícia Civil/Reprodução.

Por fim, a nota oficial aponta que os criminosos estariam usando criptomoedas tanto como moeda de troca quanto para armazenamento de bens. Não foram divulgados detalhes sobre os montantes apreendidos.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na melhor corretora de criptomoedas do mercado ganhe até 100 USDT em cashback. Cadastre-se

Siga o Livecoins no Google News.

Curta no Facebook, TwitterInstagram.

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Henrique HK
Henrique HKhttps://github.com/sabotag3x
Formado em desenvolvimento web há mais de 20 anos, Henrique Kalashnikov encontrou-se com o Bitcoin em 2016 e desde então está desvendando seus pormenores. Tradutor de mais de 100 documentos sobre criptomoedas alternativas, também já teve uma pequena fazenda de mineração com mais de 50 placas de vídeo. Atualmente segue acompanhando as tendências do setor, usando seu conhecimento para entregar bons conteúdos aos leitores do Livecoins.

Últimas notícias

Últimas notícias