Preço do Bitcoin sobe 26% em relação ao Rublo russo em cinco dias

Moeda russa perde valor no mercado com guerra promovida pelo governo. Taxa básica da economia russa disparou nesta segunda.

Criptomoeda bitcoin com dinheiro de Rublos russos
Criptomoeda bitcoin com dinheiro de Rublos russos

A cotação do Rublo russo segue perdendo valor no mercado mundial, sendo que o Bitcoin já subiu mais de 26% em apenas cinco dias, período que marca o início da invasão.

Na quinta-feira (24), horário de Brasília, começaram os primeiros ataques do exército russo a Ucrânia, indicando que o temido cenário de guerra havia começado no oriente. Com o temor de guerra, muitos russos despejaram suas moedas nacionais no mercado, levando ela a cair.

Isso porque, a população da Rússia tem preferido comprar Dólar e Euro com a guerra, moedas essas emitidas por países que estão impondo cada vez mais sanções ao governo russo, inclusive seu presidente Vladimir Putin.

Volatilidade: preço do Bitcoin já subiu 26% em relação ao Rublo russo em cinco dias

A moeda russa não passa por um bom momento nos primeiros dias da invasão do país a Ucrânia. Com uma desvalorização recorde, essa mostra que a guerra levou aquele território a experimentar uma extrema desvalorização cambial, que pode afetar duramente sua economia.

Vale lembrar que o Rublo russo é a segunda moeda nacional mais antiga do mundo, atrás apenas da Libra esterlina, da Inglaterra.

Dessa forma, com a volatilidade do Rublo russo em alta, o Bitcoin viu seu preço subir 26,56% nos últimos cinco dias, mostrando que naquele país a moeda digital segue como proteção de ativos.

Bitcoin vê preço disparar em relação ao Rublo russo nos primeiros cinco dias de guerra
Bitcoin vê preço disparar em relação ao Rublo russo nos primeiros cinco dias de guerra. Fonte: Google

Risco alto de inflação levou BC russo a aprovar aumento drástico na “taxa Selic”

O Banco Central da Rússia acabou tomando uma medida extrema para tentar conter a saída de dinheiro do país, que consistiu em aumentar a taxa básica de juros da economia para 20%, conforme anúncio nesta segunda-feira (28). No Brasil, essa taxa é chamada de Selic.

Ou seja, o BC russo quer que a população deixe o dinheiro parado em renda fixa local para supostamente ganhar dinheiro, informou o serviço de imprensa russo.

“As condições externas para a economia russa mudaram drasticamente. Um aumento da taxa diretora permitirá assegurar um aumento das taxas de depósito para os níveis necessários para compensar o aumento dos riscos de desvalorização e inflação. Isso ajudará a manter a estabilidade financeira e de preços e protegerá as economias dos cidadãos da depreciação.”

O problema é que a desvalorização cambial pode afastar a atratividade da alta taxa básica da economia, além de dificultar empréstimos bancários pela população enquanto essa prática continuar a ser mantida.

Real brasileiro valorizou em relação ao Rublo

Mesmo com o Real brasileiro voltando a desvalorizar frente ao Dólar, que acabou sendo uma moeda procurada em todo mundo, o BRL também valorizou em relação ao Rublo russo 20% nos últimos cinco dias. Na última semana, 1 Real valia 16,2 Rublos, mas já vale 19,6 RUB.

Já um 1 Dólar em Rublo saiu de 81,45 para 101,25, um aumento de 24% na conversão entre moedas. Essa desvalorização cambial é considerada um recorde na história e assusta a população russa, que terá que pagar os custos da guerra de seu país duramente.

Dessa forma, fica claro que a paz é mais barata e que o Bitcoin se mostrou uma boa reserva de valor com a tensão em alta na Rússia. Esse país chegou a considerar adotar a moeda e não está claro se ainda concretizará este movimento agora.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Últimas notícias