Presidente da GenBit diz onde está o dinheiro dos clientes

A empresa diz ter fechado parceria e instalado as tais maquininhas POS Treeppay

Siga no
Nivaldo Gonzaga e seu filho, Gabriel Tomaz Barbosa. Ambos são responsáveis pela GenBit.

O presidente da GenBit, Nivaldo Gonzaga, fez uma live no Instagram na noite dessa sexta-feira (14). O advogado da empresa, Rainaldo Oliveira, também participou da transmissão, que foi acompanhada por pouco mais de mil pessoas.

No vídeo, Gonzaga anunciou a 3ª fase do novo plano de negócios do Grupo Tree Part, holding responsável pela GenBit. A novidade é o lançamento/instalação das POS Treeppay, maquininhas que aceitam o Treep Token (TPK), ativo digital criado pelo conglomerado.

Além de falar da “boa nova”, Gonzaga respondeu a principal dúvida dos clientes: onde está o dinheiro investido na GenBit? A resposta, no entanto, não agradou muita gente em grupos de conversa.

Gonzaga simplesmente voltou a reforçar que o dinheiro investido pelos clientes foram transformados em ativos digitais. Um deles é o tal Treep Token (TPK), que não tem valor algum no mercado.

Ou seja: aquelas pessoas que venderam casas, emprestaram dinheiro no banco e usaram a rescisão trabalhista para investir no negócio – com a promessa de receber 15% ao mês de lucros fixos – vão ter como pagamento um token que não tem valor e só é aceito em determinados estabelecimentos.

“Eu consegui deixar a ignorância de lado, abrir a mente para conhecer o que é criptomoeda e o que é um ativo digital. A partir dessa live, acredito que as pessoas comecem a ter acesso aos vários caminhos que o TPK poderá oferecer”, disse Gonzaga.

E quais são os caminhos que o TPK pode oferecer?

A empresa diz ter fechado parceria e instalado as tais maquininhas POS Treeppay – que aceitam o TPK – em postos de gasolina, lojas e restaurantes de diversas cidades do Paraná e de São Paulo.

A ideia da empresa é que os investidores utilizem seus tokens nesses estabelecimentos comerciais parceiros. Com o tempo, acredita a GenBit, o ativo poderá ser usado como moeda tanto no Brasil como no resto do mundo.

Vale lembrar que nem o bitcoin, principal criptomoeda do planeta, conseguiu tal feito.

Estamos sangrando, diz presidente

Na live, Gonzaga e Oliveira falaram que a empresa vem passando por caminhos tortuosos, repletos de lágrimas. Um trajeto, disseram, que era de se esperar, pois o modelo de negócio da empresa é “inédito” e “disruptivo”.

“Sofremos, sangramos, ouvimos muitas acusações infundadas e fomos chamados de pirâmide e estrutura fraudulento. No entanto, aceitamos o desafio e iremos mostrar para os clientes que vamos revolucionar o mercado de consumo”, disse Gonzaga.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Lucas Gabriel Marins
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).

Coinbase faz homenagem a Satoshi Nakamoto em dia de listagem na NASDAQ

Pela primeira vez na história uma corretora de criptomoedas foi listada em uma bolsa de valores, marcando uma nova possibilidade para investimentos nos ativos...
Imagem: Adobe Stock

Receita Federal da Espanha notifica 15 mil investidores de criptomoedas

A Receita Federal da Espanha continua a sua missão de monitorar investidores de criptomoedas que podem não estar declarando transações e ganhos com os...

“Bitcoin criou riqueza para pessoas que não faziam parte do sistema”, diz estrategista da...

O Bitcoin é uma moeda que foi capaz de mudar muitas coisas nos últimos 10 anos, até mesmo fazendo com que Bancos Centrais e...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias