Presidente da GenBit diz onde está o dinheiro dos clientes

A empresa diz ter fechado parceria e instalado as tais maquininhas POS Treeppay

Siga no
Nivaldo Gonzaga e seu filho, Gabriel Tomaz Barbosa. Ambos são responsáveis pela GenBit.

O presidente da GenBit, Nivaldo Gonzaga, fez uma live no Instagram na noite dessa sexta-feira (14). O advogado da empresa, Rainaldo Oliveira, também participou da transmissão, que foi acompanhada por pouco mais de mil pessoas.

No vídeo, Gonzaga anunciou a 3ª fase do novo plano de negócios do Grupo Tree Part, holding responsável pela GenBit. A novidade é o lançamento/instalação das POS Treeppay, maquininhas que aceitam o Treep Token (TPK), ativo digital criado pelo conglomerado.

Além de falar da “boa nova”, Gonzaga respondeu a principal dúvida dos clientes: onde está o dinheiro investido na GenBit? A resposta, no entanto, não agradou muita gente em grupos de conversa.

Gonzaga simplesmente voltou a reforçar que o dinheiro investido pelos clientes foram transformados em ativos digitais. Um deles é o tal Treep Token (TPK), que não tem valor algum no mercado.

Ou seja: aquelas pessoas que venderam casas, emprestaram dinheiro no banco e usaram a rescisão trabalhista para investir no negócio – com a promessa de receber 15% ao mês de lucros fixos – vão ter como pagamento um token que não tem valor e só é aceito em determinados estabelecimentos.

“Eu consegui deixar a ignorância de lado, abrir a mente para conhecer o que é criptomoeda e o que é um ativo digital. A partir dessa live, acredito que as pessoas comecem a ter acesso aos vários caminhos que o TPK poderá oferecer”, disse Gonzaga.

E quais são os caminhos que o TPK pode oferecer?

A empresa diz ter fechado parceria e instalado as tais maquininhas POS Treeppay – que aceitam o TPK – em postos de gasolina, lojas e restaurantes de diversas cidades do Paraná e de São Paulo.

A ideia da empresa é que os investidores utilizem seus tokens nesses estabelecimentos comerciais parceiros. Com o tempo, acredita a GenBit, o ativo poderá ser usado como moeda tanto no Brasil como no resto do mundo.

Vale lembrar que nem o bitcoin, principal criptomoeda do planeta, conseguiu tal feito.

Estamos sangrando, diz presidente

Na live, Gonzaga e Oliveira falaram que a empresa vem passando por caminhos tortuosos, repletos de lágrimas. Um trajeto, disseram, que era de se esperar, pois o modelo de negócio da empresa é “inédito” e “disruptivo”.

“Sofremos, sangramos, ouvimos muitas acusações infundadas e fomos chamados de pirâmide e estrutura fraudulento. No entanto, aceitamos o desafio e iremos mostrar para os clientes que vamos revolucionar o mercado de consumo”, disse Gonzaga.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).
Amazon e mão segurando Bitcoin

Amazon nega rumores de que vai aceitar Bitcoin como pagamento

A Amazon, terceira maior empresa em valor de mercado do mundo, negou nesta segunda-feira (26) que irá aceitar Bitcoin como pagamento este ano. Nos...
Preço do Bitcoin acima de US$ 40 mil

Após seis dias em alta, Bitcoin supera US$ 40 mil

O preço do Bitcoin rompeu os 40 mil dólares em um movimento forte do lado comprador e após seis dias de fechamento diário em...
Hacker segurando Bitcoin

Trader de Bitcoin tem e-mail hackeado e perde R$ 350 mil

Um trader de Bitcoin alega ter sido hackeado após um vazamento de dados e como resultado perdeu tudo que tinha na corretora Binance. Seu...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias