Inicio Análises Regulação das criptomoedas pode estar próxima de acontecer no Brasil

Regulação das criptomoedas pode estar próxima de acontecer no Brasil

A co-fundadora da ICOBox, Daria Generalova avalia o cenário recente do mercado de criptomoedas no Brasil

-

Compartilhe
Brasil Bitcoin
Imagem: Pixabay

Conforme reportado pelo Livecoins, após um longo período de espera, a principal e maior corretora de investimentos do Brasil, a XP Investimentos irá lançar uma exchange de Bitcoin e Ethereum nos próximos meses.

Apesar de claramente não gostar de criptomoedas, os gestores da companhia renderam-se à pressão do mercado. Hoje, cerca de 3 milhões de brasileiros possuem exposição ao Bitcoin.

O mercado tradicional de ações cerca de 600 mil. Foi este potencial que levou a empresa a investir no nicho de criptomoedas.

Um dia antes deste anúncio, o CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aceitou a pressão feita pela ABCB – Associação Brasileira de Criptomoedas e Blockchain acolhendo suas reclamações.

- Publicidade -

Isso resultou na abertura de um processo administrativo para a apuração de supostos abusos de poder por parte das instituições bancárias brasileiras no fechamento de contas de exchanges e empresas vinculadas ao comércio e operações com Bitcoin e criptomoedas no Brasil.

Ao menos duas associações do setor foram criadas no país em resposta a decisões tomadas pelos bancos que foram consideradas arbitrárias pelos empreendedores.

E por conta da desconfiança gerada com a atual indefinição política no país, vários investidores brasileiros têm apostado nas criptomoedas como um porto seguro para os seus recursos financeiros.

Isto se deve ao fato de as criptomoedas estarem fora do chamado Risco Brasil. Ou seja, as criptomoedas não sofrem  tanto com as relações de causa e efeito internas provocadas pela proximidade com as eleições presidenciais como a taxa de câmbio do dólar, por exemplo.

Ainda na mesma semana, a Comissão de Valores Mobiliários (CMV) autorizou o investimento indireto em criptomoedas por meio de aquisições de derivativos e cotas de fundos do exterior.

Isso quer dizer que, na prática, uma pessoa poderia comprar cotas em um fundo, por exemplo, que tivesse 60% Bitcoin, 20% Ethereum e 20% Litecoin.

Esse fundo faria a administração do dinheiro em troca, possivelmente, de uma comissão — similar a um fundo de ações.

Na autorização, a CMV ainda recomenda que a maneira mais adequada é realizar os investimentos por meio das exchanges de criptomoedas que deveriam ser  submetidas, conforme o texto, “à supervisão de órgãos reguladores que tenham poderes para coibir tais práticas ilegais”.

Tais acontecimentos reforçam, e muito, a possibilidade de que uma provável regulamentação do mercado de criptomoedas no Brasil possa ocorrer em meados de 2019 após a disputa eleitoral.

Os acontecimentos da última semana nos indicam que os empreendedores têm buscado seu espaço, o mercado tem dado provas de que os negócios orientados à criptomoedas são rentáveis e escaláveis e os órgãos públicos têm dado o tom de que os passos para a regulação poderão ser lentos, mas graduais e potencialmente seguros.

XDEX: Negocie bitcoin com TAXA ZERO. Aproveite também para negociar outras 6 criptomoedas com as menores taxas do mercado. Abra sua conta, é grátis!
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter para começar e terminar o dia bem informado. Cadastra-se também na Newsletter para receber em seu e-mail.

MAIS LIDOS

Justiça criminal vai julgar acusações de pirâmide financeira contra a Unick Forex

O Ministério Público Federal (MPF) apresentou uma denúncia contra a Unick Forex. A empresa, que já foi acusada de ser uma “pirâmide financeira”, foi...

“Dinheiro não existe”: justiça orienta vítimas a sacarem tudo da Unick Forex

A Unick Forex está sendo investigada pela justiça brasileira. Após uma filial do escritório da empresa ser fechado no interior do Rio Grande do...

WhatsApp já permite enviar e receber bitcon; saiba como

Investidores já podem enviar e receber bitcoin por meio do WhatsApp. O anúncio sobre a novidade foi publicado pela Zulu Republic, que utiliza um...
 
Compartilhe