Vai cair 80%? Semelhanças entre a alta do Bitcoin em 2017 e 2021

Em 2017, a média móvel foi o estopim para que os preços se tornassem extremamente baixos. O que vem acontecendo atualmente deixa o Bitcoin na corda bamba para a mesma média móvel.

Siga no

Negociado acima de US $ 39 mil nesta quinta-feira (14), o Bitcoin enfrentou uma queda de 20% na última segunda-feira (11). A moeda digital começou o ano valendo US $ 30 mil e disparou 30% na primeira semana de 2021.

A queda recente chamou a atenção de todos, sobretudo, de quem já está acostumado com os movimentos da moeda digital.

Aqueles que acreditam na força da criptomoeda afirmam que os acontecimentos atuais não passam de pequenas correções antes que a moeda volte a subir.

Entretanto, não podemos negar uma estranha semelhança entre o topo de 2017 e os valores atuais.

Será que a bolha está pronta para estourar?

O alerta de bolha do Bitcoin está sendo lançado mais uma vez por analistas financeiros e economistas. Os profissionais descrevem a criptomoeda como “mãe de todas as bolhas” e que ela está muito mais inflada desta vez.

Embora os fãs do Bitcoin estejam sempre prontos para falar sobre quão erradas estão as notícias pessimistas divulgadas pela mídia tradicional, o preço atual tem grandes semelhanças com o pico de 2017.

2020 trouxe o Bitcoin ao seu maior estrelato, fazendo com que ele saísse de menos de US $ 7.000 para mais de US $ 40.000 no início de 2021.

Toda essa movimentação não esperada pode ser caracterizada como uma reminiscência da bolha de 2017 que, inclusive, foi o pontapé inicial para que a criptomoeda se tornasse conhecida como é hoje.

Mas toda essa tendência não é o único motivo que leva a comparação entre as duas altas.

A verdade é que os indicadores e até mesmo os padrões que levaram o pico atual, são praticamente os mesmos obtidos na corrida do touro acontecida em 2017.

Repetição do acontecido ou estamos passando por uma nova onda?

Mostrando semelhanças automaticamente visíveis, o gráfico abaixo aponta um desenfreado aumento seguido por um pico acentuado. Entretanto, essa não é uma novidade incomum no mundo das criptomoedas, afinal, apenas o comportamento de pico não é capaz de tornar o valor uma realidade contínua.

Bitcoin 2017 vs 2020. NewsBTC
Bitcoin 2017 vs 2020. NewsBTC

Contudo, o que mais chama a atenção são as semelhanças, combinadas por um par de indicadores técnicos. Podemos observar uma breve queda que, por sua vez, é substituída novamente por um impulso, gerando uma alta de cerca de um mês.

Em 2017, a média móvel para o caminho de volta foi o estopim para que as atividades se tornassem extremamente pessimistas. O que vem acontecendo atualmente deixa o Bitcoin na corda bamba para esta mesma média móvel.

Em cerca de um mês após os gráficos mostrarem a alta e, posteriormente, a queda, o preço da criptomoeda caiu de US $ 20.000 para US $ 6.000.

Com a alta atual, a queda seria de no mínimo até US $ 20.000.

Enfim, será que estamos vivendo uma realmente diferente? Ou o mesmo processo está prestes a se repetir?

Só o tempo pode responder.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Avatar
Gabrieli Torres
Redatora, graduanda em publicidade e propaganda, apaixonada por criação de conteúdo.
Meme dogecoin que circula nas redes.

Mercado cripto sofre uma das maiores quedas já vistas, Dogecoin sobe

As últimas 24 horas foram um pesadelo para alguns investidores em criptomoedas. A primeira moeda a sentir a queda foi o Bitcoin, que perdeu mais...
Mina carvao

Taxa de hash do Bitcoin cai após acidente em mina de carvão na China

O hashrate do Bitcoin caiu cerca de 40% nas últimas 24 horas, de mais de 180 petahashes por segundo para cerca de 105 Ph/s....

Bitcoin desaba com desligamento de mineradoras chinesas e preocupações regulatórias

O Bitcoin despencou mais de 15% neste domingo (18), para cerca de US $ 51 mil, depois de ter alcançado um marco de US...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias