Uniswap começa a bloquear endereços ligados a atividades suspeitas

O problema com isso é que se a Uniswap tem o poder de bloquear endereços a partir da decisão da sua equipe central, então a plataforma é centralizada até um certo nível, o que não é a proposta do DeFi que atrai tantos usuários que querem fugir da centralização.

Símbolo da Uniswap em mapa mundial
Símbolo da Uniswap em mapa mundial

A Uniswap, uma das mais populares exchanges descentralizadas do mercado de criptomoedas, começou a tomar ações contra endereços que estão ligados a atividades suspeitas, bloqueando esses usuários da plataforma. Apesar de ser algo comum em plataformas centralizadas, essa ação pode preocupar muitos que estão no mercado descentralizado.

A Uniswap junto da TRM Labs, começará a investigar todos os endereços que podem estar usando a plataforma descentralizada para realizar qualquer tipo de atividade ilícita. Endereços que forem determinados como participantes de atividades desse tipo poderão ser bloqueados.

Mais especificamente, todos os endereços de carteiras que pertencem ou estão associadas a atividades claramente ilegais como: evasão de sanções, financiamento de atividades terroristas, roubo de fundos ou transferência de valores hackeados, atividades de ransomware, atividades de tráfico humano e material ligado a abuso infantil, serão bloqueadas.

Na prática a TRM Labs combinará dados da blockchain com informações sobre investigações realizadas por autoridades ao redor do mundo sobre atividades maliciosas, ilegais ou granes crimes.

Através dessas informações, a TRM tentará rastrear os endereços e carteiras envolvidas em diferentes tipos de investigações, enviando à UniSwap a relação desses endereços com os crimes e a corretora então bloqueará o serviço.

De acordo com a corretora, essa nova política tem como objetivo prevenir que pessoas ligadas a crimes usem a plataforma (e consequentemente acabe causando problemas com as autoridades ao redor do mundo).

“A política da Uniswap Labs é prevenir que as pessoas envolvidas em atividades ilícitas usem nosso aplicativo. Nós continuamos cometidos a ideia de desenvolver produtos que providenciem uma infraestrutura financeira, robusta, transparente e segura, que pode empoderar todos ao redor do mundo.”, afirmou a corretora.

Apesar dos bloqueios de contas, a corretora disse que todas as ações são tomadas como precaução e que não serão reportas à polícia. 

Ao tentar fazer qualquer tipo de atividade relacionada a um endereço suspeito, a plataforma alerta que:

“Esse endereço está bloqueado na interface da Uniswap Labs por que ele pode estar associado com um ou mais atividades bloqueadas.”

Em caso de possível erro, o endereço pode ser desbloqueado ao falar diretamente com o suporte da corretora através de e-mails.

“Descentralizado”

O problema com isso é que se a Uniswap tem o poder de bloquear endereços a partir da decisão da sua equipe central, então a plataforma é centralizada até um certo nível, o que não é a proposta do DeFi que atrai tantos usuários que querem fugir da centralização.

De imediato, isso fez com que muitos já começassem a expressar descontento com a decisão da plataforma.

“Eu recomento muito que as pessoas não usem a Uniswap.”

É possível que no curto e médio prazo isso afete a confiança que os usuários têm com a exchange descentralizada por não ser tão descentralizada assim.

Muitos podem ficar preocupados que, se eles podem simplesmente bloquear um endereço suspeito, o próximo passo pode ser bloquear endereços que não são ligados a atividades ilegais, mas podem estar sofrendo diferentes tipos de sanções.

A necessidade se preocupar com a segurança é real e ajuda a legitimar a corretora diante das autoridades tradicionais, no entanto, pode ser uma grande desvantagem para quem já busca o mercado descentralizado para escapar dessa tradicionalidade.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Matheus Henrique
Fã do Bitcoin e defensor de um futuro descentralizado. Cursou Ciência da Computação, formado em Técnico de Computação e nunca deixou de acompanhar as novas tecnologias disponíveis no mercado. Interessado no Bitcoin, na blockchain e nos avanços da descentralização e seus casos de uso.

Últimas notícias