“Vou abrir meus olhos para casos de exchanges que pedem recuperação judicial”, diz procuradora federal

Na palestra, a procuradora falou sobre algumas das características dos ativos financeiros que facilitam a prática de crimes e dificultam a investigação.

Siga no
Imagem/Deposit Photos

O Ministério da Economia, por meio da Coordenação-Geral de Procedimentos Especiais da Corregedoria, promoveu ao longo desta quarta-feira (3) o webseminário “Lavagem de dinheiro via criptoativos”.

Uma das palestrantes foi a procuradora da Fazenda Nacional Ana Paula Bez Batti, especialista em direito constitucional. Durante quase uma hora, ela falou sobre os “Desafios investigativos envolvendo criptoativos”.

A procurada disse, por exemplo, que vai ficar atenta a casos de corretoras de criptomoedas que alegam ter sofrido ataque hacker, desaparecem com os criptoativos dos usuários e pedem recuperação judicial na Justiça.

Ela falou que recentemente um pedido de recuperação foi apresentado ao órgão.

“Pegamos a base de dados e fomos ver quais dos meus investigados, em especiais aqueles dos grupos de fraude, estão usando essa exchange, porque se eles conhecem esse tipo de tecnologia, muito provavelmente estão começando a ocultar dinheiro desse jeito. Por isso, vou abrir meus olhos para isso”.

Ana não citou o nome da empresa que entrou com o pedido no órgão federal.

No Brasil, a única exchange que está no meio de um processo de recuperação judicial e que alegou ter sofrido um ataque hacker – posteriormente desmentido pela Polícia Civil do Paraná – é o Grupo Bitcoin Banco, de Curitiba (PR).

Procuradora falou sobre os desafios da investigação

Na palestra, a procuradora falou sobre algumas das características dos ativos financeiros que facilitam a prática de crimes e dificultam a investigação.

Entre elas estão o pseudoanonimato das transações, a facilidade na remessa de divisa, a lacuna regulatória do mercado de criptomoedas e a falta de supervisão das transações.

A procuradora também falou que mecanismos como transações fora da blockchain; utilização de privacy coins, como o Monero; e o uso das exchanges descentralizadas também ajudam criminosos a praticar delitos associados a criptomoedas.

Entre os crimes mais comuns, segundo ela, estão financiamento do terrorismo, implante de vírus em computadores de pessoas, pirâmides financeiras com promessas irreais de lucros e financiamento de tráfico de drogas.

Métodos de investigação também foram abordados

No webseminário, a procurada também abordou os métodos utilizados para encontrar cibercriminosos. Ela deu uma lista de ferramentas que podem ajudar a descobrir os rastros deles, como Chainalysis, Elliptic, Wallet Explorer e Blockchain Info.

Ana ainda falou ainda sobre os passos para uma investigação e citou indicadores de crimes, como utilização de navegadores darknet.

A procuradora também defendeu uma maior regulamentação das exchanges centralizadas, pois elas “são os grandes gatekeepers para o possível confisco” e podem ajudar a identificar bitcoins e outros critpoativos que são fruto de possíveis crimes contra o sistema financeiro nacional.

Webseminário ainda está rolando

O webseminário continua até o início da noite e pode ser acessado neste link. Até as 16h50 de hoje, a Coordenadora Geral de Inteligência Financeira do Coaf, Rochelle Pasiani, fala sobre “Inteligência Financeira e ativos virtuais”.

Logo depois da representante do Coaf, a assessora técnica do núcleo de combate aos crimes cibernéticos do Ministério Público Federal de São Paulo, Adriana Shimabukuro, aborda o tema “Técnicas de rastreamento de bitcoins”.

Lucas Gabriel Marins
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).

Por que investidores em Bitcoin tremem no mês de março

Assim como Wall Street tem medo dos meses de outubro devido as recorrentes quedas das ações no mercado, a curta história das criptomoedas nos diz...

Kings of Leon lança novo álbum como criptomoeda NFT

De acordo com a revista RollingStone, a banda americana Kings of Leon lançará seu novo álbum When You See Yourself como um token não...

Terceira fase da Operação Egypto mira investigados da Indeal e prende cinco pessoas

O caso Indeal ganhou desdobramentos nesta quarta-feira (3) com uma nova fase da Operação Egypto, denominada Fractais, deflagrada pela Polícia Federal. Foi nessa mesma...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias

Kings of Leon lança novo álbum como criptomoeda NFT

De acordo com a revista RollingStone, a banda americana Kings of Leon lançará seu novo álbum When You See Yourself como um token não...

Terceira fase da Operação Egypto mira investigados da Indeal e prende cinco pessoas

O caso Indeal ganhou desdobramentos nesta quarta-feira (3) com uma nova fase da Operação Egypto, denominada Fractais, deflagrada pela Polícia Federal. Foi nessa mesma...

Investir em criptomoedas não é prudente e pode causar perdas devastadoras, diz procuradora-geral de Nova York

A procuradora-geral de Nova York, Letitia James, fez um alerta sobre os "riscos extremos" de se investir em criptomoedas e alertou os profissionais da...

Coluna do TradingView: Moedas parecem ter encontrado fundo. BTC já performa mais de 15% na semana.

Feliz semana que as criptomoedas parecem ter achado o fundo da correção. Muitas moedas já viraram candles positivos, mas o Bitcoin lidera com retomada...

Netflix deve ser a próxima a investir em Bitcoin, diz Tim Draper

Tim Draper, um dos maiores bilionários em Bitcoin do mundo, investidor veterano do mercado e empresário americano, disse acreditar que a Netflix pode ser...