Justiça aceita pedido de recuperação judicial do Grupo Bitcoin Banco

O Bitcoin Banco informou, por meio de nota, que considera a medida uma "vitória".

-

Siga no
Cláudio Oliveira, Ratinho e Amaury Júnior
Cláudio Oliveira, Ratinho e Amaury Júnior
Anúncio

A Justiça do Paraná aceitou o pedido de recuperação judicial do Grupo Bitcoin Banco, empresa de criptomoedas que responde a centenas de processos judiciais e deve mais de R$ 600 milhões para investidores. A decisão foi publicada nesta quarta-feira (27).

Com a medida, os clientes, que não conseguem fazer saques nas plataformas da empresa desde maio, precisam esperar pelo menos mais 180 dias – tempo que dura todo o processo de recuperação judicial – para reaver os recursos investidos.

Em grupos de conversa clientes já começaram a publicar mensagens criticando a nova “vitória” do grupo, administrado pelo empresário Claudio Oliveira, conhecido como “Rei do Bitcoin”.

Anúncio

“Só no Brasil a Justiça aceita recuperação de pirâmides financeiras” e “pronto, legalizou o assalto” são alguns exemplos.

O Bitcoin Banco informou, por meio de nota, que considera a medida uma “vitória fundamental para a reorganização dos negócios e a superação da crise econômico-financeiram, uma vez tem ao seu lado a supervisão direta do poder judiciário”.  

Juíza paralisa ações de execução contra a empresa

Na decisão, a juíza Mariana Gluszcynski Fowler Gusso, responsável pelo caso, disse que a empresa apresentou a documentação necessária – fluxo de caixa, balanço patrimonial, relação de credores, entre outras – e que, com base nesses arquivos, foi possível “constatar quanto à situação atual do grupo GBB, e também quanto à viabilidade do processamento da presente recuperação judicial.”

Informou ainda que os pedidos de bloqueios de valores e criptomoedas feitos por clientes serão paralisados ao longo do processo, visto que “os bitcoins são essenciais à atividade da empresa, que estará impossibilitada de se reerguer caso sofra arrestos de criptomoedas”.

“Diante do exposto, defiro o processamento do pedido de Recuperação Judicial efetuado por BITCURRENCY MOEDAS DIGITAIS S.A. (CNPJ n° 08.690.947/0001-83), NEGOCIECOINS INTERMEDIAÇÃO E SERVIÇOS ONLINE LTDA. (CNPJ n° 20.692.244/0001-90), TEM BTC SERVIÇOS DIGITAIS LTDA. (17.020.369/0001-69), ZATER TECHNOLOGIES LTDA. (29.163.165/0001-66), PRINCIPAL APOIO ADMINISTRATIVO LTDA. (29.055.872/0001-39), TAGMOB ADMINISTRAÇÃO E CORRETAGEM DE IMÓVEIS LTDA. (24.162.451/0001-93), OPENCOIN SERVIÇOS DIGITAIS LTDA. (29.101.571/0001-02), DREAM WORLD INFORMÁTICA LTDA. (13.189.531/0001- 16), nos termos do art. 52 da Lei 11.101/05”, diz trecho da decisão.

Justiça já escolheu o administrador judicial

No processo de recuperação, após a Justiça aceitar o pedido feito pela empresa, o juiz deve escolher um administrador judicial, que é o responsável por reunir a relação de credores e fazer um levantamento sobre o negócio.

No caso do GBB, a empresa que ficará a cargo dessa etapa será a  EXM – Exame Auditores Independentes, do empresário Eduardo Scarpellini. A EXM terá quinze dias para reunir as informações sobre a situação do Bitcoin Banco.

Depois da apresentação do levantamento da administradora judicial, o grupo terá 60 dias para apresentar um plano para “salvar” a empresa e pagar as dívidas. O processo todo demora 180 dias. Nesse período, os investidores não podem cobrar as dívidas.

Entenda a crise

O Grupo Bitcoin Banco não libera saques para os investidores desde maio. Naquele mês, a empresa alegou que foi vítima de um golpe de clientes que, aproveitando uma brecha nos sistemas das exchanges do grupo, conseguiram fazer saques duplos. O prejuízo teria sido de R$ 50 milhões.

Desde então, a Polícia Militar do Paraná cumpriu diversos mandados de busca e apreensão na sede da empresa e nos imóveis do empresário Claudio Oliveira. Oliveira também teve o passaporte retido pela Justiça e os bens bloqueados.

Além das ações polícias, a sede do grupo também tem sido palco de manifestações de investidores de Curitiba e de outras partes do Brasil, inclusive do Mato Grosso e do Pará. Alguns viajaram mais de 2.000 quilômetros para tentar reaver os recursos investidos.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Lucas Marins
Lucas Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).

Leia mais

Rede social Twitter e Bitcoin (Blockchain)

Blockchain é o futuro do Twitter, afirma Jack Dorsey

O CEO do Twitter, Jack Dorsey, participou nessa sexta-feira (25) do Oslo Freedom Forum 2020. Durante a conversa, Jack deixou claro que a tecnologia...
DeFi pode ser scam?

DeFi Leaks denuncia golpe, investidor pode ter perdido 10 mil DAI

Uma pessoa que detinha pelo menos 10 mil moedas DAI pode ter perdido tudo. Depois que um novo golpe foi denunciado pelo DeFi Leaks,...
Corretora de Bitcoin e criptomoedas Binance

Site da Binance é banido na Rússia

Nesta última quinta-feira, 24, o site da Binance (maior corretora de criptomoedas do mundo) foi bloqueado e colocado na em uma lista negra da...

Últimas notícias

DeFi Leaks denuncia golpe, investidor pode ter perdido 10 mil DAI

Uma pessoa que detinha pelo menos 10 mil moedas DAI pode ter perdido tudo. Depois que um novo golpe foi denunciado pelo DeFi Leaks,...

Site da Binance é banido na Rússia

Nesta última quinta-feira, 24, o site da Binance (maior corretora de criptomoedas do mundo) foi bloqueado e colocado na em uma lista negra da...

Spotify, Epic Games e Tinder se unem contra Apple

Um grupo de empresas está se reunindo contra a App Store, pois sua política tem sido considerada injusta. Dessa forma, empresas como Spotify, Tinder...