Investidores rejeitam acordo do Grupo Bitcoin Banco e fazem novo protesto em Curitiba

Professora parou para protestar com investidores: "VIM AQUI AJUDÁ-LOS"

-

Siga no
manifestacao-gbb
Manifestantes em frente à sede do GBB, em Curitiba (PR). Foto: Lucas Marins/Livecoins
Anúncio

Investidores do Mato Grosso e do Pará não aceitaram um suposto acordo proposto pelo Grupo Bitcoin Banco (GBB) e fizeram um protesto em frente à sede da empresa, em Curitiba (PR), na tarde desta quarta-feira (30). Como nas manifestações da semana passada, todos carregavam cartazes com críticas ao grupo e ao empresário Claudio Oliveira.

O acordo, segundo o comerciante Amarildo Borsatte, 56, foi verbal e previa o pagamento da dívida em oito vezes, sendo que a primeira parcela seria depositada somente após 30 dias. A proposta, ainda de acordo com o investidor, foi formalizada após cinco reuniões com advogados do grupo, que vêm sendo realizadas desde a quinta-feira (24).

“Eles não honraram com acordos anteriores e com esse não seria diferente, por isso não aceitamos. Não vamos sair daqui até eles nos pagarem. Se precisar, montaremos barracas aqui na calçada”, falou ele.

Procurado pela reportagem, o Grupo Bitcoin Banco não confirmou a existência de um novo acordo. Informou também que não pode comentar qualquer reunião com clientes com base na confidencialidade.

Depoimentos e relatos mostram que Grupo Bitcoin Banco não costuma cumprir acordos

Anúncio

O grupo é experiente na “arte” de não cumprir acordos. Alguns dos investidores do protesto, por exemplo, estiveram em Curitiba em agosto deste ano e assinaram contratos de pagamento com a empresa, que não foram cumpridos.

Outro caso é do advogado Daniel Borghetti Furlan, que disse à reportagem do Livecoins na quarta-feira (29) que o Claudio Oliveira, além de não cumprir um contrato formalizado em agosto com suas clientes, passou um cheque sem fundo.

Na imprensa há diversos outros relatos de clientes da empresa que também não tiveram acordos cumpridos, como o investidor que emprestou dinheiro da avó para investir no GBB e o empresário que distribuiu flyers no centro da capital paranaense.

Professora parou para protestar com investidores

Investidores pedem para GBB pagar o que deve. Foto: Lucas Marins/Livecoins

Enquanto gritavam “queremos nosso dinheiro”, “o rei do bitcoin é mentiroso” e “não invistam nessa empresa, pois ela é um fraude”, diversas pessoas que passavam pelo local paravam para conversar com os manifestantes. Perguntavam o que estava acontecendo e que tipo de negócio a empresa fazia.

Uma professora aposentada, moradora da região central da capital, resolveu se juntar ao grupo.

“Vim aqui ajudá-los, pois me parecem pessoas humildes que precisam de apoio e não é justo o que está acontecendo. Além disso, constantemente há carros da polícia federal nessa rua. Isso tem que parar”, disse à reportagem.

Veja vídeo dos manifestantes em frente à sede do GBB:

Entenda o caso

Desde maio deste ano, investidores do Grupo Bitcoin Banco não conseguem realizar saques nas exchanges da empresa, a Negocie Coins e a TemBtc. Na época, o grupo alegou que foi vítima de uma ação criminosa de clientes, que aproveitaram uma brecha no sistema e duplicaram seus saldos. O prejuízo teria sido de R$ 50 milhões.

Nos últimos meses, a Polícia Militar do Paraná cumpriu diversos mandados de busca e apreensão na sede do grupo e nos imóveis do empresário Claudio Oliveira. O empresário também teve bens bloqueados e o passaporte retido pela justiça do Paraná, onde corre mais de 100 ações contra a empresa e seus sócios.

Em outubro deste ano, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) determinou que a empresa pare de ofertar ao público títulos ou contratos de investimentos coletivos.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Lucas Marins
Lucas Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).

Leia mais

Leia mais sobre:

Últimas notícias

Justiça estadual deve analisar se irmã de traficante do PCC lavava dinheiro do tráfico com Bitcoin, diz STJ

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu na segunda-feira (28) que a Justiça estadual deve analisar se a irmã de um traficante ligado ao...

Candidato a vereador coloca Bitcoin em nome da campanha

O Bitcoin é uma moeda digital que ainda não é regulamentada no Brasil. Mesmo assim, um candidato a vereador das Eleições de 2020 colocou...

18,5 milhões de todos os Bitcoins já foram minerados

A cada dez minutos o Bitcoin se torna uma moeda mais escassa e o último final de semana reforçou isso. Com 18,5 milhões de...