Investidor viaja 2.000 km (de novo) para tentar receber do Grupo Bitcoin Banco

Outros oito investidores viajaram com ele e pretendem ficar até que a situação seja definitivamente resolvida.

Siga no
Grupo Bitcoin Banco
Sede do Grupo Bitcoin Banco, em Curitiba (PR)

Pela segunda vez em menos de três meses, o investidor Jacimar Alves Cabral, 31, viajou de Mirassol d’Oeste (MT) a Curitiba (PR) para tentar reaver o dinheiro investido no Grupo Bitcoin Banco. Desde maio deste ano, a empresa não libera saques nas plataformas de negociação de criptomoedas, a Negocie Coins e a TemBtc.

Cabral chegou à capital paranaense na segunda-feira (21). São 2.000 quilômetros de distância e 25 horas de estrada. Além dele, outros oito investidores da cidade, que também investiram na empresa, viajaram com ele.

“A ideia é ficar aqui até conseguirmos resolver definitivamente a nossa situação e recebermos o quanto antes”, disse Cabral à reportagem do Livecoins. O valor investido não foi revelado.

Acordos não foram cumpridos, diz investidor

O investidor esteve pela primeira vez em Curitiba no final de julho deste ano. Na época, disse, ficou pouco mais de 20 dias na cidade e chegou a formalizar um contrato com Grupo Bitcoin Banco.

“Ficou acertado que eu receberia a quantia investida na empresa em parcelas pagas semanalmente ao longo de mês de agosto. Só que não foi cumprido”, disse.

Cabral falou que, como o primeiro acordo não foi cumprido, ele formalizou um segundo. “Cheguei a receber uma pequena quantia, que deu para cobrir apenas os gastos com a viagem, mas depois disso não liberaram mais nada. Por isso voltei”.

Empresa diz que há fluxo de pagamento e não comenta casos isolados

O Grupo Bitcoin Banco informou, em nota, que há um fluxo de pagamentos e que os saldos dos investidores estão sendo migrados para a nova plataforma do grupo, a Negocie Coins Pro, lançada no começo de setembro.

Informou ainda que não irá comentar acordos extrajudiciais realizados antes da implantação do processo padrão e que, em breve, divulgará um comunicado oficial sobre os pagamentos.

Entenda o caso

Desde maio deste ano, clientes Grupo Bitcoin não conseguem realizar saques nas plataformas de negociação de criptomoedas da empresa, a Negocie Coins e a TemBtc. Na época, o grupo alegou que foi vítima de uma ação criminosa de clientes, que resultou em prejuízo de R$ 50 milhões e afetou a operação.

Em agosto, a Polícia Militar do Paraná cumpriu mandados de busca e apreensão na sede da empresa e nos imóveis do empresário Claudio Oliveira, um dos donos do grupo. No mesmo mês, o empresário também teve o passaporte retido pela justiça.

O grupo alega ainda que os pagamentos a investidores estão travados por causa processos judiciais abertos ao longo dos últimos meses. Só na Justiça do Paraná há pouco mais de 100 ações contra a empresa e seus proprietários.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).
Homem jogando dinheiro para cima bilionários do Bitcoin

Usuário compra bitcoin por 11 mil dólares durante flash crash da Binance

Durante uma queda repentina nos preços de várias moedas na Binance americana, onde o Bitcoin chegou a ser negociado por 8.200 dólares por menos...

Bitcoin atingiu novo recorde histórico, o que mudou na rede?

OÉ importante manter a conjuntura Macro clara, e para isso, os indicadores cíclicos continuam atualizar a cada dia que passa junto com o preço...

Meme postado por Elon Musk é vendido por R$115 mil

Após o Bitcoin e o Ethereum romperem as suas máximas históricas nesta semana, Elon Musk foi ao Twitter para postar um meme sobre o...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias