Carteira utilizada pelo “Faraó dos Bitcoins” é revelada

Uma das carteiras tem R$ 387 milhões em Bitcoin só hoje.

Glaidson dos Santos segurando carteira Ledger Faraó dos Bitcoins
Glaidson dos Santos segurando carteira Ledger/Reprodução

As carteiras utilizadas pelo ‘Faraó dos Bitcoins’ e sua esposa Mirelis Zerpa estão sob investigação da Polícia Federal e Ministério Público, desde que a Operação Kryptos foi deflagrada, em agosto de 2021.

Esse segredo causa espanto em muitos investidores que acreditavam na empresa GAS Consultoria e nunca mais viram a cor do suado dinheiro. Há alguns meses todos os pagamentos prometidos pela empresa foram suspensos.

Isso chama atenção apesar da restrição da justiça brasileira restringir o acesso da empresa em suas contas bancárias, pois várias movimentações com Bitcoin foram pegas pela PF após a prisão de Glaidson Acácio dos Santos.

Principal carteira do ‘Faraó dos Bitcoins’ segundo as investigações

O Livecoins obteve acesso a um documento vazado, contendo um parecer do Ministério Público Federal no caso da Operação Kryptos. Esse documento foi produzido quando o MPF foi chamado pela justiça federal do Rio de Janeiro a comentar sobre o pedido da defesa para liberar os saldos presos, assim como aparelhos eletrônicos.

Quando a operação foi deflagrada pelas autoridades brasileiras a GAS Consultoria chegou a culpar a justiça pelo atraso de pagamentos a milhares de clientes.

GAS Consultoria e Tecnologia Ltda., GAS Inovação Tecnologia Artificial Ltda., GAS Intermediação e Serviços Digitais, MYD Zerpa Tecnologia requerem a este juízo “que não inviabilize, em face da mantença das cautelares patrimoniais adotadas – que, permissa venia, ultrapassam limites de razoabilidade –, os pagamentos aos clientes”. Ademais, pugna pelo imediato espelhamento e devolução dos equipamentos eletrônicos apreendidos“.

Ao ver o pedido da defesa o MPF lembrou que ele deveria ser integralmente indeferido, pois a defesa da GAS Consultoria nunca apresentou documentos contábeis que comprovassem os contratos com clientes e seus valores presos. A falta de transparência da empresa era o principal problema para os procuradores responsáveis pela investigação.

No mesmo parecer o MPF ainda lembrou que a Mirelis Zerpa, esposa do ‘Faraó dos Bitcoins’ foragida nos Estados Unidos movimentou altas quantias após a Operação Kryptos, em vários endereços.

A apuração confirmou com a Binance que o principal endereço dela e de Glaidson era o 1JawWE56G5NmnB5iuYbFikbdETs88Fxkwo, endereço que constava em uma lista de saque seguro na conta do líder da GAS movimentado no dia 26 de agosto de 2021. Chama atenção que Glaidson foi preso no dia 25 daquele mês e seu endereço recebeu movimentação um dia após sua prisão.

Principal endereço utilizado pelo Faraó dos Bitcoins e sua esposa Mirelis Zerpa identificado pelas autoridades
Principal endereço utilizado pelo Faraó dos Bitcoins e sua esposa Mirelis Zerpa identificado pelas autoridades /BTC.com

Ele aparece em uma troca de e-mails de Glaidson com Mirelis, o que levou a investigação a confirmar que além de foragida, Zerpa estava movimentando valores em sua fuga.

Estima-se que ela tenha levado R$ 1 bilhão em sua posse, o que pode ser confirmado por outros endereços.

Outras carteiras de Glaidson e esposa

O Bitcoin tem como característica proteger a identidade de quem o utiliza pela sua rede. Com alguns rastros deixados, usuários da rede podem ser detectados e é justamente isso que aconteceu no caso do “Faraó dos Bitcoins”.

Esvaziado no dia 13 de setembro de 2021, um dos principais endereços de Bitcoin que consta no parecer do MPF com 1.950 BTC é o bc1qluuy04mjxqj8yc44lgnez8eml4pwulvukfatak.

Apontado como um dos que pertence a Mirelis Zerpa, esse endereço teve seu saldo encaminhado para outras carteiras, sendo 1.395 BTC de origem deste parado hoje no bc1qt7jjpqdfvqhtqkadlnuhzzem2tateg7mm0y95w desde o dia 11 de dezembro de 2021. Só esse endereço contém R$ 387 milhões em Bitcoin com a cotação da moeda no mercado hoje.

Outros endereços que aparecem na lista do MPF e que estavam em investigação quando o documento foi produzido são:

  • 1JawWE56G5NmnB5iuYbFikbdETs88Fxkwo
  • bc1q8kmtzc0a43w0cjrzwzwqsa9frxaseyzcg6mq3d
  • bc1qqgjmxevtn3cyg8cvxfg7yyk6a7n3zudt4hw85t
  • bc1qn9k6s0lyxgw5mdndta3780md23z9kmu4980clv
  • bc1qu9tj6kcusrncvm7wm06n2mqq0jtfg26vk9mynm
  • bc1qnanyweuswqm9sz3d93ag0vrc69mpq4v40g9acq
  • bc1qehzj8sulj3plzuarzzmdm77d6rd8chvc5hzull

Somados, estes endereços teriam reunido 4.330 BTC, valor que dá R$ 1,2 bilhão com a cotação do Bitcoin em Real hoje. A defesa sustentou que esses valores nunca estiveram em posse de Mirelis Zerpa, mas para o MPF ela estava mantendo o esquema em funcionamento de forma remota.

Este caso lembra que endereços públicos de golpes com Bitcoin sempre são descobertos com investigações. A Unick Forex também teve seu endereço divulgado após o fim do golpe, o que permite que interessados em acompanhar os movimentos da rede e autoridades e investigar os destinos dos envios.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Últimas notícias