CEO do ChatGPT já criou criptomoeda polêmica, veja qual

No total, mais de 1 milhão de pessoas já tiveram suas retinas escaneadas, algumas delas no Brasil. Quando atacada sobre questões de privacidade, a Worldcoin respondeu que as imagens são apagadas logo após serem transformadas em códigos, mas a resposta não agradou a todos.

Sam Altman (sim, mais um Sam) é o principal nome por trás do projeto ChatGPT, a inteligência artificial que todos estão falando. No entanto, o que poucos sabem é que o CEO do ChatGPT já criou uma criptomoeda polêmica.

Estamos falando da Worldcoin. Em suma, o projeto escaneia os olhos das pessoas, dando criptomoedas para estas como forma de recompensa.

worldcoin
Esfera da Worldcoin escaneando retinas em troca de criptomoedas. Fonte: Worldcoin/Reprodução.

No total, mais de 1 milhão de pessoas já tiveram suas retinas escaneadas, algumas delas no Brasil. Quando atacada sobre questões de privacidade, a Worldcoin respondeu que as imagens são apagadas logo após serem transformadas em códigos, mas a resposta não agradou a todos.

Na data, Edward Snowden, ex-NSA, afirmou que os hashes salvos podem ser comparados a escaneamentos futuros. Indo além, recomendou que as pessoas “não catalogue globos oculares.”

Site da Worldcoin aponta que mais de 1 milhão de pessoas já tiveram suas retinas escaneadas em diversos países, incluindo Brasil.

Quanto ao método diferenciado, o projeto aponta que esta seria uma forma justa de distribuição, com cada pessoa do mundo recebendo o mesmo montante, sem fraudes.

Inteligência artificial se torna novo debate mundial

Enquanto artistas mostram-se preocupados com a chegada de inteligências artificiais capazes de gerar imagens, como Dall-E e Midjourney, diversos outros setores analisando mudanças que ferramentas de texto como o ChatGPT terão no mundo.

Como exemplo, escolas já estão revendo seus métodos de ensino. Já a CNET, uma grande mídia americana, foi pega com mais de 70 artigos escritos por IA nesta semana, preocupando redatores, leitores e mecanismos de busca.

Além de seu uso final, outra grande polêmica destas inteligências artificiais está em sua entrada. Ou seja, estes programas precisaram analisar uma extensa base de dados para aprender, provavelmente sem o consentimento de seus criadores.

Por exemplo, algumas artes criadas por IA apresentam assinaturas borradas, retiradas das obras originais que foram estudadas, em suas criações.

“Estes são todos os retratos do Lensa onde os restos mutilados da assinatura de um artista ainda são visíveis. São os restos da assinatura de um dos vários artistas que [a IA] roubou”, aponta a artista Lauryn Ipsum.

Portanto, os pontos acima parecem ter grande ligação com a criptomoeda Worldcoin. Afinal, as maiores preocupações das pessoas está relacionada a questões de privacidade e uso indevido de dados.

Quanto vale a Worldcoin?

Criada em 2021, a Worldcoin ainda não é negociada em nenhuma corretora, não possuindo valor, gerando ainda mais preocupações. Afinal, as pessoas que concederam suas retinas para esta base de dados nem sequer estão recebendo algo por isso.

Os mais desavisados, no entanto, começaram a comprar outra criptomoeda de mesmo nome, pensando que a mesma tivesse ligação com o ChatGPT e a OpenAI. Um clássico erro, que já aconteceu mais de uma vez com esta mesma criptomoeda.

Worldcoin criada por Sam Altman, CEO do ChatGPT, não é negociada em corretoras e não possui nenhum valor. Fonte: CoinMarketCap.

Por fim, a grande dúvida é se alguma inteligência artificial pode usar tais retinas escaneadas de alguma forma. Afinal, tais programas já são surpreendentes. Por exemplo, o ChatGPT já criou uma carteira de criptomoedas. Portanto, tal tecnologia de IA deve evoluir com o passar dos anos, mas sem nenhuma preocupação com privacidade.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na maior corretora de criptomoedas do mundo e ganhe até 100 USDT em cashback. Acesse Binance.com

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Henrique HK
Henrique HKhttps://github.com/sabotag3x
Formado em desenvolvimento web há mais de 20 anos, Henrique Kalashnikov encontrou-se com o Bitcoin em 2016 e desde então está desvendando seus pormenores. Tradutor de mais de 100 documentos sobre criptomoedas alternativas, também já teve uma pequena fazenda de mineração com mais de 50 placas de vídeo. Atualmente segue acompanhando as tendências do setor, usando seu conhecimento para entregar bons conteúdos aos leitores do Livecoins.

Últimas notícias