CriptoEstado
Imagem: Varyon

Uma gama de países conhecidos aceitam criptomoedas para transações, sendo o Japão o país com maior adoção e volume de transações, porém, algumas nações não tradicionais estão utilizando também as criptomoedas, conheça o criptoestado.

CriptoEstado

O funcionamento prático dos estados não tradicionais são praticamente relacionados ao conceito de micronação, ou seja, os seres humanos estão criando e testando limites geográficos.

O maior problema enfrentado até aqui, obviamente, é que os estados tradicionais não reconhecem esses estados e ainda tentam impor restrições aos mesmos. Muitos países inclusive não reconhecem as criptomoedas.

Por exemplo, no caso da Liberland, que é uma divisa entre Croácia e Sérvia, seu fundador já foi preso e condenado a pagar multa por entrar em “seu próprio” território.

Já em Porto Rico, uma outra ideia de criar uma nação baseada em criptomoedas está em andamento, se denominando Puertopia. Essa já não encontra tantas dificuldades com o governo.

Uma outra iniciativa famosa que se chama BitNation, propõe que as pessoas se organizem e façam elas mesmas as suas leis e soluções para o mundo, utilizando contratos inteligentes e blockchain Ethereum para isso.

Percebe-se que essas iniciativas são ligadas a liberdade dos indivíduos e propõem novos paradigmas para a sociedade, ligada pela blockchain e criptomoedas.

Maior problema do “CriptoEstado”

Como visto anteriormente, a busca pela criação de micronações é algo que vem crescendo com o passar dos anos, e cada vez mais iniciativas buscam formas de inovar em novas sociedades.

Para isso, uma nova iniciativa chamada Blue Frontiers tentou criar um ICO para financiar as suas atividades, e foi barrada pela regulamentação dos países, o que não impediu o seu progresso.

Em maio de 2018 eles vieram a público informar entretanto que irão lançar a sua própria nação, que será uma ilha flutuante no Oceano Pacífico com 300 casas no início.

Mais do que isso, foi anunciado que está a venda a sua própria criptomoeda chamada Varyon, que pode ser comprada com Ethereum, e já arrecadou mais de quatro mil ethers atualmente.

Com essa novidade vemos surgir países com auto-gestão e políticas de consenso inovadores, apoiados pelas criptomoedas e blockchains, superando inclusive o maior problema que é a regulamentação dos mesmos, pois se colocam independentes de velhos conceitos.

Aviso Legal: Não damos indicações de compra e venda de criptomoedas e tokens, o estudo das criptomoedas citadas acima foi para fim educativo e informativo.