Dados pessoais de brasileiros estão à venda na deep web

Dados de 223 milhões brasileiros estão sendo vendidos, pagamento deve ser feito em Bitcoin.

Siga no
Bandeira do Brasil em teclado
Bandeira do Brasil em teclado

Após o anúncio do vazamento de dados pessoais de praticamente todos os brasileiros, agora a novidade é que as informações estão à venda na deep web. Para comprar uma versão dos dados, é necessário pagar os hackers em Bitcoin.

Esse é o maior vazamento de dados pessoais da história do Brasil. Com a LGPD em vigor, a empresa responsável pelo vazamento poderia sofrer sanções. Contudo, as multas só entrarão em vigor no mês de agosto de 2021.

O caso reacende o debate sobre privacidade no Brasil, uma vez que milhões de pessoas foram afetadas. Os dados expostos podem ser de CPF, nome, endereço, telefone, entre outros.

A empresa responsável por encontrar a suposta falha, que ainda é investigada, foi a PSafe, do setor de segurança cibernética.

Dados pessoais de brasileiros à venda na eep web

De acordo com um relatório da PSafe, no dia 19 de janeiro de 2021, milhões de CPFs de brasileiros vazaram. O gigante vazamento coloca em risco as informações de pelo menos 220 milhões de pessoas.

Em alguns fóruns da deep web, por exemplo, os hackers estariam colocando algumas versões desses dados. No entanto, a venda das informações estaria sendo divida em lotes.

O hacker responsável pelo vazamento afirma viver fora do Brasil. Para comprar um lote com mil dados de brasileiros, por exemplo, um interessado deve desembolsar US $ 100 dólares em Bitcoin.

Considerando o preço do Bitcoin hoje, cada lote sairia por 0,0031 BTCs na deep web.

Investigações apontam que os dados teriam sido vazados da Serasa Experian. Contudo, a empresa alega que já conduziu extensas investigações, negando que o vazamento seja de suas bases.

CNPJs também foram afetados

Os especialistas da PSafe chegaram a conversar com o hacker responsável pelos vazamentos.

Ao pedir os dados pessoais da equipe de segurança da PSafe, o hacker liberou os dados, que se mostraram legítimos.

A base de dados está a venda na deep web desde 11 de janeiro de 2021. Contudo, ainda não se sabe de onde os dados foram vazados.

De acordo com a Época, até CNPJs de empresas foram vazados pelo hacker. Ou seja, não apenas pessoas físicas, mas empresas, estão com dados comprometidos.

Em casos assim, é comum que outros hackers comprem as bases para cometer novos crimes. Ou seja, um vazamento de dados pessoais como esse favorece o crime cibernético contra milhões brasileiros.

Responsável por encontrar o vazamento, a PSafe tem uma parceria com o Ministério da Justiça desde 2020. Na época, a empresa afirmou que ajudaria a conscientizar a população contra golpes cibernéticos e ajudar a melhorar o cenário no Brasil.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Bitcoin SV do falso Satoshi Nakamoto sofre mais um ataque 51%

A Rede do Bitcoin Satoshi Vision (BSV) - fork do Bitcoin Cash, que por sua vez é um fork do Bitcoin - é uma...

Presidente da SEC defende Bitcoin e elogia Satoshi Nakamoto

Gary Gensler, presidente da SEC, falou durante um painel no Aspen Security Forum sobre o criptomercado, principalmente defendendo o Bitcoin em relação aos seus "imitadores" e...
Ameaça cibernética leva Bitcoin de vítimas rouba

Baixa torrent? Cuidado, este malware pode roubar seus bitcoins

A Sophos lançou um alerta sobre um malware que está infectando usuários de torrents, o vírus rouba bitcoins e até minera Monero no computador...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias