Desembargador nega pedido de habeas corpus para foragido da Unick Forex

A PF possui diálogos que provam que Fernando Lusvarghi estaria colocando todos os bens dele e os da empresa em nome de terceiros.

Siga no
Fachada do prédio do TRF4, em Porto Alegre (RS)

O desembargador Leandro Paulsen, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, negou na quarta-feira (23) o pedido de habeas corpus para Fernando Marques Lusvarghi, diretor jurídico da Unick Forex. Lusvarghi está foragido desde a segunda-feira (14), dia em que a Polícia Federal pediu sua prisão temporária no âmbito da operação Lamanai.

O pedido de habeas corpus foi feito pelo advogado Nelson Wilians Fratoni Rodrigues, que defende a empresa, acusada pela Polícia Federal de ser um esquema de pirâmide financeira que lesou centenas de pessoas. Na justificativa, o advogado disse que a ordem de prisão temporária teria sido ilegal e a investigação já se encontraria assegurada por meio das diligências já realizadas.

“…Diante dos fortes indícios de participação na prática de crimes contra o sistema financeiro, em posição possivelmente proeminente na organização criminosa investigada, bem como dos indicativos de dilapidação e ocultação patrimonial, não verifico, em sede de cognição sumária, flagrante coação ilegal apta a ensejar de plano o deferimento de medida liminar, de forma que mantenho a prisão temporária decretada em face de Fernando Marques Lusvarghi”, disse o desembargador.

Na decisão, o desembargador relatou ainda que a não apresentação de Lusvarghi à PF e o fato de ele não ter sido encontrado só potencializam a necessidade da prisão, “tendo em conta que (ele) pode estar, justamente, adotando medidas de dissipação patrimonial e probatória em locais variados, o que pode comprometer as medidas de investigação e o asseguramento da reparação de eventuais ilícitos”.

Investigação policial

Para sustentar a decisão, o desembargador citou algumas descobertas feitas pela Polícia Federal. A PF, por exemplo, possui diálogos que provam que Fernando Lusvarghi estaria colocando todos os bens dele e os da empresa em nome de terceiros, principalmente no de sua esposa, Isabel Cristina do Prato Lusvarghui.

Um funcionário da Unick, chamado José Alexandre Noronha, também estaria sendo usado como laranja.

Contra o Lusvarghi, ainda de acordo com a decisão, também pesa a suspeita de prática de crime de corrupção ativa no âmbito da CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Desde agosto deste ano, a autarquia emitiu três alertas ao mercado sobre as irregularidades da Unick Forex, além de ter recebido centenas de denúncias.

A PF também concluiu, com base na decisão, que Fernando Lusvarghi seria, depois do presidente da Unick, Leidimar Lopes, a pessoa mais “proeminente do grupo criminoso”.

A Unick Forex informou, por meio de nota, que acredita na Justiça e que os fatos serão esclarecidos o mais breve possível.

Entenda o caso

A Unick Forex, com sede em São Leopoldo (RS), atua no mercado de Forex (Foreign Exchange) sem autorização da CVM (Comissão de Valores Mobiliários). A empresa está sendo investigada pela Polícia Federal com apoio da Receita Federal.

O inquérito foi instaurado em janeiro deste ano e já apurou que a Unick estava estruturada em formato “pirâmide financeira”. Segundo a PF, os clientes eram atraídos por promessas de retorno de 100% sobre o valor investido em um prazo de seis meses.

De acordo com a Receita Federal, somente entre janeiro de 2017 e dezembro de 2018 a empresa movimentou R$ 10 bilhões nas contas da S.A. Capital LTDA, que seria a garantidora de negócios da Unick Forex.

No início de outubro, no âmbito da operação Lamanai, dez sócios da empresa tiveram a prisão temporária decretada, mas apenas nove foram presos. O diretor jurídico, Fernando Marques Lusvarghi, ainda está foragido. Na sexta-feira (25), a Justiça decretou a prisão preventiva de seis dos membros do esquma. A PF não revelou nomes.

Ao longo da investigação, ainda de acordo com a PF, foram constatadas outras práticas criminosas, a exemplo de aquisição de moedas virtuais para remeter ao exterior, em supostos atos de evasão de divisas, e lavagem de dinheiro.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Lucas Gabriel Marins
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).
Criptomoeda Ethereum ao lado do Bitcoin

Mineradores de Ethereum estão lucrando mais que os de Bitcoin

Os mineradores de Ethereum estão lucrando mais que os de Bitcoin, de acordo com dados divulgados por um estudo do The Block. A mineração de...
Criptomoeda Bitcoin sobre notas de Dólar dos Estados Unidos

46 milhões de americanos investiram em criptomoedas, aponta pesquisa

O número de pessoas que já compraram criptomoedas nos Estados Unidos tem aumentado nos últimos anos. De acordo com um novo levantamento, 46 milhões...
Globo Hashdesh coinbase

Globo e Coinbase investem em empresa brasileira de criptomoedas

A Rede Globo - sim, a maior emissora do Brasil e a segunda maior do mundo - por meio do seu braço de investimentos Globo...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias