Ex-gerente da Coinbase é preso por insider trading

Com suas ações 78% abaixo do valor inicial, quando realizou seu IPO, a Coinbase está lutando para não perder clientes para suas maiores concorrentes, FTX e Binance.

Algemas ao lado de moeda física de Bitcoin.

Ishan Wahi, ex-gerente de produtos da Coinbase, foi preso pelas autoridades americanas nesta quinta-feira (21). A acusação é que Wahi teria repassado informações internas sobre a listagem de novas criptomoedas e tokens na exchange.

Devido à alta reputação da Coinbase, listada em bolsa, tais ativos tendem a valorizar após a listagem. Portanto, estas pessoas estariam ganhando dinheiro ilegalmente.

No passado, até mesmo o maior jornal americano acusou a Coinbase de insider trading. No entanto, naquele momento não haviam pistas de quem poderia estar participando do esquema.

Ex-gerente de produtos da Coinbase é preso

Segundo informações da CVM americana, Ishan Wahi, ex-gerente de produtos da Coinbase, teria passando informações privilegiadas para seu irmão, Nikhil Wahi, bem como ao seu amigo Sameer Ramini.

“Nikhil Wahi e Ramani supostamente compraram pelo menos 25 ‘criptoativos’, pelo menos nove dos quais eram títulos mobiliários, e então os venderam logo após os anúncios [de listagem] para obter lucro.”

Sabendo quais tokens seriam listados na Coinbase, os envolvidos então conseguiram lucrar mais de 1,1 milhão de dólares (R$ 6 milhões) apenas entre junho de 2021 e abril de 2022.

O motivo por trás da valorização quase certa de tais ativos é a reputação da Coinbase, exchange listada em bolsa, o que aumenta a exposição de qualquer token listado na mesma. O que, por consequência, também aumenta o volume de negociações e liquidez.

Todos os três envolvidos foram acusados criminalmente nesta quinta-feira (21). Entretanto, a SEC nota que as investigações continuarão. Portanto, é possível que mais casos sejam solucionados no futuro.

Coinbase em maus lençóis

Com suas ações 78% abaixo do valor inicial, quando realizou seu IPO, a Coinbase está lutando para não perder clientes para suas maiores concorrentes, FTX e Binance.

Após demitir mais de 1.100 funcionários e encerrar seu programa de afiliados nesta semana, a corretora está tentando enxugar gastos para sobreviver ao mercado de baixa das criptomoedas. Entretanto, outras empresas estão aproveitando de sua fraqueza para crescer.

Por fim, embora o valor de suas ações tenha subido 36% nos últimos 5 dias, com a alta do Bitcoin, a notícia da prisão de seu ex-diretor de produtos acaba manchando a reputação da empresa.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Henrique Kalashnikov
Formado em desenvolvimento web há mais de 20 anos, Henrique Kalashnikov encontrou-se com o Bitcoin em 2016 e desde então está desvendando seus pormenores. Tradutor de mais de 100 documentos sobre criptomoedas alternativas, também já teve uma pequena fazenda de mineração com mais de 50 placas de vídeo. Atualmente segue acompanhando as tendências do setor, usando seu conhecimento para entregar bons conteúdos aos leitores do Livecoins.

Últimas notícias