45% das famílias mais ricas do mundo querem investir em Bitcoin, diz Goldman Sachs

O relatório também revelou que 1/5 dos family offices que participaram da pesquisa já possuem mais de US $ 5 bilhões em ativos digitais sob gestão.

Siga no
Bitcoins
Bitcoins

Uma recente pesquisa realizada por uma das principais instituições financeiras do mundo, a Goldman Sachs, revelou que os family offices de algumas das famílias mais ricas do mundo têm a intenção de investir em criptomoedas. O relatório sugeriu que 15% dos participantes da pesquisa já têm exposição aos ativos digitais.

A pesquisa conduzida pelo banco revelou que aqueles que buscam se envolver no frenesi das criptomoedas estão preocupados com um ambiente duradouro de baixas taxas de juros e o aumento constante da inflação.

Family offices são empresas privadas responsáveis ​​por administrar a riqueza das famílias ricas.

O relatório também revelou que 1/5 dos family offices que participaram da pesquisa já possuem mais de US $ 5 bilhões em ativos digitais sob gestão.

15% já compraram bitcoin, enquanto 45% dizem que ainda não, mas têm interesse em comprar.

Dos 39% que não estão interessados, 38% dizem que é porque não estão familiarizados com criptomoedas ou não estão confortáveis ​​com a infraestrutura atual.

Os que vão investir disseram acreditar que as criptomoedas servem como proteção contra a inflação.

“Alguns escritórios familiares estão considerando as criptomoedas como uma forma de se posicionar para uma inflação mais alta, taxas baixas prolongadas e outros desenvolvimentos macroeconômicos após um ano de estímulo fiscal e monetário global sem precedentes”, afirma o relatório, acrescentando:

“Dos aproximadamente dois terços dos family offices que estão pensando ativamente em um aumento na inflação, os ativos digitais surgiram como uma solução de portfólio. A desvalorização da moeda também tem sido a prioridade de cerca de 40% dos entrevistados globais, com mais de 40% desse subconjunto indicando que eles considerariam investir em ativos digitais.”

Nos EUA, 24% dos family offices já investiram em Bitcoin, enquanto na Europa, no Oriente Médio e na África (EMEA), o percentual chega a 10%.

A razão pode ser porque os Estados Unidos estão ligeiramente à frente da Europa em termos de conscientização sobre o bitcoin, principalmente com fundos de hedge americanos e investidores institucionais mergulhando nas criptomoedas este ano.

A Europa pode seguir com o nível de interesse sugerido aqui, 68% para a Ásia, indicando que as criptomoedas estão a caminho de se tornar uma parte importante das carteiras de investimento, pelo menos no que diz respeito aos ricos, que geralmente administram sua riqueza por meio de escritórios familiares.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
TrustNodeshttps://trustnodes.com
News on all things Blockchain, Ethereum, IoT, Fintech and Bitcoin.
PayPal e Bitcoin

PayPal anuncia novo aplicativo para criptomoedas

O PayPal continua apostando nas criptomoedas, após ingressar no criptomercado há cerca de um ano, a empresa revelou seu novo app que traz recursos...
Ethereum. (Imagem: Adobe Stock)

Investidor veterano alerta: “Ethereum está entrando em momento de queda prolongada”

Peter Brandt é um veterano do mercado de investimentos e um nome bem respeitado entre quem acompanha criptomoedas. Peter não é um estranho para o...

“Corretoras de criptomoedas estão em risco”, diz Bloomberg

As corretoras de criptomoedas dos EUA podem estar prestes a enfrentar um grande risco de existência conforme as questões sobre a regulamentação do setor...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias