Homem deposita R$ 106 mil em golpe e Polícia Federal desmascara esquema 7 dias depois

Empresa prometia lucros de até 30% ao mês

Siga no

Um homem recorreu a 5ª Vara Cível do Espírito Santo para reivindicar a devolução de investimentos que realizou na TGEX Tecnologia LTDA. Ele investiu um total de R$ 106.599 na empresa.

7 dias depois de realizar o aporte, o esquema de pirâmide caiu com a operação MADOFF. O aporte financeiro depositado por ele ocorreu no dia  08/05/2019, a Polícia Federal encerrou a empresa no dia 15/05/2019.

O Requerente alega que firmou contrato de adesão junto aos requeridos, em 08.05.2019, para prestações de serviços de trading (transações de compra e venda) do ativo financeiro de criptomoedas, em especial o bitcoin. O valor total investido foi de R$ 106.599,00 (cento e seis mil quinhentos e noventa e nove reais).

O homem pediu para que o juiz Dejairo Xavier Cordeiro autorizasse a devolução de seu montante, que foi confiscado pela operação.

Assim, considerando que haviam elementos que comprovam a veracidade dos fatos, foi decidido em prol do homem. Além disso, também foi verificado que o desbloqueio dos bens para devolver o dinheiro não comprometeriam a operação.

Assim, o pedido do requerente foi deferido pelo juiz.

O fato ocorreu ainda no ano passado, mas o resultado saiu apenas em abril deste ano. O caso envolvendo a TGEX tornou-se bastante conhecido, sobretudo após ser comprovado o esquema de pirâmide.

Sobre a Operação MADOFF

Em maio de 2019, a Polícia Federal iniciou uma investigação para identificar atividades ilegais de investimentos em criptomoedas. Assim, instituiu a operação MADOFF em três estados, no Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Acre.

Durante este processo foi identificada a atividade de natureza fraudulenta da TGEX, que operava por meio de esquema de pirâmide. 43 policiais atuaram removendo páginas da internet, bloqueio de ativos e confisco de carros e imóveis.

A TGEX fazia parte da empresa Trader Group, que conduzia um esquema de pirâmide clássico por meio dos investimentos de seus clientes. Ela havia sido fundada por Wesley Binz, e havia instituído a sua plataforma de Exchange pouco tempo antes da operação.

Desta forma, suas atividades foram interrompidas abruptamente após a ação policial, o que fez com que Marcus e outros clientes tivessem seus investimentos perdidos e congelados pelas justiça.

Levando em consideração estes clientes, a Justiça do Espírito Santo decidiu no último mês pelo ressarcimento dos clientes lesados pela Trader Group e sua Exchange TGEX.

A empresa atuava desde 2017 como uma corretora de valores, prometendo lucros e até 30% ao mês. Conforme a investigação da polícia, a plataforma prejudicou 5 mil investidores e trouxe um prejuízo total de 20 milhões de reais para estas pessoas. Os montantes estão sendo devolvidos aos poucos.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Jeferson Scholz
Jornalista. Escrevi dois artigos acadêmicos publicados no congresso de comunicação INTERCOM, e fui diretor do documentário universitário "Planeta dos Desmortos - O Mito Zumbi".
Idoso segurando Bitcoins aposentadoria

Empresa passa a oferecer aposentadoria com Bitcoin

Uma parceria entre três empresas do mercado de criptomoedas possibilitou a criação de um produto de aposentadoria com Bitcoin. Os planos de aposentadoria, normalmente chamados...

Líder de pirâmide com Bitcoin é solto e volta a aplicar golpes prometendo lucros

Mesmo depois de ter sido preso e indiciado pela Polícia Civil, o dono da pirâmide financeira "Medina Bank", Izaltino Medina Filho, de 60 anos,...

Modelo do Instagram vende seu “amor” em forma de criptomoeda

O mercado dos tokens não-fungíveis (NFTS) realmente se tornou uma grande moda nos últimos meses, sendo uma forma que muitos escolheram para vender peças...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias