Vale a pena investir em criptomoedas do Metaverso?

Todo mundo tem buscado por novas oportunidades de investimento no mundo das criptomoedas e, agora, os ativos do momento são os do metaverso.

Frequentemente citado em filmes e séries de TV, o metaverso não surgiu recentemente devido ao Mark Zuckerberg ter mudado o nome da companhia Facebook para Meta. Desde 1992, Neal Stepherson já havia usado o termo para descrever um mundo virtual 3D vivido por avatares de pessoas reais.

O recente aumento pelo interesse no metaverso se deu porque Mark Zuckerberg mudou o nome da empresa Facebook para Meta. Com isso, diversos tokens que já existiam relacionados ao mundo virtual dispararam no mercado, e vários outros surgiram.

No entanto, a dúvida que fica é se vale a pena mergulhar nesta nova onda que vem surgindo com o metaverso.

O que é o metaverso?

Teoricamente o metaverso é um espaço virtual 3D que conecta pessoas utilizando a realidade virtual e aumentada.

Essas tecnologias ainda não estão completamente presentes hoje para acesso de todos, no entanto, é possível experimentar o que o metaverso tem para oferecer utilizando os óculos VR, de realidade aumentada.

Além disso, diversos jogos e mundos virtuais já existem e podem proporcionar ao usuário uma experiência parecida com o que o metaverso deseja entregar no futuro.

O espaço virtual do metaverso tem a finalidade de conectar pessoas em diferentes regiões do mundo, além de oferecer tudo o que o mundo real pode: economia, entretenimento, arte, ambientes de trabalho e muito mais.

Por que o metaverso se tornou popular?

A ideia e o termo metaverso já existiam há muito tempo, além disso, os tokens ligados a esta ideia também já estavam presentes do mercado de criptomoedas.

Até mesmo jogos, como o Fortninte, já forneciam experiência parecida com o metaverso para os jogadores, apresentando shows de artistas reais, como Ariana Grande e Travis Scott.

Algumas companhias de tecnologia também já estudavam sobre mataverso. No entanto, o anúncio de Mark Zuckerberg, CEO da Meta (antigo Facebook), ao mudar o nome da empresa e apresentar a todos o que deseja fazer com o metaverso, mexeu com o mercado.

Não somente com as criptomoedas, mas no mercado tradicional, as empresas de tecnologia e outras, listadas na bolsa também viram oportunidade de crescimento no metaverso. Além disso, empresas como a Microsoft também aproveitaram para mostrar seus projetos relacionados ao tema.

Agora, além das gigantes de tecnolgia, Nike, Adidas, Louis Vuitton, Gucci e entre outras marcas também estão de olho no metaverso e criando seus mundos virtuais e NFTs para fazerem parte do futuro virtual 3D.

Quais empresas estão focadas no metaverso?

  • Meta (Facebook): companhia de Mark Zuckerberg já estudava e investia no metaverso, buscando formas de implementar a tecnologia. A empresa inclusive adquiriu uma empresa fabricante de óculos de realidade virtual, a Oculus VR. Além disso, a Meta poderá ofertar cerca de 10 mil vagas de emprego nos próximos anos para prosseguir com o avanço do desenvolvimento do metaverso.
  • Microsoft: a big tech também tem planos de avançar com a tecnologia da sua plataforma de videoconferência, o Teams, para permitir que as pessoas possam ter experiências mais reais, com avatares e o uso de realidade aumentada dentro no aplicativo no ambiente de trabalho.
  • Nvidia: a Nvidia, outra empresa gigante da tecnologia, lançou em novembro uma plataforma de criação de avatares interativos que utilizam inteligência artificial, o Omniverse Avatar.
  • Epic games: a empresa de jogos que tem como carro chefe o jogo Fortnite já vem apresentando a algum tempo interesse no metaverso. Com a COVID-19, a empresa promoveu shows de artistas no jogo e permitiu que os usuários (jogadores) interagissem por meio de seus avatares. A Epic Games tem vários planos com o metaverso e o próprio CEO da empresa, Tim Sweeney, já declarou que esta é uma indústria de vários trilhões de dólares.

Quais os tokens do metaverso?

Com o avanço dos rumores acerca do metaverso, diversos tokens e criptomoedas “ligados” ao metaverso surgiram em pouco tempo. No entanto, já existiam alguns tokens com a proposta de um mundo virtual.

Destacando os principais:

  • Decentraland (MANA): o Decentraland é um espaço virtual, onde é possível utilizar o token nativo (MANA) para criar, comprar e vender terrenos virtuais, além de comercializar artigos digitais. Em novembro, foi feita a venda mais cara de um terreno virtual do Decentraland, que custou 2, 4 milhões de dólares.
  • The Sandbox (SAND): o The Sandbox é outro universo virtual que utiliza o token nativo (SAND) para negociar itens na plataforma. Dentro dele é possível criar espaços virtuais e interagir com outros personagens. Em novembro a Adidas anunciou que criará um espaço virtual na Sandbox, o adiVerse. Além disso, em dezembro um usuário pagou o equivalnte a 2, 5 milhões de reais para construir um terreno ao lado do de Snoop Dogg no Sandbox. Veja como comprar SAND.
  • Gala (GALA): A Gala é uma moeda plataforma blockchain desenvolvida pela Gala Games, que visa expandir o conceito dos jogos play-to-earn e paga os usuários com o token nativo (GALA). A empresa quer expandir os jogos no metaverso e o token chegou a valorizar 48.000% em apenas três meses.

Vale a pena investir no metaverso?

É inevitável que as moedas provenientes do metaverso apresentem lucros interessantes para os usuários no curto e médio prazo. Em novembro, os tokens acima tiveram uma valorização de 200% no mercado de criptomoedas.

No entanto, as projeções acerca do metaverso ainda são incertas e é necessário cautela ao investir. Embora o movimento tenha sido positivo, no começo de dezembro vários tokens do metaverso despencaram fortemente, isso se deve por esses ativos serem apostas extremamente especulativas.

Além disso, uma pesquisa realizada pelo IntoTheBlock demonstrou que 32% dos compradores da Decentraland (MANA) investiram no token nos últimos 30 dias.

Portanto, é preciso analisar bem ao investir em um token do metaverso. Porém, outra alternativa de investir no metaverso é comprando ações das big techs, empresas de tecnologia que estão de olho no desenvolvimento deste novo mundo digital, como a Meta, Microsoft, Google, Apple e Nvidia.

O bitcoin pode fazer parte do metaverso?

O bitcoin, bem como qualquer outro ativo do mundo digital, pode ter espaço no metaverso futuramente. No entanto, as soluções atuais que o bitcoin busca desenvolver e melhorar estão atreladas a experiência do usuário, como escalabilidade.

Promover o uso de espaços virtuais, protocolos De-Fi e NFTs de forma escalável é essencial para que uma criptoeconomia funcione no metaverso. O bitcoin desenvolve essas soluções de maneira mais lenta e em camadas diferentes. NFTs, contratos inteligentes e De-Fi podem ser feitos no bitcoin via chains (camadas) secundárias.

O universo de dApps (aplicativos descentralizados) com bitcoin faz parte do futuro do Bit-Fi, e isso com certeza poderá envolver o metaverso baseado em uma economia de moeda forte, como o bitcoin.

Hoje os jogos play-to-earn com bitcoin, como CS:GO com o Zebedee Infuse, tem o potencial de alavancar o futuro da interoperabilidade de jogos que possuem a mesma moeda nativa, e isso é uma porta de entrada para a construção de um metaverso com bitcoin.

Certamente é incerto esperar que o bitcoin desenvolva essas características tão rapidamente, devido ao caráter conservador da rede (isso que a faz ser tão superior), bem como é impossível prever que os tokens que sustentam universos tão lúdicos permançam firmes por muito tempo.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Eduarda Lobato
Entusiasta de Bitcoin, Blockchain e outras tecnologias relacionadas ao mundo cripto.

Últimas notícias