“LUNA era ruim, não um golpe”, diz bilionário das criptomoedas

Após o fim de criptomoeda, mercado tenta entender o que aconteceu.

Sam Bankman-Fried, bilionário das criptomoedas e CEO da FTX
Sam Bankman-Fried, bilionário das criptomoedas e CEO da FTX. Twitter.

Um empresário bilionário das criptomoedas disse que não acredita que a Terra (LUNA) era um golpe, ainda que fosse um projeto ruim. Na última semana, o preço dessa moeda derreteu no mercado e seu colapso levou pânico a investidores.

Na última semana de maio, o mercado de criptomoedas viu um colapso rápido de uma criptomoeda que alcançou grandes posições de market cap. Além disso, o projeto prometia ser inovador como uma stablecoin algorítmica, ligada ao valor do Dólar.

Contudo, com a derrocada desse ecossistema, muitos agora querem dar suas opiniões sobre o que realmente aconteceu, ao que parece, de um projeto que tinha tudo para dar errado e que todos sabiam, ou pelo menos deveriam saber.

“LUNA era ruim, não um golpe”, diz bilionário das criptomoedas

Em uma carta aberta ao mercado pelo seu Twitter, o bilionário das criptomoedas e CEO da corretora FTX, Sam Bankman-Fried (SBF) disse haver formas diferentes de um projeto ser ruim, não sendo todos iguais.

Isso porque, muitos compararam o fim da LUNA com a empresa startup dos EUA Theranos, cuja fundadora era Elizabeth Holmes. Ela divulgava seu negócio como de alta tecnologia e chegou a ser comparada com Steve Jobs, mas depois acabou condenada por mentir aos investidores.

Assim, o CEO da FTX acredita que a LUNA difere da Theranos, visto que essa stablecoin era transparente, inclusive sendo claro em seu algoritmo que um dia falharia.

“O mecanismo LUNA/UST não foi deturpado – foi, de fato, muito transparente. E, eu acho que estava indo transparentemente falhar em algum momento.”

Assim, SBF disse que em sua opinião a LUNA não era um golpe, apenas sendo uma moeda ruim com um mecanismo que não suportava o que prometia. Segundo ele, o mercado tem sido contaminado com moedas memes e isso leva muito entusiasmo de massa a qualquer coisa que seja apresentada.

Ele é um dos que não acredita que a LUNA seja um ponzi, lembrando que muitos investidores registram prejuízos acima de 50% desde o início do ano em vários ativos, como em ações da Netflix, AMC e no ETF ARKK, por exemplo. Ou seja, esses são investimentos ruins segundo SBF, mas não quer dizer que sejam esquemas fraudulentos.

Economista e trader pede que corretoras tenham mais consciência sobre o que listam em seus mercados

Enquanto uns defendem que a LUNA não era um golpe, apenas sendo um projeto ruim, outros acreditam que essa moeda não deveria ser listada em corretoras sérias. Um deles é Alex Krüger, economista e trader de criptomoedas que fez um desabafo sobre a situação.

Segundo ele, o colapso da LUNA e UST é o pior de toda a história das criptomoedas, principalmente pela rápida destruição de riqueza. Dessa forma, ele disse que as corretoras devem parar de listar esquemas ponzi apenas porque alguns querem isso, devendo o mercado amadurecer.

“É hora de parar de promover ativos do tipo ponzi como “blue chips”. Chega de divulgar projetos ruins só porque você a detém. Chega de marketing enganoso (defi 2.0 e 3,3 qualquer um). Não mais corretoras listando ponzis apenas porque altos volumes geram taxas. Chega de normalizar fundadores instáveis.”

Apesar das opiniões controversas sobre a LUNA ser um golpe ou não, fato é que a moeda não era segura como afirmava, visto sua queda rápida e dificuldade de recuperação.

De qualquer forma, o fundador Do Kwon divulgou que está analisando planos para reviver o projeto com sua comunidade, ainda que nada tenha sido apresentado ainda.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

Últimas notícias