Membro da Unick movimentou R$1 bi na Urpay e sumiu com dinheiro

Siga no

Paulo Sérgio Kroeff, membro da Unick Forex preso na Operação Lamanai, teria movimentado R$ 1 bilhão da Golden Stripe Corp (detentora da marca Unick) na plataforma de pagamentos Urpay. O dinheiro, no entanto, sumiu e ninguém sabe o paradeiro do recurso.

A informação consta em decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região que nega um pedido de revogação de prisão preventiva feito pela defesa de Kroeff, que está detido em Porto Alegre ao lado de outros integrantes do esquema.

“Ademais, nos Embargos do Acusado (…), a Urpay Tecnologia em Participações Ltda. afirmou ter identificado, em sua plataforma de contas digitais, que a Gonden Stripe Corp movimentou mais de 1 bilhão de reais na conta de sua titularidade. Ainda segundo a Urpay Tecnologia em Participações Ltda., na data da ordem judicial de bloqueio, o saldo dessa conta digital era de apenas R$ 3.948.509,38. Ou seja, não se sabe o paradeiro dos recursos debitados”, diz trecho da decisão do desembargador Leandro Paulsen.

Vale reforçar que Kroeff, segundo a investigação da Polícia Federal, era o responsável pela aquisição, constituição e nacionalização de empresas da Unick Forex, inclusive no exterior. Era ele que ficava à frente da Golden Stripe Corp e de outras empresas do grupo com sede no exterior.

A reportagem do Livecoins ligou para a defesa de Kroeff, mas ninguém atendeu.

Manter conta na Urpay revela interesse de movimentar dinheiro de forma clandestina, fala desembargador

Na decisão, o magistrado falou que chama especial atenção o fato de a Golden Stripe Corp manter conta digital na Urpay, “empresa que se diz instituição de pagamento e que, segundo se extrai do site do Banco Central do Brasil, não consta dentre as instituições autorizadas a funcionar”, disse ele.

“Isso revela não apenas o intento deliberado do investigado, representante da Golden Stripe Corp, de movimentar recursos no Brasil de forma clandestina, longe do alcance das autoridades nacionais, como sugere a alta probabilidade de que existem outros ativos de origem duvidosa igualmente ocultados dos órgãos de persecução.”

Desembargador diz que Kroeff poderia prejudicar as investigações

No pedido de revogação da prisão, a defesa alegou que Kroeff estaria cooperando com as investigações e cumprindo as medidas impostas pela Justiça. Além disso, informou que ele seria réu primário e que não há elementos que atestem a necessidade de ele ficar na cadeia.

O desembargador Leandro Paulsen não acatou o pedido da defesa. Segundo ele, a prisão preventiva do membro da Unick seria necessária para garantir a ordem pública, “considerando os veementes indicativos da participação do acusado nas práticas de lavagem de capitais e evasão de divisas pelo grupo criminoso”.

Além disso, o desembargador disse que há risco concreto de que Kroeff possa ocultar patrimônio, prejudicando o ressarcimento dos danos causados aos investidores, ou mesmo sair do país, visto que já residiu nos Estados Unidos e tem imóvel no país.

Por fim, falou o magistrado, a prisão é necessária para evitar que Kroeff “pratique atos tendentes a prejudicar a conclusão das investigações, tais como destruição de provas e constrangimento a testemunhas, considerando sua estreita vinculação com as empresas GOLDEN STRIPE e ILAND EXPERIENCE, sediadas no exterior e reconhecidamente utilizadas pelo grupo crimonoso”.

Kroeff é figura central no esquema, alega magistrado

Na decisão, o desembargador também reforçou a importância de se manter Kroeff preso por causa de sua participação “central” no esquema.

“(…) percebe-se que a prisão preventiva do paciente foi decretada pela imprescindibilidade de sua segregação, considerando que PAULO SÉRGIO é apontado como figura central da organização criminosa, responsável por promover e estruturar toda a cadeira de empresas, nacionais e estrangeiras, a fim de possibilitar o desenvolvimento do amplo e complexo esquema criminoso, no bojo do qual a possível organização criminosa que cometeu diversos delitos contra o sistema financeiro nacional, além de fraudes, ocultação de patrimônio e a negociação de valores em desconformidade com os regulamentos do mercado financeiro, lavagem de dinheiro e evasão de divisas, em operações que se caracterizam como pirâmide financeira (…) Isso posto, indefiro liminarmente o presente habeas corpus, forte no artigo 148 do Regimento Interno deste Tribunal”.

Saiba tudo sobre:
Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Lucas Gabriel Marins
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).
Banco Tangerine do Canadá

Banco toma dinheiro da conta poupança de cliente que caiu em golpe

Um homem caiu em um golpe de falso emprego e perdeu $ 3.000, os falsos empregadores deram ele um cheque e pediram que ele...
Mann é conhecido na comunidade como "Chewbacca".

“Estamos presenciando a última vez que pessoas ficarão ricas com Bitcoin no Brasil”, diz...

Com a recente alta do Bitcoin e um importante desenvolvimento nos fundamentos da criptomoeda, muitos apostam que estamos apenas no começo da valorização da...
Placa de clientes pede que GenBit devolva dinheiro sócio

Sócio da GENBIT desaparece e não é encontrado pela justiça

Um sócio da GENBIT desapareceu e não foi encontrado pela justiça brasileira. Agora, ele terá alguns dias para se apresentar. A empresa é acusada...

Últimas notícias

“Estamos presenciando a última vez que pessoas ficarão ricas com Bitcoin no Brasil”, diz especialista

Com a recente alta do Bitcoin e um importante desenvolvimento nos fundamentos da criptomoeda, muitos apostam que estamos apenas no começo da valorização da...

Sócio da GENBIT desaparece e não é encontrado pela justiça

Um sócio da GENBIT desapareceu e não foi encontrado pela justiça brasileira. Agora, ele terá alguns dias para se apresentar. A empresa é acusada...

JPMorgan admite que estava errado sobre Bitcoin (de novo) e prevê preço em $ 140 mil

O maior banco dos EUA, JPMorgan, o mesmo que chamou o Bitcoin de fraude há alguns anos, admitiu que a moeda digital "continua" a...