O tamanho do prejuízo que o Pix pode causar aos bancos

Os lucros bilionários dos bancos podem diminuir consideravelmente

Siga no
Sistema PIX do Banco Central do Brasil
Sistema PIX do Banco Central do Brasil - Reprodução

O Pix é uma importante novidade para o setor financeiro do Brasil, garantindo uma nova maneira de transacionar valores de forma rápida e por muito menos. Mas o que isso quer dizer para os Bancos e instituições financeiras que lucram justamente com taxas em cima dessas operações?

De acordo com estimativa de Morgan Stanley, durante 2019 os bancos brasileiros tiveram lucro  de mais de R$ 2,2 bilhões com taxas em transferências por TED e DOC, mais de R$ 5 bilhões através da emissão de boletos e quase R$ 35 milhões nas taxas de manutenção de conta corrente.

O Pix tem como principal objetivo trazer muito mais facilidade nas transações financeiras de diferentes tipos. Curiosamente, os seus fundamentos se assemelham ao do Bitcoin e de outras criptomoedas.

Ao tirar o intermédio dos bancos, os lucros bilionários de anos passados podem diminuir consideravelmente.

Claro, essa não é uma movimentação causada apenas pelo Pix, existe um avanço tecnológico no sistema financeiro que vem ficando cada vez mais comum na última década. E isso não é apenas em relação às criptomoedas, mas os bancos não tradicionais, como o NuBank, por exemplo, já estão mudando o paradigma financeiro geral.

Considerando o grande interesse das empresas no lançamento do Pix, podemos esperar uma grande migração para um novo tipo de pagamentos. Afinal, quando há a oportunidade, o usuário sempre optará por pagar menos e ter mais eficiência.

Bancos e empresas precisarão sair da zona de conforto e se adaptar ao Pix

Os aplicativos de Internet Bankin e no App para celulares já são uma realidade muito comum para os muitos clientes dessas instituições. Até mesmo a possibilidade de realizar o saque digital já se tornou algo completamente comum para o dia a dia de muitos, sem contar as transferências facilitadas.

O diretor do TecBan, empresa responsável pelos caixas do Banco24Horas disse que a concorrência que o Pix vai trazer será boa para o mercado, já que traz mais competição e a necessidade de sair da zona de conforto.

“Sim, o mundo vai se transformando, nós temos o desafio de evoluir e aproveitar as oportunidades que o mercado tem para uma empresa com as nossas características.”

Para complementar, Stefani informou que não está “com medo” do que o Pix vai causar no sistema financeiro tradicional, afirmando que o novo sistema servirá como um complemento para o que já está firmado no mercado.

“Nos países onde esse modelo mais vingou, ele representa 6% do volume de saques.”

O Pix pode substituir os bancos e afetar consideravelmente o setor?

Bom, o Pix vai trazer muitas vantagens para pessoas físicas e jurídicas que precisam transferir valores. No entanto, acreditar que ele será capaz de canibalizar o sistema de transferências tradicional.

Primeiro precisamos destacar que o dinheiro físico ainda é muito importante para o mercado brasileiro e por isso o sistema digital ainda vai levar muito tempo para conseguir avançar por todo o território nacional.

Isso garante que teremos, ao menos o sistema digital e físico, funcionando lado a lado por mais alguns anos.

Outro fator importante é que para poder usar o Pix, tanto o recebedor quanto o pagador deverão ter uma conta ativa em algum banco, instituição financeira ou fintech, além do aplicativo do prestador instalado no aparelho. Lembrando da estimativa lá no começo do artigo, a maior parte dos lucros dos bancos vem da administração de contas correntes.

Sendo assim, o Pix provavelmente vai se mostrar uma importante ferramenta bancária. Mesmo afetando as transferências com DOC e TED, boa parte do status quo ainda se mantem como está atualmente.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Matheus Henrique
Matheus Henrique
Fã do Bitcoin e defensor de um futuro descentralizado. Cursou Ciência da Computação, formado em Técnico de Computação e nunca deixou de acompanhar as novas tecnologias disponíveis no mercado. Interessado no Bitcoin, na blockchain e nos avanços da descentralização e seus casos de uso.
Ethereum no pano

Ethereum ultrapassa Netflix, Coca-Cola e L’Oreal em valor de mercado

Na manhã deste sábado (10), o Ethereum, segunda maior criptomoeda do mundo em termos de capitalização de mercado, estabeleceu um novo recorde de preço,...
Bandeira da Rússia amassada

Banco central russo deve lançar moeda digital em 2023

Funcionários do Banco Central da Rússia revelaram que estão trabalhando no desenvolvimento do Rublo digital, a moeda digital do país que deve ser lançada...

As falácias do consumo de energia do Bitcoin

O tópico mais recente na indústria de criptomoedas é o consumo de energia de prova de trabalho (Proof-of-work ou PoW) do Bitcoin e se...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias