Para pesquisador da USP, regulamentação excessiva pode prejudicar mercado de criptomoedas

Outra sugestão do pesquisador é que a regulamentação tenha um olhar para a proteção de dados pessoais.

Siga no
Audiência pública sobre a regulação de moedas digitais

A regulamentação excessiva pode ser prejudicial à inovação no mercado de criptoativos não regulados, como bitcoins, litecoins e stablecoins, segundo Daniel Steinberg, pesquisador da USP (Universidade de São Paulo).

A afirmação foi feita na quarta-feira (23), na Câmara dos Deputados, durante a audiência pública que discute a regulamentação das moedas virtuais. Outros pesquisadores da área também participaram do encontro.

“É um pouco cedo para impor uma regulação rígida a um mercado que ainda está nascendo e é embrionário”, disse o pesquisador.

Propostas para a regulamentação do mercado de moedas digitais

Steinberg deu três sugestões para a regulamentação do mercado de moedas digitais, baseadas em pesquisas feitas pela equipe do grupo Direito, Moeda e Finanças da USP, do qual ele faz parte ao lado de outros pesquisadores.

A primeira é a criação de um comitê de inovação financeira, que seria responsável pelo monitoramento das exchanges do país. Esse órgão, com duração de dois anos, seria formado por membros fixos e rotativos. Ele citou que o Reino Unido tem um grupo semelhante.

Outra sugestão do pesquisador é que a regulamentação tenha um olhar para a proteção de dados pessoais. Isso porque, segundo ele, não há garantias de que o blockchain e a tecnologia descentralizada consigam realmente manter seguras as informações dos usuários.

“Há uma preocupação sobre o que pode ser feito com os dados pessoais dos investidores e pessoas que operam e compram com criptoativos. Acho que, na formulação de uma regulamentação, essa é uma questão que precisa de mais reflexão”, falou.

Ele também sugeriu que a regulação da área também precisa se preocupar com aspectos societários das exchanges. A ideia dessa proposta, disse, é tirar um pouco da rigidez que pode pairar sobre esses atores.

Por último, Steinberg disse que seria preciso discutir as regras penais da Lei nº 9.613, que discorre sobre a lavagem de dinheiro. Segundo ele, o ideal seria colocar as exchanges como pessoas obrigadas a identificar clientes e a manter registros sempre atualizados para qualquer pedido de informação de autoridades públicas, conforme ocorre em outros países.

Participaram da audiência Bruno Balduccini, advogado do escritório Pinheiro Neto Advogado; Marcelo de Castro Cunha Filho, mestre em direito e inovação que também faz parte do grupo da USP que discute moedas digitais; Ricardo Fernandes Paixão, head de inovação da Câmara dos Deputados; e Tiago Reis, especialista dono mercado financeiro.

Veja a audiência pública sobre regulação de moedas digitais de 23 de outubro!

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).

Twitter coloca bandeira da Etiópia na hashtag #ETH, Jack Dorsey está tirando sarro do...

Jack Dorsey, o CEO do Twitter é um grande apoiador do Bitcoin, mas ele não parece apoiar tanto assim outras conhecidas altcoins, como o...
Bandeira do Brasil, martelo da justiça e Bitcoin pede

Ex-funcionário pede que justiça procure bitcoins de empresa onde trabalhou

A sexta Câmara do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-15), em Campinas, julgou um caso nos últimos dias em que um ex-funcionário pede que bitcoins...
Rapper lança música com Bitcoin escondida em clipe

Rapper lança clipe com R$ 125 mil em Bitcoin escondidos

Um rapper lançou nesta sexta-feira (23) um clipe musical com 0,75 bitcoins escondidos (cerca de R$ 125 mil). As moedas podem ser resgatadas por...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias