R$ 10 bilhões em bitcoins ‘adormecidos’ são movidos após uma década

A movimentação dos bitcoins dormentes foi analisada pela Arkhan Intelligence, uma famosa empresa de análise de dados. Os ativos foram adquiridos há mais de uma década e são equivalentes a R$ 10 bilhões.

Cerca de 50 mil bitcoins, equivalentes a R$ 10 bilhões, foram movidos nesta terça-feira (16) em cinco transações. A quantia acumulada em 2013 estava parada há anos, tendo sido movida pela última vez em 2019.

Ao que tudo indica, o interesse na movimentação pode estar ligado a aprovação dos ETFs de Bitcoin à vista nos EUA. Aprovados na última quarta-feira (10), esses produtos pretendem facilitar investimentos em Bitcoin, o que poderá causar um choque de demanda no mercado, levando ao aumento de preço.

Outra movimentação que chamou a atenção nesta semana aconteceu nas carteiras da Grayscale. Responsável pelo GBTC, que foi convertido em ETF, o fundo detém mais de 600.000 bitcoins (aproximadamente R$ 12,6 bilhões), mas cerca de 13.000 bitcoins saíram do fundo nesta terça-feira (16).

Baleia movimenta 50.000 bitcoins adormecidos

A movimentação dos bitcoins dormentes foi analisada pela Arkhan Intelligence, uma famosa empresa de análise de dados. Os ativos foram adquiridos há mais de uma década e são equivalentes a R$ 10 bilhões.

“US$ 2 bilhões (R$ 10 bilhões) em Bitcoins inativos foram movimentados pouco antes da abertura do mercado dos EUA hoje, em vários endereços vinculados”, escreveu a Arkham. “Os BTC foram movidos uma vez em 2019 e antes disso estava inativo desde 2013.”

“Historicamente, todos esses bitcoins foram movidos nos mesmos horários e datas”, continuou a empresa de análise, notando que as moedas pertencem, ou são administradas, por uma única pessoa ou entidade.

“Eles foram consolidados hoje, de 49 endereços para 5 novos endereços, cada um deles detém entre 8 mil e 12 mil BTC (US$ 380 milhões a US$ 480 milhões por endereço) agora.”

Dado que os 50.000 bitcoins foram movidos para novas carteiras, sem nenhuma relação aparente com uma corretora, é possível que seu dono ainda não tenha intenção de vendê-los.

Grayscale vê saída de 30.000 bitcoins (R$ 6,3 bilhões) de seu fundo

Enquanto as transações acima permanecem anônimas, outra movimentação bilionária de bitcoins possui ligação com a Grayscale. Também nesta terça-feira (16), a gestora do ETF chamado GBTC viu cerca de 11.200 bitcoins saírem de seu fundo. A quantia é equivalente a R$ 2,5 bilhões.

A movimentação também foi registrada pela Arkham, que monitora as carteiras da Grayscale. Mais tarde, o site da gestora foi atualizado, mostrando a saída dos bitcoins de seu ETF, apontando para uma diferença de ~11.200 bitcoins.

Carteiras da Grayscale tiveram saída de ~11.200 bitcoins nesta terça-feira (16). Fonte: Arkham Intelligence.
Carteiras da Grayscale tiveram saída de ~11.200 bitcoins nesta terça-feira (16). Fonte: Arkham Intelligence.
Alteração no site da Grayscale aponta que fundo teve saída de ~11.200 bitcoins nesta terça-feira (16). Fonte: Grayscale.
Alteração no site da Grayscale aponta que fundo teve saída de ~11.200 bitcoins nesta terça-feira (16). Fonte: Grayscale.

Já nesta quarta-feira (17), as carteiras da Grayscale tiveram mais movimentações. Desta vez, cerca de 19.000 bitcoins (R$ 4 bilhões) foram enviados para novos endereços, sugerindo que o fundo está encolhendo.

Por fim, é possível que os clientes da Grayscale estejam movendo seus bitcoins para outros fundos, já que as taxas do ETF GBTC são as mais caras do mercado (1,5% ao ano). Em comparação, os ETFs da BlackRock e da Bitwise possuem taxas de 0,25% e 0,2%, respectivamente.

Outra presunção seria a simples venda desses bitcoins. No entanto, conforme o Bitcoin continua firme nos US$ 42.500, é difícil imaginar que a venda desses bilhões não teria impacto no mercado.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na maior corretora de criptomoedas do mundo e ganhe até 100 USDT em cashback. Acesse Binance.com

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Henrique HK
Henrique HKhttps://github.com/sabotag3x
Formado em desenvolvimento web há mais de 20 anos, Henrique Kalashnikov encontrou-se com o Bitcoin em 2016 e desde então está desvendando seus pormenores. Tradutor de mais de 100 documentos sobre criptomoedas alternativas, também já teve uma pequena fazenda de mineração com mais de 50 placas de vídeo. Atualmente segue acompanhando as tendências do setor, usando seu conhecimento para entregar bons conteúdos aos leitores do Livecoins.

Últimas notícias