Grupos de radioamadores dão chilique após brasileiros enviarem Bitcoin à lua

Após a matéria "Brasileiros enviam Bitcoin à lua na frente de Elon Musk" ser publicada pelo Livecoins, grupo de radioamadores brasileiros passaram a fazer críticas públicas.

Siga no
chilique
chilique

Após o envio de uma transação experimental de Bitcoin à lua, alguns radioamadores contestaram o feito, uns alegando a capacidade técnica para o ato, outros alegando a incapacidade legal.

De fato, o feito que parece ser tão absurdo assim, tem base amparada por outros, apesar de poucos, radioamadores que lograram êxito com baixa potência e antenas mais simples, conforme nossa redação pode averiguar em vídeos (1 e 2) e documentos científicos de experimentos similares (aqui e aqui).

Entre as discussões mais acirradas estavam: suposição de uso pecuniário do rádio, habilitação para operar nas faixas do radioamador e levantamentos de ordem técnica.

Cabe a pergunta, se houve o experimento, a discussão se teve fim pecuniário ou não, foi exaurida no debate sobre o que é um arquivo PSBT.

O arquivo enviado não é o Bitcoin, portanto não foi enviado dinheiro, até porque nem o Banco Central reconhece Bitcoin como moeda, apenas para fins de tributação. E se não houve o experimento, como alguns radioamadores afirmam em estudos técnicos, nenhuma questão legal entraria em pauta.

A matéria “Brasileiros enviam Bitcoin à lua na frente de Elon Musk” foi publicada em primeira mão pelo Livecoins, demonstrando como uma transação usou a técnica EME (Earth-Moon-Earth). Ao ver a publicação, alguns grupos de radioamadores contestaram as técnicas empregadas no experimento.

Problema das críticas é antigo na comunidade de radioamadores brasileira: democratização do rádio

O uso dos rádios ganharam ampla adoção após o final da Primeira Guerra Mundial, visto haver um excesso de equipamentos adquirido para fins militares, mas que passaram a tocar músicas.

No Brasil, em 1922, na comemoração do centenário da Independência Brasileira, o Presidente Epitácio Pessoa transmitiu um discurso nacional, diretamente do Rio de Janeiro.

O que pode parecer uma simples briga de egos nas associações e minúcias técnicas de radioamadores, traz a tona um problema antigo no radioamadorismo: a democratização do rádio.

De um lado a Anatel promovendo ações para popularizar o acesso à ferramenta, do outro as organizações civis de radioamadores coibindo a expansão das faixas à população.

Segundo Marcio Gandra, que conduziu os experimentos de Bitcoin na lua, há um debate acerca disso onde as opiniões parecem ser unânimes quanto a dificuldade que associações criam para que as pessoas possam utilizar dessa ferramenta de comunicação tão poderosa.

O entusiasta do Bitcoin, que é Classe C no radioamadorismo, citou que falta de democratização do radio vem desde sua gênese no Brasil. Ele lembrou que pelos idos de 1900, o rádio galena, famoso por funcionar sem energia elétrica, apenas com a energia eletromagnética da própria onda, chegou a inclusive ser proibido no país, sendo novamente liberado em 1934.

Márcio destacou que isso impediu que muitos projetos que poderiam ser utilizados como meio de educação e justiça social fossem adiante de maneira mais ampla, atingindo até mesmo aqueles sem condições de ter energia em casa, como era comum nos tempos do lampião de querosene, como a rádio fundada por Edgard Roquette Pinto e Henrique Morize, em 1923.

No entanto, o entusiasta que realizou o experimento inédito com Bitcoin no Brasil afirmou que a Anatel, Agencia Nacional de Telecomunicações, já caminha em sentido favorável a adoção pelas massas.

A faixa do radio PX, por exemplo, já foi incluída na dispensa de prova e demais exigências. Nos últimos dias, Márcio falou sobre os ataques que sofreu após a matéria inicial do Livecoins.

Como começaram as críticas? O que dizem alguns radioamadores?

Assim que a matéria veiculada apresentou os detalhes do uso de Bitcoin pelo radioamador, outros clubes e associações começaram a duvidar dos feitos do grupo.

Em uma publicação em um site de um dos grupos, por exemplo, atualizada no último sábado (12), o autor afirma que o envio de Bitcoin pela técnica emprega é falso. Após estudos, análises de alguns grupos de radioamadorismo brasileiro, o artigo contesta a veracidade das informações compartilhadas pelos entusiastas do Bitcoin no Brasil.

As contestações se baseiam na parte técnica empregada, e na legalidade, que poderia ter sido violada.

Para Márcio, como o Bitcoin não é reconhecido como moeda, um dos argumentos de críticas, deixa de se sustentar.

“Nós estamos no Bitcoin construindo um ecosistema, um dos mais fortes e libertários já construídos. Não estamos por hobby nem por diversão.”

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.

O Ethos de um Bitcoinheiro

Desde que eu caí na toca do coelho, algo sempre chamou a minha atenção: como os bitcoinheiros possuem um ethos próprio bastante particular. Primeiro,...
Moedas físicas de Bitcoin em várias cores

Fundo de Investimentos em Cingapura anuncia compra de Bitcoin “físico”

Um fundo de investimentos baseado em Cingapura anunciou uma nova compra de Bitcoin "físico", o que causou surpresa no mercado local. O setor financeiro tradicional...
Jogador do Flamengo Gabriel Barbosa

Token do Flamengo despenca após derrota para o Palmeiras na Libertadores

Nas últimas 24 horas, o fan token do Flamengo despencou mais de 27%, após o clube ser derrotado pelo Palmeiras na final da Copa...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias