Remessas feitas com criptomoedas aumenta nível nos EUA

-

Siga no
Anúncio

A remessa é o ato de enviar uma quantidade de dinheiro de um país para outro, sendo o método mais utilizado atualmente o de envio online, mas as criptomoedas podem estar chegando no espaço com força.

Nos EUA, o país com a maior economia do mundo, as remessas com criptomoedas já estão na casa de 15% de utilização pela população, e representa a quarta maior movimentação em remessas.

O Paypal e serviços semelhantes, porém, é ainda a forma mais utilizada pelos norte-americanos, com cerca de 51% de uso. No levantamento, 93.3% das pessoas que já movimentaram por esta modalidade é satisfeita com o serviço.

Anúncio

A segunda maior forma de realizar remessas, com cerca de 50.9% de utilização pelas pessoas, é utilizando serviços de empresas como Western Union ou Transferwise. Dos entrevistados, cerca de 84% dos utilizadores dos serviços são satisfeitos.

A Western Union está preparada para aceitar criptos, enquanto a Transferwise é cética em relação ao tema.

A terceira maior modalidade, e que surpreendentemente ainda ganha das criptomoedas, é a forma de remessas por bancos tradicionais. A modalidade é utilizada por cerca de 25% das pessoas, com cerca de 74% de satisfação dos usuários.

As remessas são realizadas por muitas vezes por imigrantes que precisam enviar dinheiro para sua família em seus países de origem, e o levantamento de dados apurou que o país que mais recebe remessas dos EUA é o México.

Fonte: https://www.clovr.com/page/sending-money-back-home

A pesquisa apontou que 76.8% das remessas enviadas dos EUA são para parentes, e 28.9% para amigos. Mais de 90% do que é enviado é para ajudar a comprar comida e itens básicos para casa.

O estudo foi conduzido pela empresa Clovr entrevistou cerca de 707 pessoas, com opiniões diversas sobre remessas, em diferentes serviços e de diferentes países.

Um fato que chama a atenção no estudo da Clovr é que muitas pessoas pagam altas taxas em suas remessas, e ao mesmo tempo, poucos conhecem as criptomoedas e blockchain para utilizar as mesmas como meio de transferência internacional.

A utilização de criptomoedas como meio de pagamento e como meio de remessas são dois grandes potenciais de uso da tecnologia, e serão em poucos anos uma tendência mundial, principalmente analisando pelo fato de na maior economia do mundo já ser a quarta forma mais comum de transferências.

No Brasil, não é crime enviar criptomoedas para fora do Brasil, podendo ser também utilizado no país essa opção.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Leia mais sobre:
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.
Cristo Redentor, símbolo no Brasil (Rio de Janeiro), e Bitcoin (BTC Blockchain)

Brasil desenvolve com blockchain uma identidade descentralizada

O Brasil caminha rumo às novas tecnologias e já desenvolve com uso da blockchain um novo projeto. Chamada de identidade descentralizada, a solução promete...
Ministério da Justiça - Palácio

Ministério da Justiça promove a blockchain no setor público

Na próxima segunda-feira (21), o Brasil acompanha um webinário importante sobre tecnologia. Promovido pelo Ministério da Justiça, a tecnologia blockchain aplicada ao setor público...
Carvão e tecnologia blockchain

Minas Gerais lança projeto blockchain para controle de carvão

O carvão é considerado um dos principais recursos naturais para obtenção de energia no mundo. Dessa forma, um dos estados que o produz no...

Últimas notícias

Pioneira, gestora carioca lança primeiro ETF de criptomoedas do mundo

A gestora Hashdex, sediada no Rio de Janeiro (RJ), informou nesta semana que recebeu aprovação para lançar o primeiro ETF (sigla para fundo negociado...

Trader veterano que viu queda no Brasil gosta do Bitcoin

Com o preço do Bitcoin operando abaixo de U$ 12 mil em setembro, a contrapartida foi o aumento da volatilidade no início do mês....

Itaú demite por justa causa funcionário que negociava Bitcoin no horário de expediente

O Itaú Unibanco demitiu por justa um analista de sistemas que, de acordo com a empresa, negociava Bitcoin e outras criptomoedas durante o horário...