Inicio Notícias Baidu não quer criptomoedas em sua plataforma

Baidu não quer criptomoedas em sua plataforma

-

Compartilhe
Baidu não quer criptomoedas em sua plataforma

A gigante chinesa da internet, a empresa Baidu, proibiu em suas plataforma discussões sobre criptomoedas.

No país o WeChat e também o AliPay, que é o maior e mais utilizado buscador, já haviam tomado tal decisão, e agora o Baidu segue os mesmos passos com a nova proibição no país.

O Facebook e Google já aviam anunciado tal proibição também em suas plataformas, sendo que na China essas plataformas são restritas aos usuários comuns.

De acordo com fontes próximas, o Baidu já começou a apagar os registros sobre criptomoedas na plataforma e também os canais de informação relacionados ao assunto.

A plataforma é bastante utilizada na China, sendo que muitos empresários fazem negócios através da mesma.

A empresa possui sede na capital Pequim e possui cerca de 40.000 funcionários, sendo uma das principais empresas de internet e inteligência artificial do mundo.

Atualmente a empresa é TOP 4 Alexa, que significa que é o 4º maior site do mundo todo, e só em 2017 movimentou cerca de R$ 51 bilhões de receita.

A China, país com a maior população do mundo, já em 2017 havia banido as exchanges e proibido a população de realizar trade de sua moeda com a maior parte das criptomoedas, mas a atividade de mineração ainda permanece funcionando no país, pelo menos até o momento.

A situação no país atualmente é de restrição, mas algumas criptomoedas ainda possuem ajuda do Governo como a Tron e também a NEO que foram desenvolvidas no local.

Bitcoin encontra barreiras no país

As autoridades chinesas vem desde o banimento realizado em 2017, realizando uma caça as bruxas com relação ao tema das criptomoedas.

Em abril de 2018 foi declarado pelo pelo Banco Popular da China que havia suprimido todos os negócios com criptomoedas, e também todos os ICOs que estavam a ocorrer no país.

Desde que o WeChat começou a restringir as operações de criptomoedas entretanto, que começou em 23 de agosto, que as operações ficaram mais complicadas para os usuários de criptomoedas no país. Isso foi realizado por conta da regulação do país.

Apesar dessas proibições, o estudo da Blockchain nas finanças do Banco de Desenvolvimento ainda estão funcionando, conforme acordo do BRICS fechado recentemente.

Um outro quesito que mostra que o país está em busca de soluções Blockchain, é que em Maio de 2018 realizou um estudo sobre 28 criptomoedas, contando com Ethereum, Bitcoin, Decred e outras mais.

O país é um dos que mais registra patentes sobre a tecnologia atualmente, mostrando que apesar de algumas posições está em busca de aprimorar seu conhecimento sobre a mesma.

O que você acha dessa atitude do Governo Chinês em relação às criptomoedas?

Curta nossa página no Facebook e também no Twitter para começar e terminar o dia bem informado. Cadastra-se também na Newsletter para receber em seu e-mail.
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertolucci
Entusiasta de criptomoedas, formado em Análise de Dados e BI. Busquei conhecimento em Análise Técnica e Mercado Financeiro, quando me deparei com o Bitcoin e daí em diante venho escrevendo sobre a criptoeconomia e Blockchain.

MAIS LIDOS

FMI: Criptomoedas estão “abalando” o sistema bancário

De acordo com Christine Legarde, diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), as criptomoedas estão "abalando o sistema" afirmando que as moedas digitais "devem ser monitoradas e reguladas para...

Fundador do Wikileaks foi preso na Embaixada do Equador

O mundo acompanha há sete anos a prisão do fundador da Wikileaks, Julian Assange. Este que sempre atuou em prol de um jornalismo livre,...

PewDiePie: um dos maiores Youtubers do mundo troca YouTube por plataforma Blockchain

PewDiePie, o polêmico astro mais bem pago do YouTube (R$ 51,3 milhões entre 2015 e 2016) - que havia sido alvo de uma petição para...
 
Compartilhe
close-link