Baidu não quer criptomoedas em sua plataforma

Siga no
Muralha da China e Bitcoin
Muralha da China e Bitcoin

A gigante chinesa da internet, a empresa Baidu, proibiu em suas plataforma discussões sobre criptomoedas.

No país o WeChat e também o AliPay, que é o maior e mais utilizado buscador, já haviam tomado tal decisão, e agora o Baidu segue os mesmos passos com a nova proibição no país.

O Facebook e Google já aviam anunciado tal proibição também em suas plataformas, sendo que na China essas plataformas são restritas aos usuários comuns.

De acordo com fontes próximas, o Baidu já começou a apagar os registros sobre criptomoedas na plataforma e também os canais de informação relacionados ao assunto.

A plataforma é bastante utilizada na China, sendo que muitos empresários fazem negócios através da mesma.

A empresa possui sede na capital Pequim e possui cerca de 40.000 funcionários, sendo uma das principais empresas de internet e inteligência artificial do mundo.

Atualmente a empresa é TOP 4 Alexa, que significa que é o 4º maior site do mundo todo, e só em 2017 movimentou cerca de R$ 51 bilhões de receita.

A China, país com a maior população do mundo, já em 2017 havia banido as exchanges e proibido a população de realizar trade de sua moeda com a maior parte das criptomoedas, mas a atividade de mineração ainda permanece funcionando no país, pelo menos até o momento.

A situação no país atualmente é de restrição, mas algumas criptomoedas ainda possuem ajuda do Governo como a Tron e também a NEO que foram desenvolvidas no local.

Bitcoin encontra barreiras no país

As autoridades chinesas vem desde o banimento realizado em 2017, realizando uma caça as bruxas com relação ao tema das criptomoedas.

Em abril de 2018 foi declarado pelo pelo Banco Popular da China que havia suprimido todos os negócios com criptomoedas, e também todos os ICOs que estavam a ocorrer no país.

Desde que o WeChat começou a restringir as operações de criptomoedas entretanto, que começou em 23 de agosto, que as operações ficaram mais complicadas para os usuários de criptomoedas no país. Isso foi realizado por conta da regulação do país.

Apesar dessas proibições, o estudo da Blockchain nas finanças do Banco de Desenvolvimento ainda estão funcionando, conforme acordo do BRICS fechado recentemente.

Um outro quesito que mostra que o país está em busca de soluções Blockchain, é que em Maio de 2018 realizou um estudo sobre 28 criptomoedas, contando com Ethereum, Bitcoin, Decred e outras mais.

O país é um dos que mais registra patentes sobre a tecnologia atualmente, mostrando que apesar de algumas posições está em busca de aprimorar seu conhecimento sobre a mesma.

O que você acha dessa atitude do Governo Chinês em relação às criptomoedas?

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Gustavo Bertolucci
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.
Departamento de Tesouro dos Estados Unidos

Departamento do Tesouro dos EUA quer ferramenta para rastrear Bitcoin

A agência dos Estados Unidos responsável pela implementação de sanções contra empresas, parte do Departamento do Tesouro, quer uma ferramenta capaz de rastrear o...
Polícia investiga negócio de criptomoedas no ES

Corretora cripto é alvo de operação policial por fraude bilionária

A polícia da Coreia do Sul realizou uma operação em diversos escritórios de uma corretora de criptomoedas após a empresa ter sido acusada de ser...
Criptomoeda Ethereum mãe do DeFi

Banco Central dos EUA elogia Ethereum e inovação com DeFi

O Banco Central dos Estados Unidos de St. Louis publicou um artigo elogiando as inovações da plataforma Ethereum. Ao criar aplicações bancárias com tokens,...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias