Leidimar Lopes pagou R$ 521 mil para retirar seu nome de lista de “golpistas” internacionais

Status de Leidimar Lopes dizia que ele não poderia atuar no mercado Forex

-

Siga no
Anúncio

O presidente da Unick Forex, Leidimar Lopes, queria expandir seu negócio para o resto do mundo. Até um grupo da Coreia do Sul ficou interessado na empresa, investigada por crimes contra o sistema financeiro.

Um dos empecilhos que o impedia de ganhar mercado internacional, no entanto, era a presença de seu nome na World-Chek, plataforma que reúne nomes de pessoas e empresas de alto risco.

Por isso, no final de 2018, Lopes decidiu contratar uma empresa de Miami (EUA) para remover o status de seu nome da plataforma, fundada em 2000 para reduzir a incidência de crimes financeiros no mundo.

Anúncio

Presidente da Unick pagou US$ 92 mil para empresa

De acordo com contrato que o portal Livecoins teve acesso, o presidente da Unick pagou US$ 92 mil (R$ 521 mil) para a empresa Bristol Business Management remover o status dele da World-Chek.

A Bristol Business Management, segundo a PF (Polícia Federal), é uma firma norte-americana especializada nas áreas de direito, contabilidade, obtenção de dupla cidadania, mercado financeiro e imóveis.

Veja contrato firmado entre a Unick Forex e a empresa norte-americana:

Status de Leidimar Lopes dizia que ele não poderia atuar no mercado Forex

Na plataforma World-Chek, Lopes estava classificado como pessoa não autorizada para operar no mercado Forex (foreing exchange), que era o carro-chefe da Unick Forex e de Lopes.

Segundo o contrato, a empresa norte-americana se comprometeu a fazer pesquisa, coleta e organização dos documentos necessários para retirar o status de Lopes da database. Além disso, contrataria o advogado que atuaria no caso.

Membros da Unick viviam em Miami

Lopes e os outros membros da suposta pirâmide financeira viviam em Miami, cidade na Flórida conhecida por suas belas praias. Por lá, a Unick Forex criou contas bancárias e fundou empresas para supostamente lavar dinheiro.

Uma dessas empresas era a Iland Experience LLC, dirigida pelo empresário Paulo Sérgio Kroeff.

Réu no processo que corre na Justiça para investigar a Unick Forex, Kroeff era o responsável pela aquisição e direção de empresas para a suposta organização criminosa.

Veja outras reportagens sobre a Unick na nossa série especial #UnickLeaks.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Lucas Marins
Lucas Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).

Leia mais

ONU (Nações Unidas, Blockchain e Bitcoin)

USP participou na ONU de Blockchain Central UNGA

O estado de São Paulo foi representado na 75.ª Assembleia Geral da ONU na última semana, e com a participação da USP em um...
Hacker. Imagem: Cortesia Pixabay

Corretora de criptomoedas perde R$ 1 bilhão após ser hackeada

A KuCoin, uma das maiores corretoras de criptomoedas do mundo perdeu US $ 200 milhões (R$ 1.1 bi) após ser hackeada. O ataque aconteceu...

Grande banco dos EUA é acusado de participação em golpe com criptomoedas

O esquema de pirâmide OneCoin foi o maior esquema ponzi recente, sumindo com bilhões de clientes, levando a prisões e até mesmo a uma...

Últimas notícias

Corretora de criptomoedas perde R$ 1 bilhão após ser hackeada

A KuCoin, uma das maiores corretoras de criptomoedas do mundo perdeu US $ 200 milhões (R$ 1.1 bi) após ser hackeada. O ataque aconteceu...

Grande banco dos EUA é acusado de participação em golpe com criptomoedas

O esquema de pirâmide OneCoin foi o maior esquema ponzi recente, sumindo com bilhões de clientes, levando a prisões e até mesmo a uma...

Primeira exchange a listar a brasileira Hathor HTR

A tecnologia brasileira da blockchain Hathor vem chamando cada vez mais atenção da comunidade global e já entrou nos Estados Unidos e na Ásia,...