“Criptomoeda do Facebook é um lobo em pele de cordeiro”, diz ministro alemão

Não ficou claro se este lobo pode ser transformado em uma ovelha ou se ele é na verdade nosso cachorro.

Siga no

O Ministro das Finanças alemão afirmou em termos muito claros que a Diem, anteriormente conhecida como Libra, não será permitida no país.

“Um lobo em pele de cordeiro continua sendo um lobo. A Alemanha e a Europa não podem e não aceitarão a entrada da Diem, desde que os riscos não sejam tratados”, disse Olaf Scholz.

O Facebook espera lançar sua moeda digital no início do próximo ano, isso, após uma reformulação da marca com a carteira conectada ao sistema agora chamado de Novi.

A mudança de marca é aparentemente uma tentativa de distanciá-la do Facebook, com a moeda estável agora atrelada apenas ao dólar, em vez de uma cesta de moedas.

O projeto, no entanto, tem enfrentado uma reação política intensa, sem que seja claro se ela se espalhará para as stablecoins e para o mercado de criptomoedas.

O ministro alemão, que está concorrendo para se tornar o chanceler da Alemanha, disse:

“Temos que fazer todo o possível para manter o monopólio da moeda nas mãos dos estados.”

Atualmente, não é bem o estado que detém esse monopólio, mas sim bancos centrais independentes e bancos comerciais privados.

Eles controlam a emissão e a contração de dinheiro, mas o chefe do Banco Central é nomeado pelo eleito, dando a este último algum controle absoluto sobre o dinheiro.

Com algo como um dólar do Facebook, a emissão e a contração da moeda ainda estariam nas mãos do FED, mas sua circulação em formato digital não se limitaria aos bancos comerciais.

Isso se o “FUSD” for totalmente garantido e não operar com reservas fracionárias, com o Facebook se tornando um custodiante que, no futuro, também pode fornecer outros serviços financeiros.

Algo assim, embora sem blockchain, está em execução na China há anos com WeChat pay e Alipay. O WeChat também tem sua própria rede social, que inclui movimentos monetários responsáveis ​​por metade de todas as circulações de yuans no país.

É um sistema com paredes e permissões, porém está ligado até certo ponto aos bancos comerciais, tornando-o mais parecido com uma conta bancária e muito diferente do bitcoin, que pode se mover pelo mundo sem permissão.

O Facebook provavelmente está tentando fazer algo como o WeChat Pay, mas com blockchain, mas a natureza do acesso a ele não está 100% clara, pois pode ser limitado apenas à carteira Novi.

Ainda assim, pode haver benefícios para essa moeda controlada, especialmente para o dólar, que pode se tornar uma moeda global no aplicativo do Facebook e no comércio em geral.

Isso poderia representar uma ameaça para as moedas mais fracas e, potencialmente, até mesmo enfraquecer o euro, talvez por isso, inicialmente, eles optaram por uma cesta de moedas.

Também pode consolidar seu poder semimonopolista, que pode prejudicar a inovação, pois o Facebook engole tudo que está em seu caminho.

CrowdTangle é um bom exemplo. Esta ótima ferramenta para editores foi comprada pelo Facebook, que agora requer incorporação e identificação para ser um parceiro de notícias no Facebook.

De muitas maneiras, isso ameaça o jornalismo de um tipo adequado, pois a liberdade de publicar pseudo-anonimamente ou sob um pseudônimo tem uma longa tradição que geralmente serviu muito bem a nossa sociedade.

É o Google e o Facebook que agora decidem essas liberdades até certo ponto com sua classificação geral ou diretrizes de inclusão que muitas vezes não se importam muito com certos princípios consagrados na primeira emenda, mesmo quando se trata de pequenos e médios editores.

Essa é apenas uma das muitas reclamações que surgem principalmente devido à sua natureza monopolística, pois do contrário haveria concorrência e a pessoa seria livre para escolher, mas eles consumiram muito de sua concorrência comprando-a, mesmo que seja secundariamente relacionada a sua o negócio.

Não está muito claro por que eles não tentariam o mesmo no mercado de criptomodes, especialmente depois que a SEC congelou a criptomoeda o Telegram, deixando o Facebook e, muito provavelmente, o Google com um mercado livre para explorar.

Isso não é novo. “A IBM quer tudo”, disse Steve Jobs em 1984. Essa luta contundente deixou a IBM com um nome indescritível até que se reinventou mais recentemente, enquanto a Apple teve que esperar até 2009 antes de voltar com força com o lançamento do iPhone.

A Microsoft ficou livre para se concentrar na expansão e, portanto, venceu até que foi desmembrada nos anos 90.

Não se sabe como essa história teria acontecido se os políticos intervieram. Especialmente se para restringir a IBM, eles escreveram “leis de igualdade” que se aplicavam às então startups da Apple e da Microsoft e muitas outras que não o fizeram.

Essa história sugere que nesse espaço provavelmente podem competir para vencer o Facebook e o Google, mas há o perigo de os legisladores aprovarem regulamentos que o Facebook pode cumprir devido aos seus vastos recursos, enquanto outros não podem devido à natureza ainda nascente. Portanto, cimentando o monopólio do Facebook, mesmo quando retoricamente, eles podem alegar o contrário.

Além disso, é um tanto surpreendente ver que o país da economia austríaca elevou ao seu Ministério das Finanças alguém que reivindica o monopólio estatal absoluto sobre o dinheiro.

Esta é a mesma Alemanha que até hoje economiza mais do que qualquer país avançado devido à sua experiência com a hiperinflação que foi trazida justamente porque o Estado tinha controle absoluto sobre o dinheiro.

Algo como a Libra não ofereceria um recurso para isso porque é apenas dinheiro fiduciário tokenizado, mas novas unidades de conta de código aberto como o bitcoin podem oferecer um recurso para a complacência e a ignorância do estado, que muitas vezes falha em avaliar as consequências potencialmente desastrosas de suas decisões sobre seu monopólio monetário.

Que o estado não deveria ter tal monopólio total, portanto, é articulado pelos próprios alemães renomados, tornando curioso que tenha sido um alemão que fez o que para nós parece um lapso retórico.

Scholz, no entanto, pode não estar familiarizado com o pensamento intelectual de seu próprio país sobre o assunto, sendo advogado antes de entrar na política.

Ele, portanto, também pode não estar familiarizado com criptomoedas além dos segmentos usuais de cinco segundos na TV que todo mundo já viu.

O serviço público alemão é presumivelmente bastante familiar e, portanto, seria útil ver seu relatório sobre Libra e o que eles acham que deveria ser feito sobre ela, se houver, porque este não é um assunto que se possa julgar sem uma análise e consideração minuciosas.

Como não está claro que a ovelha não seria apenas Blockbuster, assim como não está claro se os legisladores transformariam um lobo em um tigre, nem é claro se este lobo pode ser transformado em uma ovelha ou se ele é na verdade nosso cachorro.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
TrustNodes
TrustNodeshttps://trustnodes.com
News on all things Blockchain, Ethereum, IoT, Fintech and Bitcoin.

Repressão global às criptomoedas pode estar chegando, alerta CEO da Kraken

Recentemente o Bitcoin e várias outras criptomoedas tiveram uma alta surpreendente, com muitas alcançando novas máximas históricas (como é o caso do Bitcoin e...

Dogecoin passa banco Itaú, Santander e Bradesco em valor de mercado

Dogecoin, a criptomoeda feita como uma piada, surpreendeu o mundo após disparar 150% em poucas horas e ser negociada por um valor recorde de...

Pelé terá coleção NFT na plataforma Ethernity

Edison Arantes do Nascimento, conhecido mundialmente como Pelé, é o mais famoso jogador de futebol da história e é um grande ícone para os...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias