Binance compra R$ 5 bilhões em três criptomoedas após crise de bancos e stablecoins

Horas antes deste anúncio, Zhao já havia provocado reguladores e críticos. Afinal, sua corretora conseguiu processar bilhões em saques nos últimos meses e manteve-se viva, ao contrário dos bancos tradicionais.

O colapso dos bancos Silvergate, SVB e Signature está deixando investidores preocupados. A Binance, maior corretora de criptomoedas do mundo, anunciou na madrugada desta segunda-feira (13) que está comprando mais de R$ 5 bilhões em três criptomoedas para mitigar riscos.

O anúncio foi feito pelo CEO da Binance, Changpeng Zhao (CZ), que também postou a transação para mostrar que o montante já foi enviado para sua própria corretora e a conversão já está sendo feita.

“Demorou 15 segundos e custou US$ 1,29 [em taxas]”, comentou Zhao. “Imagine movimentar US$ 980 milhões (R$ 5,13 bilhões) em um banco antes do horário bancário na segunda-feira.”

Indo além, Zhao aproveitou a situação para provocar os críticos. Afinal, há poucos dias um ex-diretor da SEC afirmou que a Binance passaria uma corrida de saques e acabaria como a FTX, mas quem quebrou foi um grande banco americano.

Binance compra R$ 5 bilhões em criptomoedas

Chamado Iniciativa de Recuperação da Indústria, em tradução livre, tal fundo foi criado pela Binance em novembro do ano passado para apoiar empresas de criptomoedas que estão passando dificuldades financeiras.

No total, o fundo possuía mais de R$ 5 bilhões na stablecoin Binance USD (BUSD). No entanto, após a crise bancária, que também afetou stablecoins como USD Coin (USDC) e Dai (DAI), Changpeng Zhao afirmou que o montante está sendo convertido em três criptomoedas: Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH) e Binance Coin (BNB).

“Dadas as mudanças em stablecoins e bancos, a Binance converterá o restante dos fundos da Iniciativa de Recuperação da Indústria, de US$ 1 bilhão de BUSD, para criptomoedas nativa, incluindo #BTC, #BNB e ETH. Alguns movimentos de fundos ocorrerão onchain. Transparência.”

Horas antes deste anúncio, Zhao já havia provocado reguladores e críticos. Afinal, sua corretora conseguiu processar bilhões em saques nos últimos meses e manteve-se viva, ao contrário dos bancos tradicionais.

“É engraçado como a Binance sobreviveu à corrida bancária com facilidade alguns meses atrás, mas um banco americano de primeira linha como o SVB não sobreviveu a uma corrida bancária”, aponta o tuíte compartilhado por Changpeng Zhao. “Mas Binance é o problema.”

Tuíte compartilhado por Changpeng Zhao, CEO da Binance.

Por fim, Changpeng Zhao acredita que o fechamento de bancos amigos das criptomoedas foi coordenado. Em outras palavras, os EUA estariam atacando as criptomoedas pelas beiradas, algo já havia sido alertado por outros players da indústria.

Crise bancária faz Bitcoin operar em alta

Embora tenha caído para os US$ 20.000 com a quebra do Silvergate, a falência de outros dois bancos americanos teve efeito contrário e o Bitcoin disparou no final de semana. No momento desta redação, a criptomoeda está sendo negociada acima dos US$ 22.000 após uma recuperação de 7,77%.

O principal motivo foi o contágio financeiro. Afinal, a USD Coin (USDC), segunda maior stablecoin do mercado, tinha dinheiro no banco SVB e perdeu sua paridade com o dólar por conta disso.

Outra afetada foi a stablecoin descentralizada Dai (DAI), que possuía exposição à USDC e também acabou caindo para US$ 0,90 por unidade. Embora o governo americano tenha afirmado que salvará o Silicon Valley Bank, as duas stablecoins ainda não retornaram ao valor de 1 dólar.

Portanto, investidores estão preocupados conforme percebem que suas stablecoins não são tão estáveis e, assim como a Binance, estão convertendo seus saldos para criptomoedas como o Bitcoin.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na maior corretora de criptomoedas do mundo e ganhe até 100 USDT em cashback. Acesse Binance.com

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Henrique HK
Henrique HKhttps://github.com/sabotag3x
Formado em desenvolvimento web há mais de 20 anos, Henrique Kalashnikov encontrou-se com o Bitcoin em 2016 e desde então está desvendando seus pormenores. Tradutor de mais de 100 documentos sobre criptomoedas alternativas, também já teve uma pequena fazenda de mineração com mais de 50 placas de vídeo. Atualmente segue acompanhando as tendências do setor, usando seu conhecimento para entregar bons conteúdos aos leitores do Livecoins.

Últimas notícias