Bitcoin morreu e criptomoedas são inúteis, diz ‘The Economist’

Mais uma vez.

O Bitcoin morreu aos olhos da grande mídia, com a revista inglesa ‘The Economist’ publicando um extenso artigo sobre o colapso recente da corretora FTX e a queda dos preços das criptomoedas.

“Grandes personalidades, empréstimos incestuosos, colapsos noturnos – essas são as manias financeiras clássicas, da febre das tulipas na Holanda do século 17 à bolha dos mares do sul na Grã-Bretanha do século 18 e às crises bancárias da América no início dos anos 1900”, diz o jornal.

O jornal detalha vários colapsos das criptomoedas e cita o recente caso da FXT como “catastrófico”, acrescentando que nunca antes as criptomoedas se mostraram tão inúteis e criminosas.

Seguindo, o jornal afirma que o mercado de criptomoedas é repleto de histórias de colapsos e fracassos, com vastas quantidades de dinheiro, tempo, talento e energia gastos para construir cassinos virtuais.

“Não resta nada além de 1 milhão de credores furiosos, dezenas de empresas cripto instáveis ​​e uma proliferação de investigações regulatórias e criminais. A implosão de alta velocidade da FTX foi um golpe catastrófico para uma indústria com uma história de fracassos e escândalos. Nunca antes as criptomoedas pareceram tão criminosas, esbanjadoras e inúteis.”

Indo além, o The Economist afirma que as criptomoedas “chegaram ao fim” após mais de 13 anos desde que o Bitcoin foi lançado, acrescentando que durante o tempo em que “existiram”, só servia para golpes e especulações.

“Como no fim de qualquer mania, a questão agora é se as criptomoedas podem ser úteis para algo além de golpes e especulações. A promessa era de uma tecnologia que pudesse tornar a intermediação financeira mais rápida, barata e eficiente… A decepção é que, 14 anos após a invenção da blockchain do Bitcoin, pouco dessa promessa foi realizada.”

Bitcoin morreu, de novo

Da Grande Depressão à Grande Recessão, os colapsos das moedas fiduciárias e suas exigências de confiar em intermediários, que podem e abusarão dessa confiança, continuam se mostrando, seja nas criptomoedas ou em qualquer outro setor.

Mas você não verá nenhuma crítica sobre isso em lugares como o The Economist, embora, curiosamente, os economistas estejam hoje em dia muito mais abertos às criptomoedas.

“As pessoas devem ser livres para dedicar tempo e dinheiro ao poder de fusão, aeronaves, o metaverso e uma série de outras tecnologias que podem nunca dar certo. Criptomoedas não são diferentes”.

Alguns especulam que o jornal inglês fala pela elite e a elite entende uma ou duas coisas, especialmente quando se trata de nuances bastante vitais.

Coisas como o fato de que a moeda fiduciária tende a colapsar e o atual sistema fiduciário – sem o respaldo de qualquer coisa sem qualquer âncora objetiva – tem apenas 50 anos de idade.

É exatamente o mesmo sistema em todos os cantos do globo. Não há um país que use um tipo diferente de dinheiro ou design fiduciário.

As complexidades a partir daí só podem aumentar, mas para o nosso propósito basta dizer que se o sistema fiduciário falhar, estaremos lá. Haverá um plano B, um backup, uma ferramenta de transição, um pagamento global e trilho de câmbio.

O papel-moeda como o dólar ou o euro é muito frágil. Baseia-se na confiança cega, e essa confiança é rotineiramente abusada, bem como periodicamente.

Cerca de US$ 7 trilhões foram impressos pelos bancos centrais em 2020-21. O Reino Unido já se moveu para fazer o homem comum pagar por isso, reduzindo o limite de ganhos de capital para inexistente enquanto aumentava os impostos sobre escravos assalariados.

Isso é injustiça, antes de mais nada, desigualdade, porque os mais ricos que mais se beneficiaram com essa impressão por meio de empréstimos garantidos isentos de impostos em suas ações são obrigados a não pagar nada, muito menos uma proporção maior.

A isso acrescentamos também a regulamentação, que alguns afirmam ser a panaceia. No entanto, o principal regulamento neste caso é a prisão, e Sam Bankman-Fried não está nem perto de tal.

O regulador pode ser cooptado, corrompido ou tendencioso e, em qualquer um desses casos, apenas o que o regulamento diz é irrelevante, pois eles dependem dos homens e, portanto, da confiança.

Bitcoin morreu??

Em vez de morto o Bitcoin foi revitalizado porque a única maneira de evitar colapsos fiduciários é expandir os sistemas nativos de criptomoedas.

Esses eventos recentes nos lembram que não nos concentramos suficientemente nessa expansão, embora tenhamos passado os últimos anos construindo em grande parte as fundações de projetos para sistemas descentralizados nativos.

Apesar de as corretoras centralizadas continuarem desempenhando um papel importante no setor, esperamos que elas se tornem cada vez menos relevantes, especialmente à medida que as integrações de segunda camada se expandem.

Até porque as exchanges centralizadas sempre foram vistas como uma ferramenta transitória. Enquanto isso, temos que lidar com a moeda fiduciária e assim como quando as criptomoedas interagem com o físico traz os problemas do mundo físico, também quando elas interagem com a moeda fiduciária traz os problemas do mundo fiduciário.

E a FTX era o mais fiduciário possível com um banco de dados centralizado que Bankman-Fried podia manipular como quisesse.

Não que seja algo novo, claro. A Mt Gox foi um exemplo 100 vezes maior desse sistema falho. É por isso que os sistemas como DeFi e Stablecoins surgiram. Agora, pelo menos alguns investidores não precisam mais desses intermediários.

Isso em si, é utilidade ou uso. Um novo sistema financeiro não fiduciário com câmaras de compensação embutidas, um sistema de pagamento embutido, manutenção de contas e dapps de código aberto.

Esta é uma área em que o código é lei, e esta é uma área em que uma falha seria uma falha de código. Os sistemas não são perfeitos. Mas já estamos criando soluções alternativas para problemas de hacks.

O The Economist, portanto, espera entender que, no que diz respeito a investidores de criptomoedas, o debate sobre sistemas descentralizados já acabou há muito tempo.

Estamos construindo-os em vez de debater, e é por isso que, em parte, até ignoramos nestas páginas muitas sugestões sobre regulamentos, porque pensamos que são irrelevantes.

No entanto, a queda da FTX é, em muitos aspectos, a salvação para muitos que desejam ver um mundo com criptomoedas.

Isso prova à sua maneira que as criptomoedas não podem ser cooptadas, pelo menos não facilmente. Isso prova que os verdadeiros criptonerds ainda estão no comando.

Como tal, talvez seja hora de acreditar que podemos expandir esses sistemas nativos sem intermediários confiáveis.

Até isso temos que fazer, e fazemos, porque estamos no meio de um boom de colapsos, e as criptomoedas são as únicas alternativas para isso.

A elite entende isso, e é por isso que os ricos estão acumulando bitcoin.

Isso não vai mudar. A única coisa que pode mudar é que o público, que atualmente possui a maioria das criptos, será e está sendo enganado para vender barato para aqueles que possuem criptomoedas, e para aqueles que não o possuem, eles estão sendo enganados para não comprar.

É uma escolha livre, é claro, para ambos, mas os defensores das criptomoedas talvez tenham que fazer um pouco mais para persuadir o público desinformado de que, por mais cafona que pareça, estamos quebrando suas correntes ao libertá-los de intermediários abusivos como FTX, governos e bancos.

$100 de bônus de boas vindas. Crie sua conta na maior corretora de criptomoedas do mundo e ganhe até 100 USDT em cashback. Acesse Binance.com

Siga o Livecoins no Google News.

Curta no Facebook, TwitterInstagram.

Entre no nosso grupo exclusivo do WhatsApp | Siga também no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

TrustNodes
TrustNodeshttps://trustnodes.com
News on all things Blockchain, Ethereum, IoT, Fintech and Bitcoin.

Últimas notícias

Bitcoin 2024

Últimas notícias