Criptomoeda da Eurásia pode estar no radar

O primeiro bloco econômico a se inclinar ao tema!

Siga no

O primeiro bloco econômico do mundo a se inclinar para a possibilidade de aderir às criptomoedas foi a Eurásia, em entrevista no último dia 21 de dezembro.

A Eurásia é um dos blocos econômicos fundados entre países que estão na Europa e na Ásia, semelhante ao Mercosul, e que possui a Rússia e a Turquia como principais países.

A ideia é a criação de uma moeda digital única no bloco, semelhante à ECU que antecedeu ao Euro, disse o vice-ministro das Finanças russo, Alexei Moiseyev.

De acordo com o Ministro Russo as negociações com o bloco devem tomar o ano de 2019, e vão analisar o caso com muito cuidado entre os países membros e também com parceiros chave do bloco.

O que chama a atenção é que no período de 2020-2021 é a expectativa de que pode ser definido as comissões do tema para estudo e levantamento, e as criptomoedas podem ganhar um espaço nesse sentido.

Um campo que poderia incentivar o desenvolvimento de uma criptomoeda da Eurásia é que a Rússia, um dos principais países deste bloco, já está pesquisando sobre Blockchain no acordo firmado com o BRICS, o que poderia ser um case de sucesso e quem sabe aplicação pelo Bloco Europa-Ásia.

O mundo tem mudado a perspectiva de que o Dólar é uma moeda forte para continuar sendo a mais utilizada no mundo, e a Eurásia deixa claro com este anúncio a ideia de diminuir as transações com a moeda dos EUA.

Desde a crise de 2008, do qual foi causada principalmente nos EUA pelos empréstimos subprime, o país vem sofrendo com a desconfiança dos demais sobre a capacidade de manter as finanças mundiais em ordem.

Com a globalização, as finanças de países e blocos tendem a afetar diretamente outros que podem estar em outros continentes, como a recente crise na Turquia que abalou as bolsas em 2018.

Outro ponto de atenção para uma moeda própria do bloco é a quantidade de sanções impostas a alguns países da Ásia pelos EUA, o que faz com que mais atenção seja dada ao fato de criar uma criptomoeda como fez a Venezuela com criação da Petro.

O Bitcoin entretanto já se mostrou uma moeda de confiança para mitigar riscos em casos de crises, principalmente pela alta correlação com o Ouro, o que pode abalar próximos estudos sobre criação de novas moedas pelo mundo a fora.

Em um estudo de 2016, feito sobre o Mercosul e o Brasil em relação às criptomoedas, como as mesmas são difíceis de se regulamentar a tendência é de que os países se adaptem a nova tecnologia de transações, que tem se mostrado muito mais eficiente em vários quesitos, e isso com certeza também será levado em consideração pela movimentação sendo feita pela Eurásia.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Gustavo Bertoluccihttps://github.com/gusbertol
Graduado em Análise de Dados e BI, interessado em novas tecnologias, fintechs e criptomoedas. Autor no portal de notícias Livecoins desde 2018.
Roberto von der Osten, da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT)

Bitcoin é inevitável, diz sindicalista da CUT

O sindicalista Secretário de Relações Internacionais da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Sistema Financeiro (CONTRAF-CUT), Roberto von der Osten, disse em um programa de...

Axie Infinity não pagará mais jogadores iniciantes

Axie Infinity ainda é um dos grandes sucessos dos jogos blockchain, representando uma oportunidade para muitos conseguirem ganhar enquanto jogam. No entanto, novas mudanças...
Bitcoin e criptomoedas em ETF

NASDAQ indica que ETF de Bitcoin pode ter sido aprovado, preço dispara

Os investidores de Bitcoin tem aguardado ansiosamente por uma possível aprovação de um ETF de Bitcoin, o que poderia fazer o preço do ativo...
.

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias