Grupo Bitcoin Banco encerra contrato com advogado da empresa

Siga no
Claudio Oliveira, um dos acionistas do Grupo Bitcoin Banco. Foto/Divulgação.
Claudio Oliveira, um dos acionistas do Grupo Bitcoin Banco., conhecido por alguns como "Rei do Bitcoin" Foto/Divulgação.

O escritório do advogado Ismair Junior Couto não presta mais serviço para o Grupo Bitcoin Banco, empresa de criptomoedas de Curitiba (PR) que recentemente entrou com pedido de recuperação judicial.

De acordo com a empresa, que tem o empresário Claudio Oliveira como um de seus acionistas, a rescisão de contrato é um procedimento normal. Em nota, o grupo agradeceu o trabalho prestado pelo advogado, que até então ocupava o cargo de diretor jurídico.

“O GBB, em nome de seu principal acionista, Claudio Oliveira, bem como por toda equipe, agradece a forma ética e o alto grau de profissionalismo empenhado pelo citado advogado durante período de prestação de serviços”.

 

O Bitcoin Banco, que tem 10 dias para constituir outro advogado, informou ainda que deixa as portas abertas para futuras “trocas de serviços e informações” com o profissional.

9 meses sem receber

Desde maio de 2019, o Grupo Bitcoin Banco não libera saques para os clientes. Em dezembro, a Justiça do Paraná aceitou pedido de recuperação judicial feito pela empresa. A medida é um meio jurídico utilizado para reorganizar as finanças e evitar falência.

O grupo tem uma dívida de cerca de R$ 600 milhões, segundo lista de credores divulgada no final do ano passado. Pouco mais de seis mil clientes têm valores a receber.

Desde o início da crise, mandados de busca e apreensão foram feitos na sede do grupo e na casa de Claudio Oliveira. O empresário teve bens bloqueados e o passaporte retido pela Justiça do Paraná. Por causa das pendências financeiras, a mãe dele chegou a ser sequestrada.

Grupo Bitcoin Banco divulga retomada de negócios

No início deste mês, o Grupo Bitcoin Banco anunciou a retomada dos negócios. Segundo o comunicado, as plataformas NegocieCoins e TemBTC foram divididas.

Uma delas seguirá as determinações da recuperação judicial (não foi informada qual) e a outra será utilizada para a negociação de criptomoedas. A empresa informou ainda que será obrigatório um novo cadastramento para utilizar a plataforma.

Grupo Bitcoin Banco pode ser maior fraude do Brasil, diz advogado

No início deste mês, o advogado Adriano Hermida Maia divulgou um texto explicando como a empresa atuava. Segundo o profissional, “estamos supostamente diante de uma exchange insolvente e do maior esquema de fraude financeira do país”.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Lucas Gabriel Marins
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).
Mulher com aplicativo de Bitcoin comprar e vender

Ex-presidente da CVM faz alertas sobre compra de Bitcoin por empresas de capital aberto

A compra de criptomoedas por grandes empresas continua a chamar atenção do mercado financeiro, com algumas se questionando se elas podem ou não comprar...
Empresa Suzano Celulose

Suzano manda oficiar corretoras de criptomoedas em processo na justiça

Em um processo que corre na justiça desde 2018, movido pela Suzano Papel e Celulose S/A, a justiça mandou oficiar algumas corretoras de criptomoedas....
Mercado Bitcoin

Volume do Mercado Bitcoin cresce e corretora pode abrir capital na bolsa

O volume de negociações de uma das maiores corretoras de criptomoedas do Brasil, o Mercado Bitcoin, cresceu 862% no mês de abril quando comparado...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias