Justiça determina prisão de fundadores da pirâmide financeira ArbCrypto

Réus são acusados de crime de organização criminosa, cuja pena máxima é de oito anos.

Siga no
Eneas Tomaz e Alexandre Cesario Kwok, sócios da ArbCrypto. Imagem: Reprodução/YouTube

O juiz Fabio Calheiros do Nascimento, da 2ª Vara Criminal do Foro de Barueri, determinou na terça-feira (13) a prisão preventiva dos fundadores da ArbCrypto. A empresa de arbitragem de criptomoedas, que tinha o jogador Cafu como “garoto-propaganda”, não libera saques para investidores desde agosto de 2019.

A Justiça acatou o pedido de prisão feito pelo Ministério Público de São Paulo. Foram emitidos mandados em nome de Alexandre Cesário Kwok, Eneas de Lima Tomaz, Luiz Carlos Rosa da Silva e João Paulo Alves da Silva. Eles são acusados de crime de organização criminosa, cuja pena máxima é de oito anos.

“Os elementos amealhados até o momento indicam que os denunciados integraram organização de considerável nível de sofisticação, cuja estruturação demandou recursos financeiros e domínio de tecnologia. A repercussão econômica da atividade ilícita é impactante, a julgar pelo volume de recursos por ela angariados”, disse o juiz.

Conforme a Polícia de Barueri informou ao Livecoins no ano passado, a estimativa é que a empresa tenha angariado 2.500 bitcoins (cerca de R$ 177 milhões na cotação de hoje). A ArbCrypto prometia lucros de 2,5% em cima de investimentos.

Juiz citou histórico dos réus com golpes de pirâmides financeiras

Nos mandados, o magistrado disse que o caso “trata-se mesmo da prática de pirâmide financeira, uma vez que não era realmente oferecido aos interessados um produto, nem um serviço, apenas uma abstração, e tudo que eles tinham de fazer para obter o alto lucro prometido era o aporte de recursos e a captação de novos interessados em efetuar tais aportes, mecanismo característico da pirâmide”.

O juiz citou que a prisão dos acusados é necessária porque eles têm histórico na criação de esquemas fraudulentos parecidos com a ArbCrypto, em especial os réus Alexandre Cesário Kwok e Eneias de Lima Tomaz.

Kwok e Tomaz são os fundadores da pirâmides Prosperity Plus e Proswallet. A Prosperity, esquema que “ruiu” no final de 2017, prometia rendimentos de 2,5% ao dia. O esquema, conforme o Livecoins publicou em agosto, tinha como integrante o presidente da Genbit, Nivaldo Gonzaga.

Fundador da Arbcrypto iria lançar novo golpe

Na justificativa da prisão, o juiz também mencionou que o Ministério Público descobriu que Kwok estaria “desenvolvendo uma nova plataforma pautada por mecanismos semelhantes aos empregados” na ArbCrypto.

“À vista desse panorama, concluo que a prisão tanto é necessária para
resguardo da ordem pública e econômica, como para assegurar a futura aplicação da lei penal e, ao menos no momento, também para tentar assegurar algum ressarcimento às vítimas; se os denunciados simplesmente desaparecerem elas não serão indenizadas”.

Defesa dos acusados

Nos autos, a defesa de João Paulo Alves da Silva entrou com pedido de liberdade provisória. Silva é da Rikinvest, empresa contratada pela ArbCrypto para prestar serviços de compra e venda de ativos digitais.

No processo, os advogados dele alegaram que “o réu não tinha participação na condução dos negócios da empresa”, mas apenas prestava serviço. O Ministério Público foi contra. O juiz, que já analisou o pedido, também não acolheu a justificativa.

De acordo com o magistrado, várias vítimas citaram a participação de Silva no esquema. Ele inclusive realizava a entrega de veículos “como recompensa por desempenho no aliciamento de novos investidores”, conforme consta nos autos do processo.

A reportagem do Livecoins entrou em contato com a defesa de Kwok e Tomaz. Assim que algum comentário for enviado esta matéria será atualizada. A defesa de Luiz Carlos Rosa da Silva não foi localizada.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Leia mais sobre:
Lucas Gabriel Marins
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).
Departamento de Tesouro dos Estados Unidos

Departamento do Tesouro dos EUA quer ferramenta para rastrear Bitcoin

A agência dos Estados Unidos responsável pela implementação de sanções contra empresas, parte do Departamento do Tesouro, quer uma ferramenta capaz de rastrear o...
Polícia investiga negócio de criptomoedas no ES

Corretora cripto é alvo de operação policial por fraude bilionária

A polícia da Coreia do Sul realizou uma operação em diversos escritórios de uma corretora de criptomoedas após a empresa ter sido acusada de ser...
Criptomoeda Ethereum mãe do DeFi

Banco Central dos EUA elogia Ethereum e inovação com DeFi

O Banco Central dos Estados Unidos de St. Louis publicou um artigo elogiando as inovações da plataforma Ethereum. Ao criar aplicações bancárias com tokens,...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias