Microsoft revela ter bloqueado mais de 5 milhões de anúncios de criptomoedas do Bing em 2018

-

Siga no
Anúncio

A Microsoft revelou recentemente que o seu motor de busca, o Bing, bloqueou mais de 5 milhões de anúncios de criptomoedas no ano passado, de um total de mais de 900 milhões que o popular motor de busca removeu da sua plataforma.

De acordo com a revisão de qualidade dos anúncios do Bing em 2018, o motor de busca concentrou-se em três áreas na remoção de anúncios: a das criptomoedas, a de esquemas de suporte técnico, e a de venda de armas.

No ano passado, o motor de busca removeu 200,000 contas e 300,000 sites da sua plataforma por causa de anúncios duvidosos. Não é certo qual o número associado a criptomoedas, mas sabe-se que a plataforma bloqueou anúncios relacionados a estas em Maio do ano passado.

Anúncio

A gerente de políticas de anunciantes, Melissa Alsoszatai-Petheo, revelou que a falta de regulação no mercado das criptomoedas significava que os usuários do Bing estavam em “risco elevado” de serem vitimas de “maus atores,” que os levassem a participar em esquemas.

A publicação da empresa afirma:

“Para ajudar a proteger nossos usuários contra esse risco, tomamos a decisão de proibir a publicidade de criptomoedas, produtos relacionados a criptomoedas e opções binárias não regulamentadas”.

Na altura, isto fez com que criptomoedas fossem banidas do Bing, tal como esquemas Ponzi ou de pirâmide. O motor de busca baniu anúncios relacionados com criptomoedas poucos depois de outros gigantes tecnológicos, como o Google e o Facebook, o terem feito.

No entanto, desde então, tanto o Google como o Facebook começaram a deixar alguns anúncios serem publicados nas suas plataformas, sendo estes severamente controlados para garantirem que vêm de empresas de renome no mercado.

Estas proibições de anúncios viram várias associações de criptomoedas ameaçar levar os gigantes tecnológicos a tribunal, devido ao que alegavam ser manipulação de mercado por parte dos mesmos, por agiram como “cartéis.”

É de notar que a Microsoft, que comprou no ano passado o GitHub em uma transação bilionária, aceita depósitos de Bitcoin desde 2014, apesar de ter tido algumas interrupções ao longo dos anos. No site da empresa, existe até uma página que explica como o fazer.

Siga o Livecoins no Google News para receber nossas notícias em tempo real.
Curta nossa página no Facebook e também no Twitter.
Receba também no email se cadastrando em nossa Newsletter.
Leia mais sobre:
Avatar
Francisco Memoria
Francisco juntou-se à comunidade crypto em 2016, altura em que começou a escrever para várias publicações na área, incluindo Bitcoin.com, CCN, e The Merkle, entre outras. Apoia o libertarismo, e é grande fã e tecnologia.
Bitcoin e gráfico em queda de preços

Bitcoin cai 5% e pode não romper marca de 2017

O Bitcoin se aproxima do fechamento do mês de setembro e cai pelo menos 5% nesta segunda. Com a queda no preço do Bitcoin,...
FinCEN Files

Documentos vazados revelam que bancos lavaram R$ 10 trilhões em dinheiro ligado a crimes

Mais de 2.100 documentos secretos da FinCEN, Rede de Combate a Crimes Financeiros dos EUA, foram vazados e os detalhes desses arquivos trazem informações...
Europa (União Europeia e Bitcoin)

Europa vai regulamentar Bitcoin até 2024, apontam documentos

Segundo documentos vazados para a imprensa, a Europa vai regulamentar o Bitcoin até 2024 em todos os países membros do bloco. O tema ganhou...

Últimas notícias

Documentos vazados revelam que bancos lavaram R$ 10 trilhões em dinheiro ligado a crimes

Mais de 2.100 documentos secretos da FinCEN, Rede de Combate a Crimes Financeiros dos EUA, foram vazados e os detalhes desses arquivos trazem informações...

Europa vai regulamentar Bitcoin até 2024, apontam documentos

Segundo documentos vazados para a imprensa, a Europa vai regulamentar o Bitcoin até 2024 em todos os países membros do bloco. O tema ganhou...

Brasil desenvolve com blockchain uma identidade descentralizada

O Brasil caminha rumo às novas tecnologias e já desenvolve com uso da blockchain um novo projeto. Chamada de identidade descentralizada, a solução promete...