Baleias do Bitcoin não têm mais que 11% do total em circulação

O caso mais preocupante parece ser o do Cardano (ADA), visto que apenas 39 endereços têm 40% do ADA em circulação

Siga no
O que é Bitcoin?
Imagem: pixabay.com

As maiores baleis do Bitcoin, os 1% com mais criptomoedas nas suas carteiras, têm apenas controle sobre 11% do BTC total em circulação, mostrando o quão descentralizada a criptomoeda é.

Os analistas da empresa de análises de dados IntoTheBlock fizeram uma análise nas blockchains de algumas das maiores criptomoedas – Bitcoin, Ethereum, Bitcoin Cash, Litecoin, BitcoinSV, Cardano, e Tether – para verificar quanto as criptomoedas são centralizadas.

A métrica é relevante, pois uma grande centralização na distribuição das moedas significa que se as baleias decidirem vender, então podem causar uma queda acentuada no preço. Como vimos no Livecoins, uma baleia “adormecida” com R$ 3 bilhões em bitcoin poderia “destruir” o mercado. Com outras criptomoedas, o caso é pior.

Os dados da IntoTheBlock mostram que apenas 39 endereços de BTC têm 11% do total em circulação, sendo esses representam 1%. No Ethereum, 154 endereços têm 40% do total em circulação, enquanto que na Litecoin 128 endereços têm 47% – quase metade de todo o LTC.

Os forks do Bitcoin, Bitcoin Cash e BitcoinSV, são ligeiramente mais centralizados que a principal criptomoeda. 105 endereços têm 28% de todo o BCH em circulação, enquanto 104 endereços têm 25% de todo o BSV em circulação.

A stablecoin Tether, o USDT, é emitida pela empresa e como tal alguns dos maiores endereços podem pertencer à mesma ou aos seus clientes. 140 endereços têm cerca de 58% dos US$ 4.6 bilhões de USDT em circulação.

O caso mais preocupante parece ser o do Cardano (ADA), visto que apenas 39 endereços têm 40% do ADA em circulação. A criptomoeda usa Proof-of-Stake (PoS) parta validar transações na sua rede, logo se uma entidade conseguir obter 51% de todo o ADA consegue manipular a blockchain.

Apesar de ser pouco provável uma entidade tão investida na criptomoeda querer atacá-la e fazê-la perder valer, sempre é possível que tal aconteça. Em Janeiro de 2019, a rede do Ethereum Classic sofreu um ataque de 51%, onde uma entidade teve controlo do seu hashrate e usou o poder para gastar as mesmas moedas mais do que uma vez.

Note-seque, apesar do top 1% dos titulares de BTC terem apenas 11% do total em circulação, isto não significa que as baleias não estejam acumulando mais bitcoin. De fato, dados mostram que eles estão comprando cada vez mais e acumulado como nunca.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Francisco Memoria
Francisco Memoria
Francisco juntou-se à comunidade crypto em 2016, altura em que começou a escrever para várias publicações na área, incluindo Bitcoin.com, CCN, e The Merkle, entre outras. Apoia o libertarismo, e é grande fã e tecnologia.
Satoshi no Coinmarketcap

CoinMarketcap cria página de preço de Satoshi, menor unidade do Bitcoin

O CoinMarketCap, maior índice de preços de criptomoedas do mundo, listou neste sábado (8) uma página especifica para a menor fração de Bitcoin, o...
Economista mais influente do Brasil (Forbes)

Economista mais influente do Brasil diz que criptomoedas vieram para ficar

Ricardo Amorim, o economista mais influente do Brasil de acordo com a Forbes, maior influenciador brasileiro do LinkedIn e ganhador do Prêmio iBest de...
Ethereum. Imagem: Adobe Stock

Ethereum dispara e supera 20 mil reais

Ethereum, a segunda maior criptomoeda do mundo continua sua jornada de alta e valorizou mais de 7% neste sábado (08), atingindo um novo recorde...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias