Dados pessoais de clientes da URPay foram vendidos para hackers por R$ 2 milhões

"Nada é tão ruim que não possa piorar."

Siga no
Site Urpay
Site Urpay

A URPay, principal hub de pagamentos utilizado pela maior pirâmide financeira dos  últimos anos (Unick Forex) teve 1,6 milhão de dados de clientes vendidos na internet por R$ 2 milhões. 500 mil documentos pessoais dos clientes da empresa foram expostos. As informações são do TECMUNDO.

O nome completo, o e-mail, a senha, o CPF, o RG, as fotos dos documentos pessoais e selfies fazem parte do vazamento.

A URPay era uma das formas que os clientes da pirâmide Unick Forex poderiam fazer depósitos no esquema. Atualmente, de acordo com levantamento realizado pelo Livecoins, a plataforma de pagamentos digitais possui mais de 150 processos relacionados com a Unick.

AUrpay Tecnologia em Pagamentos Ltdaconsta como beneficiária no boleto relacionado a Unick

Em outras palavras, quem caiu no golpe da Unick, e utilizou a URPay para realizar depósitos no esquema, além de não ter recebido o valor de volta, agora têm todas suas informações disponíveis para criminosos da internet.

Esse documentos são utilizados por criminosos virtuais para abertura de contas em outros bancos, empresas, lojas, e verificação de conta em qualquer lugar que exija selfie e foto de documentos.

De acordo com a reportagem do TECMUNDO, os dados foram vendidos em um grupo fechado do Telegram, os valores variavam de R$ 20 a R$ 40 em Bitcoin por linha de informação.

Parte do Vazamento. Imagem: Tec Mundo
Parte do Vazamento. Imagem: Tec Mundo

Como a URPay já teve ligação com centenas de empresas que operavam esquemas de pirâmide, é difícil afirmar se a venda de informações faz parte de um vazamento de dados devido a um hack externo, ou se é algo da própria empresa, que, de novo, sempre foi parceira de empresas criminosas, o que coloca em dúvida a idoneidade dela.

A URPay disse ao Tecmundo que os dados são públicos, e que não são um vazamento. (acredite se quiser).

O caso agora deve seguir para as autoridades, e os responsáveis pela empresa terão que responder por vazamento de dados de acordo com a lei de LGPD. A multa pode ser de até 4% do faturamento anual da empresa.

A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) brasileira, determina que qualquer empresa que identifique um vazamento precisa notificar a autoridade em até 72 horas.

Veja a matéria completa no TECMUNDO.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Livecoins
Livecoins
Livecoins é um portal de blockchain e criptoeconomia focado em notícias, artigos, análises, dicas e tutoriais.
Mulher com aplicativo de Bitcoin comprar e vender

Ex-presidente da CVM faz alertas sobre compra de Bitcoin por empresas de capital aberto

A compra de criptomoedas por grandes empresas continua a chamar atenção do mercado financeiro, com algumas se questionando se elas podem ou não comprar...
Empresa Suzano Celulose

Suzano manda oficiar corretoras de criptomoedas em processo na justiça

Em um processo que corre na justiça desde 2018, movido pela Suzano Papel e Celulose S/A, a justiça mandou oficiar algumas corretoras de criptomoedas....
Mercado Bitcoin

Volume do Mercado Bitcoin cresce e corretora pode abrir capital na bolsa

O volume de negociações de uma das maiores corretoras de criptomoedas do Brasil, o Mercado Bitcoin, cresceu 862% no mês de abril quando comparado...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias