Mineradores querem criar clone do Ethereum, entenda

A principal motivação é a perda de receita dos mineradores que embolsaram R$ 3,2 bilhões apenas no mês passado. A soma salta para R$ 40,2 bilhões quando analisamos dados anuais, números impressionantes dado que estamos em um forte mercado de baixa.

Garfo segurando moeda de Ethereum, simbolizando bifurcação da criptomoeda.
Garfo segurando moeda de Ethereum, simbolizando bifurcação da rede.

Com a chegada da maior atualização do Ethereum, abandonando a mineração por placas de vídeo, é possível que mais uma criptomoeda surja no mercado, sendo uma espécie de “Bitcoin Cash” do Ether.

O motivo é a pressão da indústria multibilionária da mineração, prestes a perder sua maior fonte de receita. Sendo assim, estes sonham que o novo clone possa ser tão grande quando o Ethereum é hoje, mantendo seus lucros.

Outra alternativa é a migração dos equipamentos para minerar Ethereum Classic (ETC). Alguns gigantes, como a Bitmain e a Antpool, já estão apostando nesta estratégia. Contudo, o maior problema é que o ETC nem sequer possui um ecossistema para sustentá-lo.

ETHPoW, mineradores planejam fork do Ethereum com chegada da atualização

Ainda sem nome, porém chamada de ETHPoW (Ethereum Proof-of-Work) por um recente artigo da Bitmex, uma nova criptomoeda pode estar prestes a surgir no mercado com a migração do Ethereum para Proof-of-Stake (PoS) no próximo mês.

A principal motivação é a perda de receita dos mineradores que embolsaram R$ 3,2 bilhões apenas no mês passado. A soma salta para R$ 40,2 bilhões quando analisamos dados anuais, números impressionantes dado que estamos em um forte mercado de baixa.

Receita de mineradores de Ethereum, em dólares, desde janeiro de 2022. Fonte: The Block.

Sendo assim, esta indústria multibilionária está tentando encontrar alternativas para se manter viva. Segundo o jornalista Colin Wu, hoje grandes mineradores estão divididos em três grupos.

Enquanto a Bitmain está dando suporte ao Ethereum Classic (ETC), investindo US$ 10 milhões em seu ecossistema, outros como Chandler Guo estão planejando criar um clone do Ethereum, mantendo suas características atuais. Já um terceiro grupo estaria inclinado a apoiar outras criptomoedas.

“Atualmente, existem quase 5 bilhões de dólares em placas de vídeo e ASICs (E9) para mineração de Ethereum que precisam encontrar uma maneira de continuar a atividade depois que o Ethereum se tornar PoS em setembro. A maioria pertence a mineradores chineses.”

Tem tudo para ser mais uma shitcoin no mercado

Entretanto, é difícil acreditar que um novo clone do Ethereum consiga se quer chegar perto do Ethereum Classic (ETC) — hoje com valor de mercado de US$ 5 bilhões — quanto mais do Ethereum (ETH) e seus US$ 200 bilhões.

Sendo assim, é possível que essa nova moeda se torne um “Bitcoin Cash (BCH)” do Ethereum, sendo esquecida em pouco tempo. Como destaque, o BCH chegou a valer quase 1/4 de um BTC em 2017, hoje 1 BCH vale menos que 0,06% que 1 BTC. Portanto, caso holders de ETH recebam esta nova moeda de graça, a dica é vendê-la tão rápido quanto possível.

Preço do Bitcoin Cash (BCH) em relação ao Bitcoin (BTC). Fonte: CoinMarketCap.

Por fim, o maior problema é que investidores deste novo clone do Ethereum estariam literalmente servindo de liquidez para mineradores, assim como acontece no ETC hoje. Afinal, a tendência é que todos grandes projetos permaneçam junto ao Ethereum após a atualização e que esta nova criptomoeda não tenha nenhum apoio.

Outras interessadas nesta briga são a NVIDIA e a AMD, maiores fabricantes de placas de vídeo. Com o mercado prestes a presenciar uma enxurrada de GPUs usadas, é possível que as vendas de suas placas novas despenquem, afetando a receita e também o preço de suas ações.

Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br.



Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Henrique Kalashnikov
Formado em desenvolvimento web há mais de 20 anos, Henrique Kalashnikov encontrou-se com o Bitcoin em 2016 e desde então está desvendando seus pormenores. Tradutor de mais de 100 documentos sobre criptomoedas alternativas, também já teve uma pequena fazenda de mineração com mais de 50 placas de vídeo. Atualmente segue acompanhando as tendências do setor, usando seu conhecimento para entregar bons conteúdos aos leitores do Livecoins.

Últimas notícias