Presidente da GenBit fecha acordo de R$ 100 mil, “mas na hora de pagar desaparece com dinheiro”

Nivaldo Gonzaga movimentou de forma misteriosa R$ 320 mil do Banco Safra

Siga no
Nivaldo Gonzaga e seu filho, Gabriel Tomaz Barbosa. Ambos são responsáveis pela GenBit. Reprodução/Facebook

A matéria foi atualizada com a resposta da GenBit. A íntegra da nota pode ser lida no final da reportagem.

Uma investidora da GenBit, exchange que não paga seus investidores desde agosto do ano passado, formalizou um acordo com a empresa.

Ficou acertado que o presidente do grupo, Nivaldo Gonzaga, transferiria R$ 100 mil de uma conta bancária dele no Banco Safra para ela. Na instituição bancária, o empresário tinha um saldo de R$ 320 mil em ações, conforme documento obtido pela reportagem.

No dia da transferência, no entanto, as ações – que tinham sido bloqueadas anteriormente por ordem judicial – foram vendidas e os valores dissolvidos por meio de transferências bancárias. Em vez dos R$ 320 mil, havia apenas R$ 172.

A história foi relatada ao Livecoins pelo advogado Rodrigo Ivanoff, que defende a cliente. A movimentação judicial também foi publicada no Diário de Justiça do Estado de São Paulo.

A GenBit foi contada, mas não enviou resposta até o fechamento desta reportagem. Já o Banco Safra, em justificativa encaminhada à Justiça obtida pelo Livecoins, informou que foi surpreendido com o fato de as ações terem sido liquidadas” e disse que irá investigar o caso.

Cadê o dinheiro da cliente?

De acordo com o advogado Ivanoff, o acordo foi formalizado em dezembro do ano passado e a transferência de recursos deveria ter sido feita em fevereiro.

A advogada da GenBit, disse o advogado, exigiu que o dinheiro fosse transferido apenas da conta do Banco Safra.

“A minha cliente aceitou tudo, pois precisava muito do dinheiro. Agora não se sabe como o valor, que estava bloqueado na conta bancária do Nivaldo Gonzaga, foi retirado de lá”, disse.

O advogado entrou com um pedido de cumprimento de sentença. Caso a GenBit não pague, ele também vai mover um processo contra o Banco Safra, pois o dinheiro que estava na instituição só poderia ter sido movimentado por meio de determinação judicial.

Fomos surpreendidos, diz Banco Safra em justificativa

A reportagem teve acesso à justificativa que o Banco Safra enviou à Justiça. A empresa informou que atende mensalmente cerca de 3 mil ordens judiciais de bloqueios e transferências – tudo de maneira automatizada.

Essas ordens são recepcionadas do sistema BacenJud por um sistema interno da empresa, que posteriormente – também de forma automática – faz bloqueio, desbloqueio ou transferência de recursos, conforme os comandos judiciais.

De acordo com a instituição, por causa da ordem de bloqueio da conta do presidente da GenBit, as ações dele foram identificadas no sistema com uma marcação de “indisponibilidade”, o que condicionava sua movimentação à determinação judicial.

“Nesse sentido, recepcionada a ordem de transferência, em 06/02/2020, quando essa instituição financeira iniciava os procedimentos necessários para a liquidação das ações na Bovespa, foi surpreendida com o fato de que as mesmas haviam sido liquidadas e pagas ao Sr. Nivaldo, em dezembro de 2019, tendo em vista a ocorrência de inconsistência sistêmica para acatar a ordem de bloqueio”.

Na justificativa enviada à Justica, a instituição não informou exatamente o que pode ter ocorrido no sistema. Só disse que teria confirmado a “excepcionalidade do ocorrido” e adotado as providências necessárias para sanar a “inconsistência sistêmica que ocasionou problemas na marcação do bloqueio”.

Qual a situação da GenBit?

A GenBit, que pertence ao Grupo Tree Part (Gensa Serviços Digitais), responde a mais de 400 processos judiciais só na Justiça de São Paulo.

São ações de pessoas que venderam casas, usaram dinheiro da rescisão trabalhista e até fizeram empréstimos para investir no negócio, que até o ano passado prometia rendimentos fixos de 15% ao mês por meio da Zero10 Club.

O grupo também foi alvo de uma ação civil pública do Ministério Público de São Paulo, que pediu o fechamento do negócio e o bloqueio de R$ 1 bilhão. A Justiça, em resposta ao processo, manteve o conglomerado aberto, mas determinou o bloqueio de R$ 800 milhões.

Mesmo no meio desse turbilhão jurídico, a empresa tenta fomentar o uso de seu Treep Token (TPK), uma “criptomoeda” com pouco valor de mercado. Com ela, é possível apenas comprar produtos e aimentos – a exemplo de sushis ou sapatos – com desconto de até 30%.

Histórico da Genbit:

Genbit começa atrasar pagamentos

Genbit começa ser processada na justiça

Ministério Publico entra com ação contra Genbit, ação de 1 Bi

Polícia Civil investiga Genbit

Genbit diz onde está dinheiro dos clientes

Genbit quer pagar clientes com Sushi

Ex-ancião de igreja promoveu Genbit

Advogado quer varrer da Igreja líderes da Genbit

GenBit diz que sua criptomoeda é igual BAT e Tether

Veja a nota de resposta da GenBit:

A empresa lamenta o episódio, porém, ao contrário do que o advogado da requerente/cliente alegou, a empresa não agiu de má-fé quando realizou o acordo, tampouco tentou induzir o juízo a erro.

Inicialmente, importante esclarecer que no processo em questão, fora deferido em sede de tutela de urgência pelo juízo da 2ª Vara Cível de Barretos o bloqueio BacenJud nas contas correntes da empresa e de seus sócios no valor total de R$ 532.780,64.

A empresa realizou o acordo com a Requerente para que esta recebesse a importância de R$ 100.000,00 (cem mil reais), e tal valor deveria ser transferido do montante bloqueado e mencionado acima. Desta feita, fora destacado no termo de acordo a conta do sócio Nivaldo Gonzaga dos Santos para liberação do valor, haja vista que lá se encontrava praticamente todo o montante bloqueado, quer seja, a quantia de R$ 320.876,80 (trezentos e vinte mil, oitocentos e setenta e seis reais e oitenta centavos).

Ademais, o restante do valor bloqueado pertencia à terceira pessoa estranha à relação em questão, a título de exemplo, citamos o bloqueio na conta do Sr. Isaias da Silva no valor de R$ 101.432,51, que sequer participou do acordo.

Ainda, conforme o Safra destacou em sua petição de resposta, houve falha no sistema do banco, ou seja, a instituição recebeu a ordem de bloqueio, acatou, mas o valor não fora timbrado como indisponível, o que ocasionou a sua saída/utilização do recurso pela empresa.

Como se sabe, as contas correntes da empresa e de seus sócios vem recebendo vários comandos de bloqueios BacenJud, o que prejudicou e continua prejudicando o fluxo de caixa destes, bem como a organização financeira. Assim, tendo em vista essa situação, fica praticamente impossível manter um controle afiado da disponibilidade e indisponibilidade de valores.

Destaca-se, ainda, que a empresa também realizou acordo com o mesmo advogado e na mesma ocasião (Processo nº 1009775-57.2019.8.26.0066) e o acordo foi devidamente cumprido.

Por isso, causa estranheza a comunicação parcial e eivada de lacunas, por parte do informante a este portal, podendo induzir os leigos a uma má interpretação de um assunto técnico/jurídico.

Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.
Lucas Gabriel Marins
Lucas Gabriel Marins
Jornalista desde 2010. Escreve para Livecoins e UOL. Já foi repórter da Gazeta do Povo e da Agência Estadual de Notícias (AEN).

Coinbase faz homenagem a Satoshi Nakamoto em dia de listagem na NASDAQ

Pela primeira vez na história uma corretora de criptomoedas foi listada em uma bolsa de valores, marcando uma nova possibilidade para investimentos nos ativos...
Imagem: Adobe Stock

Receita Federal da Espanha notifica 15 mil investidores de criptomoedas

A Receita Federal da Espanha continua a sua missão de monitorar investidores de criptomoedas que podem não estar declarando transações e ganhos com os...

“Bitcoin criou riqueza para pessoas que não faziam parte do sistema”, diz estrategista da...

O Bitcoin é uma moeda que foi capaz de mudar muitas coisas nos últimos 10 anos, até mesmo fazendo com que Bancos Centrais e...

Cotação do Bitcoin por TradingView

Últimas notícias